Regramento da PLR 2021: Perseguições políticas não serão usadas como penalidade para reduzir o pagamento

Quinta, 08 Outubro 2020 16:57

Na reunião desta quinta-feira, 08, do Grupo de Trabalho que está discutindo o regramento da PLR 2021, o tema tratado foi penalidades disciplinares. A Petrobrás manteve o que já havia acordado com a FUP no ano passado, quando alterou o texto da proposta de 2018 que permitia reduzir a PLR de trabalhadores envolvidos em processos disciplinares decorrentes de perseguições políticas, como participação em movimentos grevistas. Esse foi o ponto que travou toda a negociação do regramento da PLR em 2018.

Apesar de na época a FUP ter construído na mesa de negociação uma proposta que teve acordo com a Petrobrás nas outras questões relacionadas a metas e formas de distribuição da PLR, a empresa insistiu em vincular a PLR ao sistema de consequências, penalizando duplamente os trabalhadores vítimas de perseguição política. Em função disso, a categoria rejeitou a proposta da Petrobrás nas assembleias.

No curto espaço de tempo de negociação da PLR no ano passado, após a mediação do ACT 2019 pelo TST, a gestão da Petrobrás aceitou mudar a redação da cláusula, retirando o sistema de consequências, mas, por outro lado, alterou todos os pontos do regramento que haviam sido negociados em 2018.

Na reunião desta quinta, as direções sindicais voltaram a ressaltar a importância da empresa retomar os pontos da proposta de regramento da PLR que já haviam sido consensuados em 2018 com a FUP.

A próxima reunião do GT acontece dia 13, quando serão discutidos critérios para definição do montante da PLR e formas de distribuição/pagamento.

[FUP]

Publicado em Sistema Petrobrás

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.