Senado aprova aumento de 16% nos salários dos ministros do STF

Quinta, 08 Novembro 2018 14:31

Senado aprovou, nesta quarta-feira (7), reajuste de 16,38% nos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federa (STF) por 41 votos a favor, 16 contra e uma abstenção. Com isso, os salários dos ministros passam de R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil mensais. Em votação simbólica, o mesmo reajuste foi aprovado também para membros da Procuradoria-Geral da República (PGR), o que inclui Raquel Dodge.

Os dois projetos de lei que aprovam os reajustes agora seguem para a sanção do presidente da República e os novos valores passam a valer na data de sua publicação. A proposta de reajuste havia sido encaminhada pelo STF em 2015 e aprovada pela Câmara dos Deputados no mesmo ano. 

De acordo com levantamento das consultorias da Câmara e do Senado, o aumento poderá causar impacto de pelo menos R$ 5,3 bilhões, já que os salários dos ministros do STF estabelecem o teto para o todo o funcionalismo público, que agora poderão reivindicar reajustes também.

"Essa matéria não aumenta despesa. O presidente do STF ligou para mim hoje dizendo que ficasse despreocupado ao votar a matéria, porque há um teto de gastos que não será ultrapassado", alegou o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE). Segundo ele, caberá ao Judiciário e à PGR remanejar recursos dentro do teto para cumprir os aumentos. 

O relator da proposta de aumento, senador Fernando Bezerra (MDB-PE) também afirmou que o presidente do STF, Dias Toffoli, teria se comprometido a acabar com a "farra do auxílio-moradia". Mesmo tendo residência própria, juízes justificam o recebimento irregular do benefício em compensação pelo que consideram "salários defasados". 

"Com a aprovação do novo subsídio, nós poderemos agora resolver essa questão do auxílio-moradia. Vou conversar com o relator, o vice-presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Luiz Fux, para ver a melhor hora de deliberarmos a respeito", disse o ministro Toffoli à TV Justiça, agradecendo o reajuste.

Na visão do senador Roberto Requião (PMDB-PR) sobre o reajuste aprovado ontem, "é preciso dizer não à caixa-preta do Judiciário". Ele destacou que vários juízes ganham acima do teto constitucional, com vencimentos de mais de R$ 60 mil e criticou a "falta de transparência" nos salários na Justiça.

Para a senadora Gleisi Hoffmann (PT-RS), além de gerar efeito cascata nos estados, municípios e sobre os salários dos parlamentares, o aumento para os ministros do Supremo "não tem cabimento", por ser ofensivo à população, que sofre com o desemprego e a queda da renda dos trabalhadores.

Já o presidente eleito, Jair Bolsonaro, limitou-se a afirmar que "obviamente não é o melhor momento" para realizar reajuste. 

[Com informações da Rede Brasil Atual]

Última modificação em Quinta, 08 Novembro 2018 15:36

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram