Na contramão do setor, gestão da Petrobrás prepara entrega da BR. Conselheira eleita votou contra

Segunda, 31 Agosto 2020 19:50

O Conselho de Administração da Petrobrás referendou a decisão da gestão Castello Branco de colocar à venda os 37,5% das ações da BR Distribuidora que ainda restam sob controle da estatal. Isso significará a saída da Petrobrás do mercado nacional de derivados de petróleo, que é o sétimo maior do mundo. Mais um passo para a desintegração do Sistema Petrobrás, em um movimento contrário ao das grandes petrolíferas internacionais. 

A privatização da BR Distribuidora teve início no ano passado, quando a gestão bolsonarista entregou a preços ínfimos o controle da subsidiária a instituições financeiras. A FUP e seus sindicatos contestaram na justiça a privataria.

"Mais uma vez vemos o lucro sendo colocado acima da função social da nossa Petrobrás. A atual estratégia traçada para a empresa visa apenas o rápido e máximo retorno ao acionista investidor e tem como consequência o apequenamento indefensável da maior empresa brasileira, por brasileiros construída, colocando sua sobrevivência a médio e longo prazo em risco", declarou a representante dos trabalhadores no Conselho de Administração da Petrobrás, Rosângela Buzanelli, que votou contra a venda das ações da BR Distribuidora.

"O consumo de derivados de petróleo no Brasil é atrativo. Somos um dos maiores do mundo e com grande potencial de crescimento, dada a possibilidade de inserção de um grande contingente populacional no segmento de energia. Com a abertura do mercado de abastecimento (que inclui refinarias, distribuição e logística), as majors estão atentas à distribuição brasileira, que exigem investimentos menores do que no refino", afirmou Rodrigo Leão, coordenador técnico do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (Ineep), em entrevista à Agência Estado.

Veja a íntegra da nota divulgada pela conselheira eleita em seus canais de comunicação:

"Olá pessoal, circulou desde quarta-feira à noite (26), após o encerramento da reunião do CA, a notícia da autorização desse colegiado para a venda do restante das ações da Petrobrás na BR Distribuidora.

Eu, enquanto conselheira representante dos trabalhadores e trabalhadoras da Petrobrás, votei contra o início de mais esta negociação e acredito ser necessário reforçar publicamente por quê.

O Conselho de Administração da Petrobrás aprovou a proposta para venda da participação remanescente de 37,5% detida pela Estatal na BR Distribuidora. A outra parte já havia sido privatizada em julho de 2019.

Segundo nota emitida pela própria Petrobrás, a operação está “alinhada à otimização do portfólio e à melhoria de alocação do capital da companhia, visando a geração de valor para os seus acionistas”.

No entanto, a venda da BR Distribuidora desconsidera o maior acionista da Companhia, que é o Estado e, por consequência, o povo brasileiro. A decisão retira a Petrobrás do sétimo mercado consumidor de derivados do planeta e aprofunda a desintegração e desverticalização da Companhia, o que vai na contramão das políticas adotadas pelas maiores Petroleiras do mundo, incluindo estatais e privadas, entregando a seus concorrentes o que conquistou ao longo dos anos.

Mais uma vez vemos o lucro sendo colocado acima da função social da nossa Petrobrás. A atual estratégia traçada para a empresa visa apenas o rápido e máximo retorno ao acionista investidor e tem como consequência o apequenamento indefensável da maior empresa brasileira, por brasileiros construída, colocando sua sobrevivência a médio longo prazo em risco".

[Da imprensa da FUP | Arte Portal Lubes]

 

Última modificação em Segunda, 31 Agosto 2020 20:44
Publicado em Sistema Petrobrás

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram