Gestão da Repar minimiza pandemia e arrisca vidas dos trabalhadores

Terça, 12 Maio 2020 12:36

O Sindipetro Paraná e Santa Catarina divulgou na semana passada que dois trabalhadores da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), em Araucária, fizeram testes rápidos para a presença do novo coronavírus e acusaram resultados positivos. 

Como forma de prevenção à saúde e segurança dos trabalhadores, seus familiares e comunidades do entorno da unidade, requisitou à gestão da empresa que colocasse em quarentena todos que tiveram contato direto com os empregados possivelmente contaminados até que as contraprovas laboratoriais ficassem prontas. Também cobrou a testagem em massa na refinaria, tanto de funcionários próprios como de terceirizados, e as informações sobre o monitoramento dentro da refinaria, entre outras providências feitas através de Comunicado Sindical (ofício). 

Em resposta, a gestão se limitou a dizer que adota as “medidas necessárias para prevenção e combate à pandemia” e que “não há casos confirmados de Covid-19 na Repar”. Ainda afirmou que “os empregados citados no ofício foram preventivamente colocados em quarentena e foi planejada a realização de testes com acurácia adequada, conforme critérios médicos”. 

O Sindicato, por sua vez, considera as ações da empresa insuficientes e irresponsáveis com relação à prevenção da proliferação do vírus e também que não cumprem com as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS). 

O laudo da primeira contraprova laboratorial saiu no sábado (09) e apontou ausência para presença do novo coronavírus, isso após sete dias do teste inicial. Na segunda-feira (11) o trabalhador refez a testagem rápida e novamente foi aferida a não contaminação. Curioso é o fato de que agora a gestão levou em consideração o resultado do teste rápido. 

A contraprova do segundo caso em investigação foi concluída nesta segunda e também acusou a não infecção. O trabalhador ainda deve fazer uma terceira aferição por meio do teste rápido. 

Ao desprezar os resultados das primeiras testagens e colocar apenas os casos em investigação em quarentena provisória, a gestão da Repar ignorou a possibilidade de infecção de outros trabalhadores e agiu com irresponsabilidade. 

O Sindipetro Paraná e Santa Catarina reafirma seu compromisso de manter a categoria informada sobre os fatos que envolvem a pandemia. Também permanece com posição incisiva na cobrança das devidas ações de prevenção por parte da empresa, bem como a transparência no monitoramento dos possíveis casos de contaminação.

[Via Sindipetro-PR/SC]

 

Última modificação em Quinta, 14 Maio 2020 17:36

Mídia

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram