Durante a greve, categoria deve seguir as orientações do Sindipetro Bahia

Sexta, 31 Janeiro 2020 16:01

Os petroleiros se preparam para mais uma greve. Acostumada a lutar por seus diretos, a categoria já protagonizou diversos movimentos paredistas, mas podemos dizer que esse é um dos mais importantes, pois o que está em jogo é o futuro de cada trabalhador petroleiro e sua família.

A atual gestão da Petrobrás está desrespeitando os fóruns de negociação da categoria, descumprindo o Acordo Coletivo de Trabalho, realizando transferências arbitrárias, mudanças nas escalas de trabalho que afetam a vida do trabalhador,  e demissão em massa, de forma ilegal.

Só na FAFEN Paraná serão cerca de mil trabalhadores demitidos sumariamente (396 trabalhadores próprios e 600 terceirizados).

É preciso compreender que a categoria petroleira é uma só, seja no Paraná, no Rio de Janeiro, em São Paulo ou na Bahia, o que afeta um, mais cedo ou mais tarde, vai afetar a todos.

Por isso, precisamos mostrar a nossa força e fazer com que a direção da Petrobras respeite a lei e a categoria petroleira.

O mais forte instrumento de luta dos trabalhadores, a greve é um direito garantido na Constituição. Portanto, o movimento dos petroleiros é legal e deve ser realizado, como sempre foi, seguindo as determinações da lei, que valem para os dois lados: patrão e empregado. Ilegal e imoral é a atitude da atual gestão da estatal.

Siga as orientações do Sindipetro Bahia para garantir a sua segurança física e jurídica e vamos fazer dessa a maior e mais forte greve da categoria petroleira.

As orientações devem ser seguidas pelos trabalhadores próprios e terceirizados. Veja abaixo:

 – Continue a se deslocar normalmente ao local de trabalho nos horários das respectivas escalas.

– Não assine nenhum documento individual encaminhado pela Petrobrás

– Caso a Petrobras insista que você assine qualquer documento que, por exemplo, dê a sua autorização para que permaneça na unidade durante a greve, não assine.

– Não antecipe a sua jornada e nem permaneça no seu posto de trabalho após o fim do seu horário de trabalho sem o consentimento dos diretores do sindicato.

– Não durma na unidade operacional

– Denuncie ao Sindipetro qualquer tipo de assédio que venha a sofrer para que a entidade sindical tome as providências jurídicas cabíveis

– Ao se sentir pressionado, grave as conversas com a gerência e encaminhe o áudio para o Sindipetro (veja abaixo os canais de comunicação). Precisamos comprovar as situações de assédio.

– As provas de assédio farão parte das ações que a assessoria jurídica do Sindipetro irá impetrar na justiça para criminalizar todos os gerentes e supervisores que estejam assediando os trabalhadores

– Ao chegar ao local de trabalho durante a greve, junte-se à direção sindical e movimentos sociais nos piquetes, em todas as frentes. O sindicato vai precisar da ajuda de todos e todas. Uma greve vitoriosa só pode ser feita com a participação de toda categoria.

– Converse com o seu companheiro e não ceda à pressão das gerências.

– Lembre-se que é ilegal o trabalhador da Petrobras dar ordens a trabalhador terceirizado em período de greve

– A greve é um direito previsto em lei, portanto, durante o movimento paredista o seu contrato de trabalho estará suspenso e não poderá haver demissões.

– A decisão final do que deve e como deve ser feito é da direção do sindicato. Portanto, em caso de dúvida, procure um diretor do Sindipetro.

Canais para denúncias

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

WhatSapp Sindipetro (71) 99924-2999

 

Via Sindipetro Bahia

Mídia

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram