Marcha no centro do Rio reúne milhares e leva esperança aos grevistas

Quarta, 19 Fevereiro 2020 00:03

Menos de uma semana após o ato que parou o centro do Rio na última quinta-feira (13), os petroleiros realizaram nova mobilização nesta terça-feira (18). A Marcha Nacional em Defesa do Emprego, da Petrobrás e do Brasil  foi convocada nas redes sociais com uma expectativa de que seria “maior ainda”. E foi. Cerca de 15 mil pessoas se uniram aos petroleiros que estão em vigília em frente ao Edifício Sede da Petrobrás, na Av. República do Chile, e de lá marcharam pela Av. Rio Branco até os Arcos da Lapa (ponto turístico da cidade), onde ocorreu um grande ato unificado.

A ação teve como objetivo denunciar a demissão em massa dos trabalhadores da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná e o desrespeito ao Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), que prevê a consulta aos sindicatos responsáveis em caso de desligamentos massivos, como fez a direção da Petrobrás. “A greve não é em apoio aos petroleiros da FAFEN-PR. Se o Acordo Coletivo de Trabalho for desrespeito agora, vai ser desrespeitado em todas as outras unidades da Petrobrás. Então defender a FAFEN é defender a Petrobrás, e defender a Petrobrás é defender o Brasil”, explicou Simão Zanardi, diretor da Federação Única dos Petroleiros.

Somaram ao ato delegações de grevistas vindos de Minas Gerais, São Paulo, Norte Fluminense e Duque de Caxias. Também participaram da marcha os mais de 150 petroleiros da FAFEN-PR que estão no Rio desde segunda-feira (17), além de petroleiros de refinarias, plataformas e unidades administrativas de todo o país. Também estiveram presentes, declarando apoio à greve, parlamentares e representantes de diversas empresas públicas, o presidente da CUT Rio, movimentos sociais, como o MAB – Movimento dos Atingidos por Barreiras, o MPA – Movimento dos Pequenos Agricultores e o MST – Movimentos dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, que também estão fortalecendo a luta no dia a dia da Vigília da Resistência Petroleira.

Demissões suspensas temporariamente

Logo após o início da Marcha, os manifestantes foram informados que em Audiência de Dissídio Coletivo, o Tribunal Regional do Trabalho do Paraná (TRTPR) decidiu suspender as demissões dos trabalhadores da Fafen-PR por 15 dias. Neste período, a Petrobrás se comprometeu a abrir diálogo com os sindicatos.

Feliz Aniversário

No 18º dia da greve, foi dia de celebrar. Além da notícia da suspensão das demissões, Deyvid Bacelar, diretor da FUP e membro da Comissão Permanente de Negociação, completou 40 anos de idade. O petroleiro baiano, que já está há 19 dias ocupando a sala do quarto andar do EDISE, à espera de uma reunião de negociação com a Petrobrás, foi surpreendido com um “parabéns à você” cantado em coro pela Marcha. Um gás para os petroleiros confinados.

Federação Única dos Petroleiros

WhatsApp-Image-2020-02-18-at-101627
WhatsApp-Image-2020-02-18-at-101628
WhatsApp-Image-2020-02-18-at-170217
WhatsApp-Image-2020-02-18-at-171240
WhatsApp-Image-2020-02-18-at-171240-1
WhatsApp-Image-2020-02-18-at-171241
WhatsApp-Image-2020-02-18-at-171242
WhatsApp-Image-2020-02-18-at-171242-1
WhatsApp-Image-2020-02-18-at-212051
WhatsApp-Image-2020-02-18-at-212052

FOTOS: Coletivo de Comunicação do MAB. 

Última modificação em Sexta, 19 Junho 2020 20:00

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram