Marcha no centro de Canoas marca o sétimo dia da Greve dos Petroleiros

Sexta, 07 Fevereiro 2020 20:13

Há uma semana em greve, os petroleiros realizaram uma marcha pelo centro de Canoas, na manhã dessa sexta-feira (07). Durante toda a caminhada, os trabalhadores denunciaram à população as perdas que o município acumulará com a saída da Petrobrás no RS. Os trabalhadores também entregaram panfletos e esclareceram as dúvidas daqueles que questionavam sobre os motivos da greve, ressaltando a importância dessa luta pela defesa da soberania nacional.

A ação integrou fez parte do calendário de mobilizações da Greve Nacional dos Petroleiros. Até o momento, são 70 unidades do Sistema Petrobrás mobilizadas em 13 estados. Os trabalhadores lutam pela suspensão das demissões na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen-PR), contra as demissões em massa no Sistema Petrobrás pelo cumprimento do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT).

Em cumprimento à liminar que o ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Ives Gandra, proferiu no último dia 04, os sindicatos não estão realizando piquetes nas unidades. A participação dos trabalhadores na greve é espontânea e se dá pela indignação da categoria com as demissões na Fafen-PR e as medidas unilaterais tomadas pela gestão da Petrobrás, em descumprimento ao ACT. Por isso, a cada dia, crescem as adesões ao movimento.
Desde o início, a FUP e seus sindicatos têm cumprido todos os procedimentos legais em relação à greve, tanto no que diz respeito à busca de interlocução com a Petrobrás, quanto no atendimento das necessidades essenciais da população.

Direito garantido em lei

A greve é um direito garantido em lei e o movimento paredista dos petroleiros está seguindo todos os trâmites legais que são exigidos nesse caso. Portanto, a greve da categoria é legal e constitucional. Não é abusiva.
É muito importante que todos se mantenham unidos e não aceitem pressão da gerência. Em caso de qualquer problema, como pressão ou assédio moral, procure um diretor do sindicato.
Após levantamento do quadro nacional de greve, a FUP afirmou que “em cumprimento à liminar que o ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Ives Gandra, proferiu no último dia 04, os sindicatos não estão realizando piquetes nas unidades. A participação dos trabalhadores na greve é espontânea e se dá pela indignação da categoria com as demissões na Fafen-PR e as medidas unilaterais tomadas pela gestão da Petrobrás, em descumprimento ao ACT. Por isso, a cada dia, crescem as adesões ao movimento”.

Com informações da FUP

Acompanhe as atualizações e as imagens da greve através das Redes Sociais do Sindipetro-RS: 

* Facebook: @sindipetro.rs

* Twitter: @sindipetroR

* Instagram: @sindipetrors

[Via Sindipetro-RS]

Mídia

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram