Trabalhadores fazem ato em frente à Petrobras e iniciam vigília contra demissão em massa na Fafen-PR

Segunda, 03 Fevereiro 2020 19:33

Trabalhadores, sindicatos e movimentos populares fizeram um ato em frente à sede da Petrobras, no centro do Rio de Janeiro, nesta segunda-feira (3), para apoiar os cinco funcionários que ocupam desde a última sexta-feira (31) uma das salas de reunião da estatal. A greve, que mobiliza milhares de trabalhadores em todo o Brasil, reivindica a suspensão do fechamento da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen-PR), que vai provocar a demissão de mil trabalhadores.

> Um grupo de petroquímicos da Fafen e familiares, com apoio dos movimentos sociais, iniciou uma vigília, com tendas, na Avenida Chile, onde está localizada a estatal.

Mobilização

Dirigente da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Simão Zanardi Filho disse ao Brasil de Fato que os trabalhadores não paralisaram a produção de diesel, demais combustíveis e gás de cozinha para não prejudicar a população. Ele lembrou, no entanto, que não há a garantia de que as distribuidoras não tentarão nos próximos dias reter seus estoques para forçar o aumento de preço, como ocorreu em 1995.

"Nossa greve é legal, justa e por isso temos a adesão dos trabalhadores. Temos 80% das 13 refinarias do Brasil. No caso, das plataformas, que já começam a entrar em greve essa semana, elas não vão parar, mas entregam a operação para uma equipe de contingência da Petrobras e os trabalhadores de lá estão desembarcados como grevistas", contou Zenardi, acrescentando que a greve cessa quando a estatal respeitar o acordo firmado em novembro do ano passado com trabalhadores diante de ministros do Tribunal Superior do Trabalho (TST).

"Estamos reivindicando simplesmente o cumprimento do acordo coletivo assinado em Brasília. A Petrobras assinou e não quer cumprir as duas cláusulas. A primeira delas é que não pode haver demissão em massa, mas estamos vendo agora a demissão de mil trabalhadores. A outra é que a Petrobras tem que negociar a jornada de trabalho, o plano de saúde, o banco de horas. Entretanto, ela se não quer negociar e afrontou os ministros do TST. Estamos aqui, hoje, defendendo a legalidade do acordo, nada mais, nada menos", disse o dirigente da FUP.

Durante a manhã, petroleiros, lideranças políticas como o ex-senador Lindbergh Farias (PT), a deputada federal Jandira Feghali (PCdoB) e movimentos populares, como o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) junto ao Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) tentavam negociar com a direção da Petrobras a entrada no prédio de um representante para levar alimentos e água aos grevistas Deyvid Bacelar, Tadeu Porto, Cibele Vieira, José Genivaldo da Silva e Ademir Jacinto. Eles ocupam uma sala da empresa desde as 15h de sexta-feira (31) e criaram, a partir de lá, a "Comissão Permanente de Negociação".

Presente no ato, o ex-senador Lindbergh Farias (PT) lembrou que trabalhadores de outras estatais, como o Dataprev e a Casa da Moeda, também vêm fazendo uma movimento de resistência contra as tentativas de privatização das empresas pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

"Estou convencido de que para derrotar Jair Bolsonaro é fundamental colocar o povo nas ruas, se inspirar na luta do povo chileno. Lá, eles mostram que o palco central de resistência é nas ruas. Não vamos arredar pé daqui da frente enquanto não liberarem o acesso de comida aos cinco companheiros que estão resistindo lá. A luta desses três setores é fundamental para que a gente coloque outros setores em mobilização e paralisação e construa uma grande greve geral para derrotar Bolsonaro", disse o petista.

A deputada Jandira Feghali (PCdoB) criticou o policiamento destacado para a entrada da Petrobras. Por volta de meio-dia desta segunda-feira (3), 10 carros da Polícia Militar estavam parados em frente ao edifício da estatal, com agentes portando metralhadoras, apesar de o ato do ato pacífico e sem confrontos.

"Esse reforço da polícia é totalmente desnecessário. Se tem alguém que defende patrimônio público aqui, esse alguém é o trabalhador que está aqui do lado de fora. Quem destrói o patrimônio é exatamente esse governo, que não só que vende tudo a preço de banana, como também desmonta o corpo interno, fazendo demissão em massa contra o acordo coletivo firmado com os trabalhadores. Essa é a razão da greve. Essa comissão quer um diálogo para que se discuta o desmonte de uma empresa estratégica para o Brasil, uma empresa reconhecida no mundo inteiro".

A parlamentar também chamou a população às ruas. Ela lembrou que a Câmara dos Deputados e o Senado voltam às atividades nesta terça-feira (4), mas que o país não pode esperar que todas as decisões venham de lá nem pode aguardar até 2022, ano de eleições presidenciais, para dar a resposta nas urnas, porque "pode não sobrar nada até lá".

"Defender hoje a soberania do Brasil significa incluir o povo brasileiro. Estamos sob risco de ruptura da democracia brasileira, de ruptura institucional, e isso é tudo o que eles querem, mudar o regime. A Petrobras é uma marca desse país, o verde e amarelo não é deles, não, é nosso. E esperar até 2022 para defender o Brasil... pode não sobrar nada até lá. O tempo é agora", defendeu Jandira.

 

[Via Brasil de Fato | Texto: Eduardo Miranda | Edição: Mariana Pitasse]

e6251813-6ee9-4eaf-8c5a-221d30af936f
bf11788c-ee8d-475c-bc2e-b815c46a8ae2
137a13a7-e6cf-411f-ad21-d37c9c7005fe
01ef3bef-4024-43a7-b253-f02508119d03
f0b4dc81-990b-4948-b5a6-4b9f3cbc78f3
cc43f938-aea0-4fff-8439-b039981c3f38
c60f9f22-35f9-4e3f-a9b8-18cbc3a78312
b34f0ec1-0a6e-48fc-be44-f8e29740daab
b06d370b-a199-4044-888a-cc4ca9d764e1
398965a6-21a8-4fcd-be0e-fd89f898bb18
7392df0e-07da-461f-aac2-f785624aefd6
7392df0e-07da-461f-aac2-f785624aefd6-1
1083e4db-f716-4ba6-900c-cb955e8cbb31
0838aca8-4d92-4684-b7fa-6f4e4b16d8c0
611b1bc2-8d75-4ead-88eb-ad1b407d3929
98f42c68-88f9-479a-bdc2-7eed6913cfa3
34bb3672-55ec-4baf-903b-342a0348b578
7ab91d22-1593-48b3-bfaf-76424b909f68
2a455dfe-6782-4f83-a65a-4cd3624301a7
0e0d03cb-9b49-483f-a100-1f9a0d1adbf4
1dfaa7f8-1e5c-4b82-b12c-42e78a4dfed7
59bfa728-d3a1-42da-83a7-49a20a42ce76
0d2c7500-52de-41be-bef8-f4cbab592050
e6251813-6ee9-4eaf-8c5a-221d30af936f bf11788c-ee8d-475c-bc2e-b815c46a8ae2 137a13a7-e6cf-411f-ad21-d37c9c7005fe 01ef3bef-4024-43a7-b253-f02508119d03 f0b4dc81-990b-4948-b5a6-4b9f3cbc78f3 cc43f938-aea0-4fff-8439-b039981c3f38 c60f9f22-35f9-4e3f-a9b8-18cbc3a78312 b34f0ec1-0a6e-48fc-be44-f8e29740daab b06d370b-a199-4044-888a-cc4ca9d764e1 398965a6-21a8-4fcd-be0e-fd89f898bb18 7392df0e-07da-461f-aac2-f785624aefd6 7392df0e-07da-461f-aac2-f785624aefd6-1 1083e4db-f716-4ba6-900c-cb955e8cbb31 0838aca8-4d92-4684-b7fa-6f4e4b16d8c0 611b1bc2-8d75-4ead-88eb-ad1b407d3929 98f42c68-88f9-479a-bdc2-7eed6913cfa3 34bb3672-55ec-4baf-903b-342a0348b578 7ab91d22-1593-48b3-bfaf-76424b909f68 2a455dfe-6782-4f83-a65a-4cd3624301a7 0e0d03cb-9b49-483f-a100-1f9a0d1adbf4 1dfaa7f8-1e5c-4b82-b12c-42e78a4dfed7 59bfa728-d3a1-42da-83a7-49a20a42ce76 0d2c7500-52de-41be-bef8-f4cbab592050

Última modificação em Terça, 04 Fevereiro 2020 10:43

Mídia

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram