Perpetuar a história da luta de classes para conscientizar é garantir a força dos trabalhadores

Sexta, 03 Agosto 2018 16:59

Dando prosseguimento aos debates da VII Plenária Nacional da FUP, que reúne cerca de 250 petroleiros até domingo, no Rio de Janeiro, acontece agora pela manhã o painel “Mobilizar e ampliar o diálogo com a sociedade”, com participação de João Pedro Stédile, da Coordenação Nacional do MST, Julio Turra, da Direção Executiva da CUT, Divanilton Pereira, da direção executiva da CTB, e do historiador Paulo Fontes.

O debate foi transmitido ao vivo pelo facebook da FUP

Ampliar o diálogo com a sociedade aumentando o nível de consciência da necessidade da luta de classes é aspecto relevante apontado por todos os palestrantes. O historiador e professor da UFRJ, Paulo Fontes, contextualizou historicamente a construção social do trabalho e destacou a importância que o ponto de vista do historiador tem da classe trabalhadora. Traz o desafio de se pensar novas sínteses, diferentes das primeiras histórias imaginárias criadas por economistas e estudiosos do campo da sociologia que forjaram o papel da classe trabalhadora, já que entre outros aspectos, esta era ausente por causa da sua origem rural e posteriormente sua lógica populista. Segundo o professor Paulo, a nova síntese significa pensar por exemplo, no movimento de luta dos petroleiros dentro de um cenário nacional da história do país. Unir a academia ao movimento sindical é questão vital para se construir uma cultura histórica e identidade na luta do mundo do trabalho.

João Pedro Stédile, da coordenação nacional do MST, começou sua fala afirmando que o estado burguês está em crise, o povo não acredita mais nesse estado e que por isso é necessário pensar um novo modelo. “Em relação aos valores civilizatórios, a crise pregada pelo capital, trocou a solidariedade pelo egoísmo e acabou com o princípio da igualdade e da justiça, e nos fez chegar a um ponto onde o capital gera o conflito e caracteriza uma situação que não é social”. Desta maneira, segundo Stédile o desafio da luta imediata e da classe trabalhadora tem um ponto central que é a liberdade do ex presidente Lula. Sem ele na disputa pela eleição, haverá um agravamento da crise econômica, política, ambiental e social e assim a classe trabalhadora não terá representante. Já como desafio histórico permanente para a esquerda, Stédile sugere que se reaprenda a fazer trabalho de base para levar consciência e conhecimento para formar as ideias que vão fazer a revolução.

Júlio Turra, diretor executivo da CUT Brasil, chamou atenção da plenária para a trajetória da Central Única dos Trabalhadores, o que se construiu em 35 anos desde o movimento operário brasileiro, o desenvolvimento do movimento solidário dos trabalhadores, o surgimento dos sindicatos e a onda de greves do final dos anos 70 até a criação do PT e MST, fez chegar ao momento atual, um caminho polêmico, mas que mesmo assim organizou a classe trabalhadora no Brasil.

Divanilton Pereira, diretor da CTB, finalizou as apresentações destacando a sintonia política das falas anteriores e pontuou que o que unifica as centrais sindicais é pressuposto básico do objetivo estratégico de ganhar a disputa presidencial em curso. “Não é tarefa simples nem pra poucos por mais combativos que sejam, não é tarefa apenas do movimento sindical ou de esquerda, mas sim de milhões, organizados ou não”. Divanilton reafirmou que a tática da amplitude é imprescindível para alcançar objetivos imediatos para o Brasil.

[FUP]

manha1
manha
ffd9f396-8389-4676-939a-000e356e79dd
ebafdd51-97af-43f0-8dfb-a0daad9ad1f2
e3e71414-01c8-4db5-903f-c918606806b6
e931cba0-7c12-4a11-976b-43bf424bf2ae
d594189d-e49f-4751-8967-65338581d331
d0c09008-57a7-47b6-aeff-dac446989b02
c912d01c-a388-4c09-ac72-801cd4d38168
c9204373-4cc2-44bf-aa56-9af343306b4a
b0612686-9253-4e6c-9a43-159b343d194d
b0881b62-5908-4213-a9a1-c249d1f5c226
a2608857-a8d9-4fb7-9539-9432387988e8
a9233d8b-a9b4-4c8d-bc07-d7d3e4916ed9
5884d417-9b02-4c70-86c1-24fa5cb561f0
11418247-19c7-4eb8-93b8-2b67ecc3e82a
69b29549-5116-4084-b3ba-ff242da6e6bd
257a535a-e5f7-4d26-a3d2-1a968e98fee0
9f36d7bf-cf92-4b1c-8348-26dea34d7f82
4bfa8dc3-9822-44bf-8ea8-eb2a4a874db8

Mídia

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram