updated 1:51 PM BRT, Aug 16, 2017
Quarta-Feira, 16 de Agosto de 2017

banner programacao

Painel discute o papel estratégico do petróleo

(Via Sindipetro-BA)

Na manhã deste domingo, 06/08, os cerca de 400 delegados do XVII CONFUP, aprovaram a pauta de reivindicações da categoria que será entregue à direção da Petrobrás ainda no mês de agosto.

Em seguida, os congressistas participaram do painel “Privatizar a Petrobrás faz mal ao Brasil”, com o  ex-presidente da Petrobrás, José Sérgio Gabrielli e do economista e professor da UFRJ, Eduardo Pinto, um dos integrantes do Grupo de Estudos e Pesquisas Estratégicas para o Setor de Óleo e Gás (GEEP/FUP).

 

O ex-presidente da Petrobrás, explicou as mudanças que estão acontecendo no setor de petróleo no Brasil, que reduzem o controle do estado e facilitam a abertura para empresas estrangeiras. Ele relatou que as grandes mudanças  ocorrem nas áreas de exploração e produção, na política de gás natural e no refino e abastecimento.

Segundo Gabrielli, há um claro estímulo para montagens de pacotes para refinarias e logística, visando o incentivo da entrada de outras empresas no mercado. “Essas mudanças que estão ocorrendo fazem parte de uma política de governo, que defende que o petróleo vai deixar de ser importante,  partindo do pressuposto que o carro  elétrico  irá substituir os veículos com motores a combustão”.

Segundo essa visão,  explica o economista, “o petróleo passará a ser uma mercadoria como outra qualquer, uma commoditie como feijão ou arroz, perdendo o seu caráter estratégico. Ainda de acordo com o governo, do ponto de vista da eletricidade, o gás estaria cada vez mais disponível, pois haveria um grande volume de GLS circulando”. 

Mas Gabrielli discorda, “a meu ver essa visão sobre o papel do petróleo na economia é equivocada, por mais rápida  que seja a expansão do carro elétrico, o impacto vai demorar muito, pelo menos 40 ou 50 anos, para ocorrer".  Ele afirmou ainda que a  disputa pelas reservas é um elemento central na geopolítica mundial, ressaltando que os conflitos mundiais atuais estão ligados ao acesso ao petróleo.   

Para o economista e professor, Eduardo Pinto, “é impressionante o tamanho da mudança, o tamanho do desmonte da Petrobrás”. Ele afirmou que o atual presidente da Petrobrás, Pedro Parente, alinhado a uma política do governo federal, “construiu e reforçou a narrativa de que “a  corrupção teria gerado uma crise financeira estrutural que somente poderia ser resolvida com a venda de ativos (redução do tamanho da empresa)”.

Ele explicou que “esse mito foi utilizado para legitimar a estratégia gerencial da atual presidência (expressa no Plano de Negócios e Gestão – PNG – 2017-2021) que tem como eixos:, concentrar suas atividades em Exploração & Produção de petróleo e gás, diminuindo sua participação em outras áreas tornando a empresa “enxuta” (com redução do número de empregados e investimentos);  reduzir de forma acelerada o seu nível de endividamento/alavancagem financeira. Isso está ancorado na estratégia de desinvestimento (venda de ativos, sobretudo para capitais estrangeiros, e redução de investimentos).

Fonte: Sindipetro-BA

06-08mesa
06-08confupze
06-08confupplateia
06-08confupmirian
06-08confupgabrielli
06-08confupeduardo
06-08confupcubana
06-08confupcrachas
06-08confup
06-08confupcastellano

Mídia

Última modificação emDomingo, 06 Agosto 2017 14:10