Sindicato participa de instalação de Frente em Defesa da Petrobrás

Quinta, 29 Agosto 2013 10:48

Sindipetro-RN

Com o intuito de denunciar e combater a redução de investimentos da Petrobrás nos estados do nordeste brasileiro e no norte do Espírito Santo, o SINDIPETRO-RN participou da reunião de instalação da "Frente Parlamentar em Defesa da Petrobras e do Pré-Sal", realizada na Câmara dos Deputados, nesta última terça-feira, 27 de agosto.

Em pauta, pontos específicos relacionados ao leilão do Campo de Libra, previsto para o próximo mês de outubro; o abandono dos campos terrestres, com repercussões negativas na economia de vários Estados; e a organização de um ato público contra a atual política de desinvestimentos da Companhia.

A Frente Parlamentar foi lançada em 22 de maio e é composta por 235 deputados e senadores, sendo apoiada por diversas entidades, tais como: CTB, CUT e UNE, além da FUP e sindicatos filiados. A articulação é presidida pelo deputado federal Luiz Alberto (PT-BA) e trabalhará em parceria com a Frente Parlamentar em Defesa do Fundo Social do Pré-Sal, coordenada pela deputada federal Benedita da Silva (PT/RJ), que visa garantir a destinação dos royalties do petróleo para investimentos na área social.

Além do coordenador do SINDIPETRO-RN, José Araújo, participaram do evento o coordenador da FUP, João Antônio de Moraes; diversos dirigentes da Federação; além de representantes dos Sindipetros do norte-fluminense; Unificado de São Paulo; Minas Gerais; Paraná/Santa Catarina; Duque de Caxias; Bahia e Espírito Santo.

A Frente Parlamentar em Defesa da Petrobrás e do Pré-Sal tem como vice-presidente o deputado federal Ronaldo Zulke (PT/RS). A deputada Luci Choinacki (PT/SC) é coordenadora da regional Sul;  o deputado Edson Santos (PT/RJ) coordena a regional Sudeste; e a deputada Fátima Bezerra (PT/RN) é coordenadora da regional Nordeste. Os coordenadores das regionais Norte e Centro-Oeste ainda não foram definidos.

Publicado em SINDIPETRO-RN

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.