CONFIRA O QUADRO NACIONAL DAS ASSEMBLEIAS: Petroleiros estão rejeitando nova contraproposta da Petrobrás

Terça, 15 Novembro 2011 22:00
Data da greve nacional será definida pelo Conselho Deliberativo da FUP

Imprensa da FUP

Conforme indicativo do Conselho Deliberativo da FUP, os trabalhadores do Sistema Petrobrás estão rejeitando a segunda contraproposta apresentada pela empresa no dia 14. As assembléias já foram concluídas nesta quarta-feira, 16, na Bahia, e prosseguem no Rio Grande do Sul, Espírito Santo, Minas Gerais, Amazonas, Duque de Caxias e Rio Grande do Norte. A nova contraproposta da Petrobrás não apresenta avanços significativos em relação às reivindicações sociais da categoria, principalmente no que diz respeito à saúde e segurança. Além disso,  a empresa também continua sem responder outras importantes reivindicações e pontos que foram negociados na última rodada com a FUP e seus sindicatos, como o pagamento das horas extras dos feriados trabalhados em regimes especiais (dobradinha). 

Intensificar as paralisações surpresa

A FUP orientou os sindicatos a intensificarem as paralisações surpresa e "Operação Gabrielli". Na Bahia, os trabalhadores aprovaram nas assembléias iniciar imediatamente as paralisações. De acordo com as informações do Sindipetro-BA, os petroleiros cortaram a rendição dos turnos das principais unidades operacionais. Os trabalhadores do regime administrativo, próprios e terceirizados, não entraram para trabalhar (veja aqui o comunicado do Sindipetro-BA). Na Regap, em Minas Gerais, os trabalhadores do grupo 5 também decidiram em assembléia cortar a rendição do turno à zero hora desta quarta, 16. O turno só voltou a ser rendido pela manhã.

Data da greve nacional será definida pelo Conselho Deliberativo

A greve por tempo indeterminado, com controle e parada de produção, será iniciada na data que for definida pela FUP e seus sindicatos na reunião do Conselho Deliberativo, que acontece na próxima terça-feira, 22, no Rio de Janeiro. Formado por representantes de cada um dos 12 sindicatos filiados, além da diretoria executiva da FUP, o Conselho se reunirá pela quinta vez nesta campanha para avaliar o quadro nacional das assembléias e definir os próximos encaminhamentos que serão divulgados aos trabalhadores da Petrobrás e subsidiárias.

Quadro parcial das assembléias:

Na Bahia, as assembléias foram todas realizadas nesta quarta-feira, 16, e os trabalhadores aprovaram o indicativo da FUP e dos sindicatos de rejeição da nova contraproposta da Petrobrás. 

Em Minas Gerais, as assembléias já foram realizadas com os grupos 1, 5, 3 e 2 da Regap, que também rejeitaram a contraproposta. Até o momento, são 121 votos contrários à contraproposta, 58 a favor e 32 abstenções. As assembléias prosseguem até sexta-feira, 18. 

No Rio Grande do Sul, os trabalhadores da Refap e dos terminais também estão rejeitando a contraproposta. Na refinaria, já foram consultados três grupos de turno e todos os grupos dos terminais de Osório (Tedut) e Canoas (Tenit), que rejeitaram a nova proposta da Petrobrás. As assembléias prosseguem até sexta-feira, 18. 

No Espírito Santo, as assembléias começaram nesta quarta-feira, 16, e continuam até o dia 21. Foram ouvidos os trabalhadores do quatro prédios administrativos da Petrobrás, em Vitória, onde a contraproposta da empresa foi rejeitada por 179 votos, aprovada por 54 trabalhadores e teve 18 abstenções. As assembléias prosseguem nesta quarta em São Mateus. 

Na Reduc, em Duque de Caxias, a primeira consulta aos trabalhadores foi realizada na tarde desta quarta-feira, 16, com o grupo D do turno, que rejeitou por 94 votos a contraproposta da Petrobrás, que obteve 22 aceitações e 06 abstenções na assembléia. O calendário de assembléias se encerra na segunda-feira, 21. 

No Amazonas, os trabalhadores da Reman também estão rejeitando a contraproposta da Petrobrás. Foram consultados até agora três grupos de turno e o resultado foi amplamente favorável ao indicativo da FUP e dos sindicatos de rejeição. As assembléias prosseguem até amanhã, 17. 

No Rio Grande do Norte, os petroleiros também rejeitando a contraproposta da Petrobrás. As assembléias começaram no dia 15 e prosseguem até sexta-feira, 18. Já foram ouvidos trabalhadores nas plataformas, no Pólo de Guamaré, nos campos de Estreito e Alto do Rodrigues. 

Nas bases do Sindipetro Unificado-SP, as assembléias começam à meia noite de hoje, na Replan, e prosseguem até segunda-feira, 21. No Ceará e nas bases de Pernambuco e Paraíba, as assembléias serão realizadas nesta quinta, 17, e sexta-feira, 18.  

No Norte Fluminense, o sindicato só iniciará as assembléias, quando a Petrobrás retirar as equipes de contingência das plataformas e do Terminal de Cabiúnas. Segundo denúncias dos trabalhadores, a empresa embarcou nas plataformas, vários supervisores, gerentes e demais "fura greves" para impedir qualquer tipo de paralisação por parte da categoria.  Até esta quarta, 16, o Sindipetro-NF havia recebido da categoria o nome de 510 fura greves, das plataformas P-08, P-15, P-18, P-20, P-25, P-27, P-31, P-33, P-38, P-40, P-43, P-48, P-50, P-51, P-52, P-54, P-56, PNA-2, PRA-1, PVM-2,PVM-3, PCH-2 e PCP-1/3. Em Cabiúnas, segundo o sindicato, existem 16 fura greves se revezando em dois turnos de 12 horas. 

No Paraná e em Santa Catarina, o Sindipetro decidiu suspender a convocação das assembléias até a próxima reunião do Conselho Deliberativo da FUP, em protestos contra  a truculência e ações antissindicais da Petrobrás. Leia aqui o comunicado do Sindipetro-PR/SC. 

 

Mídia

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram