Plenafup destaca protagonismo dos petroleiros na defesa da soberania e por Lula Livre

Quinta, 02 Agosto 2018 13:16

Com a participação de petroleiros de todo o país, teve início nesta quarta-feira (01/08), no Rio de Janeiro a VII Plenária Nacional da FUP, com o desafio de construir um amplo calendário de lutas contra a privatização do Sistema Petrobrás e do Pré-Sal e pela retomada do projeto popular democrático que foi desmontado pelo golpe. A VII Plenafup, que tem como tema “[email protected] pelo Brasil: Reagir, lutar, vencer”, prossegue até domingo (05), com a presença de cerca de 250 trabalhadores e convidados.

A abertura do evento foi realizada na quadra da escola de samba Paraíso do Tuiuti, que no carnaval deste ano fez um desfile repleto de críticas aos golpistas. A agremiação levou para a Passarela do Samba uma alegoria gigante de Michel Temer caracterizado como vampiro, “manifestantes fantoches” fantasiados de paneleiros com camisetas da CBF, patos da Fiesp controlados pelas mãos gigantes da mídia, entre outros destaques.

A cerimônia contou com a participação de representantes das centrais sindicais – CUT e CTB, das frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo e de diversos movimentos sociais que têm marchado ao lado dos petroleiros nas lutas em defesa da soberania nacional e pela retomada de democracia, como MST, MAB, MPA, Levante Popular da Juventude, UBES, além da CNQ, do Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas. Também participaram da abertura da Plenafup o coordenador licenciado da FUP e pré-candidato a deputado federal pelo PT/RJ, José Maria Rangel, e a colombiana Sonia Milena López Tuta, presidente da Fundação Joel Sierra e integrante do Congreso de Los Pueblos Capitulo Centro Oriente.

“Luta de classe é luta política”, afirma o presidente da CUT

Os convidados enfatizaram em suas falas que a tarefa primordial da classe trabalhadora organizada e dos movimentos sociais e populares é a eleição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, cuja candidatura será lançada no próximo dia 15 em Brasília. “A luta hoje é ideológica e política. É nós contra eles (os golpistas). Ou nós os derrotamos ou eles nós derrotam. Luta de classe é luta política, é luta ideológica contra a direita”, ressaltou o presidente da CUT, Vagner Freitas.

Ele ressaltou que o imenso apoio popular à candidatura de Lula é a prova de que os trabalhadores estão vencendo o debate ideológico.  “Eles (os golpistas) achavam que com Lula preso, nós estaríamos derrotados. O Lula sozinho ganha a eleição no primeiro turno. Por isso, eles ficam tentando incutir na cabeça dos trabalhadores que sindicato não é para discutir política, nem disputar eleição, que sindicato é só para discutir emprego, salário e condição de trabalho. Eles sabem que, se a gente não fizer política, eles fazem e mandam na gente. Temos que disputar todos os espaços de representação dos trabalhadores”, afirmou o presidente da CUT.

“O golpe foi dado no Parlamento, com apoio financeiro e da mídia, porque mais de 400 dos 513 deputados federais são bancados pelos empresários. Eleger Lula é essencial, mas para nós derrotarmos os golpistas, precisamos aumentar a quantidade de trabalhadores representados no Congresso Nacional”, ressaltou Vagner, informando que um dos projetos da CUT é a democratização do Congresso Nacional.

 “Estamos diante de dois projetos: civilização ou barbárie”, afirma José Maria Rangel

Em sua saudação aos petroleiros e demais convidados da VII Plenafup, José Maria Rangel, relembrou a trajetória de lutas da categoria petroleira, ressaltando que FUP sempre teve a coragem de defender Lula em todos os seus fóruns. “Nós nunca tivemos vergonha de dizer qual é o nosso lado, pois sempre soubemos que estávamos vivendo o tempo todo uma luta de classes”, ressaltou.

José Maria destacou que o povo brasileiro está diante de dois projetos políticos radicalmente opostos nas eleições deste ano. “Ou será a civilização ou será a barbárie. Porque o que está aí, sem referendo do voto popular, retirando direitos da classe trabalhadora, aumentando a miséria e a fome, entregando o nosso patrimônio público, imagine o que esses caras podem fazer se eles forem legitimados pelo voto, nessas eleições? Eles vão acabar de entregar o nosso país”, afirmou José Maria, lembrando que os petroleiros são decisivos nesta disputa.

“A Petrobrás está no centro do golpe e nós petroleiros jamais nos furtamos de enfrentar os golpistas. Por isso nossa categoria é respeitada em todo o país. Fomos os primeiros a entender o que estava em jogo, a denunciar e a enfrentar o golpe”, ressaltou o coordenador licenciado da FUP, destacando que a VII Plenafup será fundamental para reafirmar o compromisso de luta da categoria.

 “A história da nossa camisa é a história da nossa resistência”, afirma Simão Zanardi

 O coordenador em exercício da FUP, Simão Zanardi Filho, iniciou sua fala, com uma saudação ao ex-presidente Lula, reafirmando a solidariedade dos petroleiros e o apoio da categoria à sua candidatura por entender que ele é um preso político do golpe que foi dado no país. Ele destacou a importância do jaleco laranja dos petroleiros ter se tornado símbolo de resistência nas jornadas de lutas da classe trabalhadora em defesa da soberania, da democracia, contra o golpe e contra a prisão política de Lula.

“Nos orgulhamos de sermos uma grande brigada laranja nessas lutas. Essa camisa tem muita história para contar e a história dessa camisa é hoje a história da resistência dos petroleiros contra o golpe. Nós demos um passo importante ao reafirmar que Lula é nosso candidato, daremos um passo mais importante que é reeleger Lula e depois disso teremos uma missão que é fazer Lula governar porque as forças da direita não querem Lula candidato”, ressaltou Simão.

Ele lembrou que a categoria irá discutir na VII Plenafup estratégias de luta contra a privatização e contra o golpe, que passam por deliberações que serão fundamentais para o futuro não só dos petroleiros, como da classe trabalhadora como um todo. “As mobilizações dos dias 10 (Dia do Basta) e 15 de agosto (Ocupa Brasília para lançamento da candidatura de Lula) serão as primeiras das grandes lutas que os petroleiros travarão nesse segundo semestre”, afirmou Simão.

ffc652e7-c77b-48c1-a6c9-11cfff8876b2
ffaf1208-1d81-40f6-9016-7f88238c7d84
febca107-ffba-443f-9e90-2fe590699a32
f7b7e51e-1712-4627-a9a2-36a5ed764f60
f3d66f11-cae5-49f3-8cdb-37964773da2d
efe61a0f-14db-4d56-a842-19536c93daa3
e5fbdb39-6bc3-474e-9c10-dd7ba2f16e21
e5f824ef-13e6-4d10-8b2b-34ff621320a0
d5bb31c7-5f20-4168-896b-f3672ae88754
c512094d-7df0-42a4-9b0b-a71dabd7a44a
b16f5ccd-21a0-4426-8db3-5b61db710483
b9b26aad-af79-4745-833b-38c7b0c79bd8
adf5b152-f6ff-4ab8-aa83-1788ef5b1e72
abre-ze
abre-vagner
abre3
ABRE
abre2
abre-vagener
a78af2ba-8d20-42d8-a0ca-db984625c81c
70767640-4cd4-49be-87e0-32b0ecc382cc
a30cc138-8a85-452e-8220-2a6ec3bbb9c8
54956937-77f5-45cf-a62d-628871618a62
28734245-71b5-46b8-b375-e8922f634575
9377257d-55ee-44ce-8d2a-c4a77931bdcd-1
9377257d-55ee-44ce-8d2a-c4a77931bdcd
6801dc07-829e-4679-bc39-2bc077187c8f
3301c6ff-9ec8-475c-82fb-91bbb8405659
4324d8de-7bcd-4807-92ec-3e45ad946f9c
2464eeb4-99a3-4cc3-a6b4-6dde0df918c4
01647c50-8f7f-4a7e-a086-f185313d8b95
436b60b7-8357-4159-a7d0-c27909544808
948f2083-f1b8-4630-9650-64070ca3a5d8
278e5d0f-21d8-4e2b-b02d-10bca3279f81
80a8f2ae-b35d-4827-ac66-ebaa9d232dfc
68f58a23-91a0-4b9c-8337-0deb1d1c23a5
79d37259-af58-400b-8eab-ede8c0afece5
68f58a23-91a0-4b9c-8337-0deb1d1c23a5-1
52e6fa1c-4eb8-46b9-bde0-685766e4c85d-1
37a0b69e-df44-4772-a46d-1ba0adb56b4c
31d212ed-0351-475c-9cd2-27efb6e7b829
22ebc8eb-0766-40b3-beba-310284f856fa
8c368ed5-d7b4-42c2-a305-9daf46eaa5bc
8e8645e1-4d5b-4971-af59-6a18721c0325
7fca1afb-5b23-48f3-bc93-6be69036cdf7
8a97967c-c56d-4747-bff8-b685421d02fa
7f59df21-f65f-44f5-8fc8-67c4100e0c7b
6ef817f1-6266-446e-a410-4de4bdd2d80f
7b016373-5594-4746-b67e-9bdd748d26cb
5f7eb7a7-e676-4ae2-a276-665a9ea6e04e
6ddfdcb5-5669-45dd-ad04-a4295563785b
2e655865-18ee-4d10-b510-e9d9bf99ba23
3c38169a-7981-4e63-9e14-e72cfa4202a9
2cce3d4e-bf14-4717-8963-5bc2af35345f
2c0b8502-5422-4c2d-bc39-7d3b81976ad6
1a11d2b0-24aa-44fd-8637-9119009a891d

[FUP]

 

 

Última modificação em Quinta, 02 Agosto 2018 14:34

Mídia

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram