A direção da Petrobrás iniciou nesta sexta-feira, 28, o processo de venda de oito das 13 refinarias. Segundo “teaser” anunciado ao mercado, a empresa pretende vender as unidades em duas etapas. Inicialmente, serão colocadas à venda as refinarias Presidente Getúlio Vargas (REPAR/Paraná), Alberto Pasqualini (REFAP/Rio Grande do Sul), Abreu e Lima (RNEST/Pernambuco) e Landulpho Alves (RLAM/Bahia).

A segunda etapa de vendas, que será anunciada até o final do ano, englobará as refinarias Isaac Sabbá (REMAN/Amazonas), Gabriel Passos (REGAP/Minas Gerais), a Fábrica de Lubrificantes do Nordeste (LUBNOR/Ceará) e a Unidade de Processamento de Xisto (SIX/Paraná).

Como a FUP vem alertando, a privatização das refinarias vai colocar em risco a soberania energética do país e aumentar ainda mais os preços dos derivados de petróleo. As oito unidades que estão à venda representam metade da capacidade nacional de refino, ultrapassando 1 milhão de barris de petróleo por dia.

O que a gestão da Petrobrás está fazendo é favorecer as empresas estrangeiras, ao abrir mão de ativos que são economicamente estratégicos para a companhia e essenciais para a população, já que a missão principal da estatal é garantir o abastecimento nacional.

Além disso, quando uma estatal entrega ao mercado 61% do seu parque de refino, está colocando em risco a soberania do país, ao criar monopólios regionais privados que dominarão o mercado nacional de derivados. Com isso, os já elevados preços da gasolina, do diesel e do gás de cozinha tendem a disparar, já que estão completamente fora de controle do Estado brasileiro.

“Dizer que os preços dos derivados vão baixar com a venda das refinarias é mais uma fake news do governo. O Castello Branco (presidente da Petrobrás) mente quando usa esse tipo de argumento para defender sua política de esfacelamento da companhia”, esclarece o coordenador da FUP, José Maria Rangel.

“A Petrobrás já está sendo gerida como uma empresa privada. Por isso, começou a praticar uma política de preços de derivados em sintonia com o mercado internacional. Nós estamos denunciando isso desde a gestão Pedro Parente. Quem comprar as nossas refinarias não vai vender derivados aqui no Brasil com preços abaixo do mercado internacional”, alerta José Maria, lembrando que no final de 2013, o preço médio do litro da gasolina era de R$ 2,98. Hoje, está acima de R$ 5,00.

“Esse modelo ultraliberal e privatista que Castello Branco e a equipe econômica do governo defendem nunca construiu nada no país, nunca descobriu uma reserva de petróleo, é um modelo predador das riquezas do povo brasileiro. Seria mais honesto se eles assumissem que querem vender a Petrobrás porque não suportam a ideia de uma empresa eficiente ser uma estatal e símbolo do sucesso do nosso povo”, afirmou o coordenador da FUP.

“Castello Branco e sua turma não irão destruir a maior empresa do país, fazendo feirões de refinarias, dutos, campos de petróleo, como se tivessem vendendo produtos em uma quitanda.  Se eles não conhecem a história de resistência da categoria, é bom se preparem para o embate”, alerta José Maria, anunciando que os petroleiros irão pro enfrentamento e não medirão esforços na luta para defender o Sistema Petrobrás e a soberania nacional.

[FUP]

Publicado em Sistema Petrobrás

A era da modernidade é definida como o período de avanços nos direitos sociais, civis e políticos na sociedade em comparação à idade média, ou era das trevas, na qual as pessoas que ousavam pensar eram queimadas vivas ou torturadas. Felizmente essa época foi vencida e hoje a liberdade de expressão é um direito fundamental nas sociedades modernas.

Atualmente a gestão de pessoas também procura se modernizar e implantar ações de valorização da diversidade nos ambientes de trabalho, enfatizando a criatividade e a liberdade de expressão dos seus funcionários. Isso ocorre em várias empresas ao redor do mundo, mas a atual gestão da Petrobras vai na contramão dessas práticas. É o que acontece atualmente na Repar.

Sob um falso discurso moralista, que na realidade pretende disfarçar um sentimento preconceituoso e ultrapassado, algumas pessoas implantam a censura à liberdade de expressão dos trabalhadores e praticam atos de assédio moral ou ameaças àqueles que utilizam camisetas ou adesivos que refletem apenas um sentimento nacionalista.

A frase “NÃO ESTAMOS À VENDA”, estampada na camiseta da campanha do Sindicato contra a privatização da Petrobrás, expressa um sentimento de defesa do patrimônio público, representa o orgulho da maior empresa do Brasil, demonstra uma opinião contrária ao entreguismo do nosso país e é uma prática de cidadania e de defesa dos direitos trabalhistas.

Impedir os trabalhadores e trabalhadoras de expressar sua opinião é uma afronta à liberdade de expressão e ao direito fundamental do ser humano, que é raciocinar. Por isso, o Sindipetro recomenda que todos, petroleiros e petroleiras, próprios ou terceirizados, que sofrerem ameaças ou assédios devido a utilização das camisetas ou dos adesivos, que denunciem ao Sindicato o nome e setor dessa pessoa, com um breve relato do ocorrido, através do e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Os trabalhadores têm o direito de livre manifestação da sua opinião, seja nas ruas ou nas empresas. A ditadura foi vencida em nosso país e a democracia, apesar de golpeada em 2016, segue valendo judicialmente e politicamente.

Podem querer nos calar, podem querer retirar nossos direitos civis, sociais e políticos, mas não conseguirão. A história mostra que por detrás da cortina de fumaça da censura, as pessoas nunca deixaram de pensar e de se expressar.

Se alguns gestores da Repar ainda vivem na era das trevas ou na falida ditadura, nós demonstraremos que não há mais espaço às censuras ou imposições de uma falsa moral. O combate às afrontas à cidadania e ao pensamento político é uma bandeira que inúmeras instituições ao redor do mundo, e também no Brasil, é erguida com força.

Declaração Universal dos Direitos Humanos
Adotada e proclamada pela Assembleia Geral das Nações Unidas (resolução 217 A III) em 10 de dezembro 1948.

Artigo 19 - Todo ser humano tem direito à liberdade de opinião e expressão; esse direito inclui a liberdade de, sem interferência, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e idéias por quaisquer meios e independentemente de fronteiras.

NÃO À CENSURA! NÃO À DITADURA! NÃO ESTAMOS À VENDA!

[Via Sindipetro-PR/SC]

Publicado em SINDIPETRO-PR/SC
Página 4 de 4

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram