Image not available
Image not available
Image not available
Image not available
A+ A A-

Acompanhe ao vivo a VI Plenária Nacional da FUP

Começou nesta quinta-feira, 07, a sexta edição da Plenária Nacional da FUP, que reúne até sábado, em Campos, no Norte Fluminense, 150 petroleiros de vários estados do país. Neste momento, os trabalhadores participam do primeiro painel da plenária, que tem como tema "Conjuntura política e econômica: rearticulação das forças sociais na reconstrução do projeto político, popular e democrático", com Anderson Amaro, da Frente Brasil Popular, Vítor Guimarães, da Frente Povo Sem Medo, e José Divanilton Pereira, diretor da FUP e da CTB.

Acompanhe a transmissão ao vivo feita pela Web TV do Sindipetro-NF:

Manter acesa a chama da resistência 

Com o país refém de um governo golpista e entreguista, é preciso unidade para construção de uma grande frente de resistência à avalanche de ataques que ameaça a democracia, os direitos da classe trabalhadora, as políticas públicas e sociais e a soberania nacional.

A Petrobrás e o Pré-Sal estão no centro desse desmonte e por isso os petroleiros precisam rearticular a luta nacional da categoria em defesa da estatal e do petróleo brasileiro. Não por acaso, o tema desta VI Plenafup é "Manter acesa a chama da resistência", mesmo mote de luta que marcou a categoria em 1995, quando a FUP realizou o seu primeiro congresso nacional, em meio a demissões, punições, intervenções nos sindicatos e tantos outros ataques do governo Fernando Henrique Cardoso.

Naquela época, assim como hoje, os petroleiros tinham acabado de sair de uma greve que entrou para a história da categoria. Vinte e um anos depois, os trabalhadores do Sistema Petrobrás voltam a enfrentar o mesmo projeto ultraliberal de desmontes e de privatizações, que coloca em xeque direitos e conquistas e ameaça entregar ao capital internacional a maior reserva de petróleo da atualidade.

É em meio a esse cenário, que os petroleiros irão deliberar sobre reivindicações, estratégias e calendários de luta. Quatro painéis de debate serão realizados, com participação de lideranças das Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, parlamentares, movimentos sociais e jornalistas independentes.

O local escolhido para sediar a VI Plenafup foi o Instituto Federal Fluminense, na cidade de Campos, região Norte do estado do Rio de Janeiro, base do Sindipetro-NF, que completa esse ano duas décadas de existência. A celebração será com petroleiros de Norte ao Sul do Brasil, que deixarão sua marca nessa plenária decisiva para definir os rumos da categoria. Afinal, nunca foi tão necessário "manter acesa a chama da resistência".

Confira a programação da VI Plenafup:

Quinta-feira - 07 de julho

10h - Painel 1 - Conjuntura política e econômica: rearticulação das forças sociais na reconstrução do projeto político, popular e democrático

Debatedores:  Anderson Amaro, pela Frente Brasil Popular, Vítor Guimarães, pela Frente Povo Sem Medo, e Divanilton Pereira, da CTB e FUP 

14h – Eleição da Mesa Diretora e aprovação do Regimento Interno

15h - Eleição da tese guia

17h - Cerimônia de abertura da VI Plenafup

Sexta-feira - 08 de julho

10h - Painel 2- Perspectivas de enfrentamento para resistir ao golpe jurídico e midiático no Brasil

Debatedores:  Deputado Federal Wadih Damous, Laura  Capriglione, do coletivo Jornalistas Livres, e Paulo Moreira Leite, diretor do portal de notícias Brasil 247 e autor dos livros "A outra história da Lava-Jato: uma investigação necessária que se transformou numa operação contra a democracia" e "A outra história do Mensalão: as contradições de um julgamento político"

14h - Painel 3- O golpe é contra o trabalhador: Como enfrentar os ataques aos direitos e conquistas sociais dos trabalhadores?

Debatedores:  Senador Lindbergh Farias e Alysson de Sá Alves, do DIAP

Sábado - 09 de julho

09h - Painel 4- A defesa do pré-sal e da Petrobrás como motor do desenvolvimento nacional e de resistência ao projeto neoliberal

Debatedores: representantes da FUP no GT Pauta pelo Brasil, Pedro Celestino, do Clube de Engenharia, e Gilberto Cervinski, da Coordenação Nacional do MAB

12h - Reuniões das forças políticas

15h - Plenária de discussão da pauta da categoria e calendário de lutas

19h - Solenidade de encerramento

Domingo - 10 de julho

Retorno das delegações

Fonte: FUP

Mídia