Gestão da Petrobrás troca projeto desenvolvimentista por encolhimento radical

Segunda, 06 Janeiro 2020 15:02

A gestão Bolsonarista da Petrobras intensificará a estratégia de redução da empresa nos anos 2020, na contramão do que aconteceu com a estatal na década anterior, quando a petrolífera se tornou uma das maiores empresas integradas de energia do mundo e pode, assim, descobrir o pré-sal.

O novo planejamento estratégico da Petrobrás indica que se tornará uma empresa cada vez mais "enxuta", concentrada apenas em projetos de retorno imediato para os acionistas privados, com foco em exploração e produção de óleo e gás.  

Esse encolhimento radical da empresa beneficia os acionistas e as empresas concorrentes, mas condena o futuro do Brasil, comprometendo o projeto desenvolvimentista do país. Sem os investimentos da Petrobrás, que sempre foram estratégicos para a indústria nacional, o Brasil caminha para um novo colonialismo, reduzindo-se a um país fornecedor de commodities e dependente da industria estrangeira. 

Reportagem recente do jornal Valor Econômico informa que o atual plano de negócios da Petrobras prevê a saída da estatal de campos maduros em terra e águas rasas, da petroquímica Braskem, dos setores de transporte e distribuição de gás natural e da produção de biocombustíveis e fertilizantes. Além disso, a petroleira vai reduzir sua fatia no refino.   

A Petrobras também reduzirá geograficamente o seu raio de atuação, concentrando-se cada vez mais no Sudeste. A empresa pretende privatizar todas as suas refinarias fora do eixo Rio-São Paulo e abandonar de vez os campos terrestres e em águas rasas, concentrados, sobretudo, no Nordeste. 

A gestão da petroleira espera também se desfazer dos ativos remanescentes na América do Sul.  

Segundo a reportagem, o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, irá intensificar esse desmonte nos próximos dois anos. A expectativa é que a empresa se consolide como uma exportadora de petróleo cru. 

O economista Rodrigo Leão, coordenador do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Zé Eduardo Dutra (Ineep), contesta o enfoque quase exclusivo da companhia na atividade de exploração e produção - que absorverá 85% dos investimentos para 2020-2024, de US$ 75,7 bilhões.   

Segundo Leão, a saída da Braskem e da produção de biocombustíveis, além da redução de sua presença no refino, colocam a petroleira numa situação de dependência das variáveis do mercado externo (como preços e demanda), num movimento “atípico” em relação aos seus pares globais.   

Ele lembra que as grandes estatais de países em desenvolvimento, sobretudo da China, Índia e Arábia Saudita, têm investido na expansão do parque de refino para reduzir a dependência dos derivados do exterior.  “As petroleiras desses países têm estratégias diferentes, mas convergem na preocupação de não se concentrarem apenas em exploração e produção. A Petrobras está fazendo o caminho que as outras estão evitando, de depender de exportações de óleo cru. Ela está olhando muito para o curto prazo”, defende Leão.   

O pesquisador do Ineep também questiona a venda da Braskem. A Agência Internacional de Energia (AIE) projeta que, diante do impacto da eletrificação dos carros sobre o consumo de combustíveis, um terço do crescimento da demanda de petróleo virá da petroquímica em 2030. “Os derivados têm um ciclo de preços menos instável, seguram mais a volatilidade do mercado do que os preços do óleo cru. Ajudam a atenuar a volatilidade”, explica.

[Com informações do Valor]

Mídia

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram