Assembleia legislativa de MG acompanha julgamento da Chacina de Unaí

Quinta, 22 Outubro 2015 12:17

Publicado originalmente no Jornal O tempo

Por Alien Diniz e Natália Oliveira

O julgamento dos réus do crime conhecido como chacina de Unaí, na região Noroeste de Minas, que resultou na morte de quatro auditores fiscais em 2004,  foi mais uma vez adiado nesta quinta-feira (22) na sede da Justiça Federal em Minas, na avenida Álvares Cabral. Os advogados de defesa reclamaram que novas provas foram adicionadas ao processo sem conhecimento prévio da defesa.  O julgamento começou  por volta de 9h15 e por volta de 9h50 foi anunciado o adiamento. Já são quase doze anos desde o crime e nos últimos 11 anos a defesa apresentou 25 recursos que adiaram o julgamento.

Nesta quinta, sentariam no banco dos réus Noberto Mânica, acusado de ser o mandante do crime e José Alberto Costa, suspeito de ter intermediado a contratação dos pistoleros para executar as vítimas. Eles devem ir a júri na próxima terça-feira (27). O terceiro acusado do crime Antério Mânica, que é irmão de Norberto, e também é acusado de ser mandante do crime será julgado no próximo dia 4 de novembro. 

O quarto  réu Hugo Alves Pimenta, acusado de contratar os executores, teve seu processo desmembrado logo no início da sessão, ele também seria julgado nesta quinta (22), mas seu julgamento foi adiado para o próximo dia 10 de novembro. Seu advogado de defesa, Lúcio Adolfo pediu para que ele fosse julgado separadamento por ser réu e também colaborador do processo.

Logo no início do julgamento, os advogados de defesa começaram a pedir o  adiamento do julgamento novamente já que, segundo o advogado de Norberto, Antônio Carlos de Almeida Castro novas provas foram adicionadas ao processo sem conhecimento prévio da defesa. Segundo Castro, as provas seriam vídeos anexados na última segunda-feira (19) em um acordo de delação premiado entre Lúcio Adolfo e o Ministério Público Federal .

Os advogados de defesa dos dois réus ameaçaram sair do julgamento por não terem acesso aos vídeos. A acusação chegou a propôr que eles assistissem o vídeo então na hora, porém eles não aceitaram. O juiz Murilo Fernandes de Almeida chegou a relutar pelo adiamento, mas acabou cedendo. Segundo ele, todos devem estar cientes dos gastos com os familiares em Belo Horizonte.

“Quero que fiquem cientes das consequências da permanência de 100 pessoas na capital durante o fim de semana”, disse o juiz.

Revolta

Familiares das vítimas se revoltaram com o adiamento. Quando foi anunciado pelo juiz, muitas pessoas chegaram a gritar: "manobra, nós estamos indignados, não aguentamos mais que essa Justiçã não faça esse julgamento". 

Antes do julgamento, eles já tinham protestado em frente a Sede da Justiça Federal, com faixas e cartazes eles reclamaram da demora de 12 anos para o julgamento. Além disso, exibiram as fotos das vítimas e pediram Justiça. Antes do julgamento a movimentação em frente ao fórum era grande.

Entenda o crime

O crime ocorreu na manhã do dia 28 de janeiro de 2004, quando dois pistoleiros esperavam o auditor fiscal Nelson José a Silva em uma estrada da cidade. Sua morte estava encomendada por fazendeiros da região inconformados com a fiscalização do auditor. A ordem era para assassinar também quem estivesse com ele e esse foi o destino dos auditores fiscais João Batista Lage, Erastótenes de Almeida Gonsalves e do motorista Ailton Pereira de Oliveira.

No mesmo período das mortes Antério foi eleito e reeleito prefeito de Unaí, cumprindo oito anos de mandato. Ele e seu irmão Noberto eram conhecidos como os maiores produtores rurais com plantações em Unaí e no Paraná.

Publicado em DIREITOS HUMANOS

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.