Ato reúne no Edisp mais de 150 trabalhadores em repúdio às declarações do gerente de RH

Sexta, 01 Março 2019 16:47
Avalie este item
(0 votos)
 REPRODUÇÃO
notice

Trabalhadoras e trabalhadores do Edisp (sede administrativa da Petrobrás na avenida Paulista) realizaram na manhã da sexta-feira, 1 de março, ato com atraso de duas horas na sede da Avenida Paulista, que está sendo alvo de ataque por parte da direção da empresa. A realização do ato foi definida em reunião setorial ocorrida na quarta-feira.

Cerca de 150 funcionários participaram do atraso. “Foi uma adesão consciente e voluntária, não havia nenhum constrangimento para quem não quisesse participar, isso demonstra como as pessoas estão preocupadas e sabem que a mobilização é o melhor caminho”, afirmou o coordenador do Unificado, Juliano Deptula.

O ato ocorre em decorrência da notificação de que o prédio do Edisp será desativado e os funcionários transferidos para o Rio de Janeiro, mas foi convocado, principalmente, pelo mal-estar ocasionado pela visita – no dia 25 de fevereiro - do gerente executivo de RH, Claudio Costa; que, em reunião, ofendeu a dignidade dos trabalhadores, ameaçou de demissão quem permanecesse em São Paulo e afirmou que as refinarias seriam privatizadas.

Busca de opções

A diretora do Unificado e da FUP, Cibele Vieira, iniciou o ato lembrando de outros episódios em que houve transferência de funcionários, mas com mobilização e informação conseguiu-se negociar condições melhores do que as impostas inicialmente pela empresa. “Vocês precisam nos fornecer subsídios para que possamos sentar e negociar com a empresa com informações precisas”, destacou Cibele.

Alexandre Castilho, também diretor do Sindicato e funcionário do Edisp, fez o retrospecto do movimento nas últimas semanas e da surpresa em relação à presença do GEx na sede do Edisp no mesmo dia em que ocorria a reunião com o RH no Rio de Janeiro. “Estávamos lá debatendo quando surgiu a notícia de que o Claudio Costa estava aqui em São Paulo, isso é uma total falta de respeito ao diálogo”.

O ato contou com a participação de dirigentes das três regionais e dos sindipetros do Litoral Paulista e de Minas Gerais, que vieram prestar solidariedade à luta.

Ficou definida que uma comissão formada pelo Sindicato e por trabalhadores de todas as áreas do Edisp fará um estudo paralelo de viabilidade econômica para a permanência em São Paulo, em local de menor custo. Ao final do ato, os presentes deram um “cartão vermelho” para Claudio Costa.

[Via CUT]

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram