Pandemia: decisões gerenciais descabidas colocam trabalhadores da Repar em risco

Terça, 07 Julho 2020 19:24

[Da imprensa do Sindipetro-PR/SC]

Gerir conflitos com soluções racionais e adequadas não é uma habilidade das gerências setoriais da Repar. No final do mês de abril, a gestão do setor de Utilidades escancarou mais uma vez seu despreparo e intempestividade diante de um problema de pouca complexidade. 

Para adequar as medidas de prevenção ao novo coronavírus, as refeições nas copas das Casas de Controle (CCL), que antes eram servidas em buffets, passaram a ser individualizadas, seguindo as recomendações do Ministério da Saúde, Organização Mundial da Saúde (OMS) e Conselho Federal de Nutrição (CFN). 

Com a mudança para as embalagens, as refeições não estavam sendo servidas na temperatura adequada e os trabalhadores utilizaram os canais disponíveis para cobrar a resolução do problema. É normal que em situações de alterações de práticas corriqueiras sejam necessários ajustes ao longo do processo. O que não foi normal é a reação intempestiva do gestor. 

Para “resolver” o problema, a ordem imediata foi que todos os técnicos de operação do setor deveriam se deslocar até o restaurante para fazer as refeições. A truculência da decisão que deveria ser no mínimo reavaliada ou questionada, por se tratar da saúde e segurança dos trabalhadores, não foi apenas ratificada por outras gerências da produção da refinaria, como também foi copiada. 

A bizarra “solução” ocasionou a ampliação dos principais riscos de contaminação pelo novo coronavírus, como aglomerações, compartilhamento de veículos e mobiliários. Tal medida é extemporânea, pois os casos de Covid-19 no Paraná estão em acentuada tendência de elevação. Cabe citar que denúncias enviadas ao Sindicato dão conta que os trabalhadores não estão sendo distanciados devidamente no restaurante e nem as mesas estão com higienização regular. 

Além de ampliar as condições para a disseminação do coronavírus, fragiliza ainda mais a segurança operacional da unidade, que estão com seus quadros de profissionais reduzidos desde a implantação unilateral do fatídico O&M (Organização & Método), com frequente e irresponsável aplicação da demanda reduzida e aumento unilateral da carga horária do turno de 8 para 12 horas. 

As copas nas CCLs das unidades foram criadas com o objetivo de manter o técnico de operação na sua unidade, inclusive no horário das refeições, para atuar no tempo adequado em casos de emergências e descontroles operacionais. A decisão descabida dos gestores vai ao encontro da tragédia anunciada. 

Após cobrança formal do Sindicato, a única providência que a empresa tomou foi a elaboração de uma nota direcionada aos trabalhadores, um tanto quanto contraditória, ou cômica, se não fosse a seriedade e gravidade do problema. No informe, a justificativa é que a medida, entre outras, visa aumentar o distanciamento entre as pessoas, com o objetivo de ampliar a prevenção à Covid-19. Ilógico, no mínimo. 

Em recente pesquisa realizada pelo Sindipetro PR e SC sobre as medidas de prevenção ao coronavírus adotadas pela empresa, com grande participação da categoria, a alteração do local da refeição para o refeitório foi o segundo item mais citado espontaneamente como preocupação de contaminação, perdendo apenas para a falta de informações aos trabalhadores sobre os casos positivos e medidas praticadas. 

O Sindicato reafirma a continuidade do trabalho de fiscalização e cobrança das ações necessárias para zelar pela saúde e segurança dos trabalhadores. As denúncias de situações de risco e de práticas irresponsáveis da empresa continuarão sendo encaminhadas aos órgãos de vigilância sanitária que estão atuando no controle da pandemia. 

É inadmissível que os gestores locais da Repar insistam em atuar fora dos protocolos técnicos e científicos de combate à Covid-19, colocando em risco os trabalhadores e a comunidade, por mera arrogância causada pela síndrome do pequeno poder.

Redobrar os cuidados e denunciar!

Ainda que a gestão da empresa não faça sua parte, todos podem contribuir para evitar a propagação do vírus com a atenção às recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) de evitar aglomerações, manter distanciamento de outras pessoas, usar máscara sempre que estiver fora de casa, lavar sempre as mãos e usar álcool em gel, entre outros. 

O Sindipetro orienta os trabalhadores a redobrarem a atenção em relação às medidas de controle contra o contágio e proliferação da Covid-19. Caso encontrem situação de risco, utilizem o direito de recusa, conforme estabelecido pela cláusula 78 do ACT 2019/2020, e denuncie a algum dirigente sindical ou ligue para (41) 3332-4554 (Telefone Sede Sindicato).

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram