Se fosse candidato, Lula teria 38% dos votos, aponta Vox Populi

Sexta, 14 Setembro 2018 13:42

Nem os ataques ferozes da mídia conservadora, nem a prisão, política e injusta, decidida após um processo fraudulento, sem provas de atos ilícitos, tira do ex-presidente Lula o primeiro lugar entre os preferidos pela grande maioria dos brasileiros.

A pesquisa CUT/Vox, realizada entre os dias 7 e 11 de setembro, divulgada nesta quinta-feira (13), apresentou aos entrevistados uma lista com nomes de vários políticos e perguntou 'se a eleição para presidente da
República fosse hoje e os candidatos fossem estes, em quem você votaria?'

38% responderam que votariam em Lula. Isso significa que se o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não tivesse negado o registro da candidatura de Lula, o ex-presidente seria eleito no primeiro turno.   

Para o sócio-fundador do Instituto Vox Populi, Marcos Coimbra, o que explica esse percentual, mesmo depois da decisão do TSE, são os sentimentos de carinho e gratidão que a população brasileira sente por Lula.

"Os brasileiros querem a volta de Lula porque, quando comparam a sua gestão com as dos outros, concluem que a dele foi melhor", diz Coimbra. 

Além disso, apesar da perseguição da mídia que ataca Lula e tenta destruir o seu legado e a sua honra, "o povo continua acreditando em Lula e não reconhece a legitimidade do processo, a condenção, nem a prisão do ex-presidente como uma decisão justa. Até mesmo porque, vê [o presidente ilegitimo Michel] Temer, Aécio [Neves, senador do PSDB-MG] e toda essa turma solta".

Os nomes dos outros políticos apresentados foram Jair Bolsonaro (PSL), que ficou em segundo lugar, com 18% das intenções de votos. Na sequência vêm Ciro Gomes (PDT), com 7%; Marina Silva (Rede), com 4%; e, Geraldo Alckmin (PSDB), com 3%.

Já Henrique Meirelles (MDB) e João Amoêdo (Novo) empataram com 2% das intenções de voto; e Álvaro Dias (Podemos) e ‘outros’ apareceram com apenas 1%.  

Outros 14% dos entrevistados disseram que não iam votar em ninguém, votariam em branco ou anulariam o voto; e  11% não souberam ou não quiseram responder a pesquisa.

Intenção espontânea de voto

A pesquisa CUT/Vox Populi perguntou aos entrevistados se eles achavam que Lula seria candidato ou não. 73% achavam que Lula não seria candidato. Isso pode ter influenciado a queda no número dos que citaram Lula espontaneamento entre os políticos em quem votariam se fosse candidato. Em julho, quando havia possibilidade de Lula ser candidato, 37% tinham intenção de votar nele. Em setembro, depois do registro ser negado, as intenções espontâneas caíram para 23%.

Neste cenário, o segundo colocado é Bolsonaro, que subiu de 10% para 13%; o terceiro é Ciro, que variou de 3% para 4%; e a quarta colocada é Marina, que subiu de 2% para 3%. Já as intenções de voto em Alckmin caíram de 3% para 2%.

Caption

Com apoio de Lula, Haddad é líder

O poder de transferência de votos de Lula continua inabalável, apesar de o ex-presidente ser mantido preso político em Curitiba desde o dia 7 de abril.

53% dos brasileiros já sabem que o ex-presidente apoia a chapa formada por Fernando Haddad e a deputada Manuela d’Ávila (PC do B), candidatos à presidente e vice, respectivamente, da coligação “O Povo Feliz de Novo”, formada pelo PT, PC do B e Pros.

Segundo pesquisa CUT-Vox Populi, quando é informado que Fernando Haddad é o indicado pelo ex-presidente para substituí-lo como candidato à Presidência da República pelo PT, 22% dos eleitores declaram intenção de voto no petista, que alcança a liderança da corrida presidencial.

Neste cenário, Haddad cresceu de 12% para 22%, entre julho e setembro. O segundo colocado Jair Bolsonaro (PSL) passou de 16% para 18%; Ciro Gomes (PDT) foi de 9% para 10%; Marina Silva (Rede) caiu de 11% para 5%; e Geraldo Alckmin (PSDB) foi de 7% para 4%.

Nas simulações de segundo turno, Haddad vence todos tanto no cenário em que é apresentado como candidato de Lula quanto no que é apresentado sozinho.

Confira aqui

[Via CUT]

Última modificação em Sexta, 14 Setembro 2018 16:31

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram