Resultado das eleições municipais mostra retomada de partidos de esquerda

Segunda, 16 Novembro 2020 17:17

Sérgio Nobre, presidente da CUT, afirma que o resultado das eleições mostra que partidos progressistas, que defendem a classe trabalhadora ‘estão vivos e continuam fortes no jogo’

[Da imprensa da CUT]

O resultado das Eleições Municipais 2020 demonstra claramente que a esquerda – movimento sindical, movimentos sociais e os partidos de oposição -, com todas as dificuldades e ataques, resistiu e demonstrou sua força política na luta contra o conservadorismo, pelos direitos sociais e trabalhistas, avalia o presidente da CUT, Sérgio Nobre.

De acordo com o dirigente, o resultado representa um não às políticas do governo de Jair Bolsonaro (ex-PSL), que não protegeram a saúde da população e não deram condições econômicas dignas para que trabalhadores e trabalhadoras atravessassem a crise agravada pela pandemia do novo coronavírus.

“O grande derrotado dessas eleições foi Bolsonaro. Ele apostou em Celso Russomano [candidato do Republicanos em São Paulo] e perdeu. Apostou em Marcelo Crivella, do Rio, e quase viu seu candidato sequer ir para o segundo turno. A esquerda resistiu em um processo eleitoral atípico com todas as dificuldades por causa da pandemia e mostrou que está no jogo”, afirma Sérgio.

O presidente da CUT destaca a atuação do movimento sindical que, segundo ele, teve protagonismo no processo eleitoral: “Lançamos e apoiamos várias candidaturas e agora temos que nos organizar de maneira mais forte ainda para o 2° turno, orientando nossas bases nos municípios para ampliar a derrota contra Bolsonaro”.

Em quatro postagens no Twitter, o ex-presidente Lula, chegou a mesma conclusão. Segundo ele, a extrema-direita bolsonarista foi a grande derrotada nas eleições municipais deste ano.

Em uma das postagens, Lula escreveu: “O fortalecimento da esquerda e de seus valores humanistas e de justiça social, mostra que reconstruir um outro Brasil, mais fraterno e solidário, é possível.”.

Eleições Municipais 2020

Cerca de 113 milhões de brasileiros foram às urnas neste domingo (15) para escolherem prefeitos e vereadores nos 5.570 municípios brasileiros. Em 57 cidades a eleição será definida somente após o 2° turno. No total, em 95 cidades a s eleições são definidas dessa maneira, em dois turnos, caso na primeira votação nenhum candidato atinja o total de 50% + 1 do total de votos.

Em sete capitais a eleição já foi definida e o 2° será realizado em outras 18 capitais. Em Brasília não há eleição para prefeito e em Macapá, no Amapá, a eleição foi suspensa após decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), temendo atos em protesto contra o apagão que já dura 13 dias. A eleição em Macapá deve ocorrer nos dias 13 e 27 de dezembro.

A pauta da esquerda está em disputa em várias capitais

PT está no segundo turno em Vitória (ES) com o candidato João Coser disputando com Delegado Pazolini, do Republicanos, e em Recife (PE), Marília Arraes disputa com João Campos, do PSB.

Psol disputará em São Paulo, capital em que Guilherme Boulos concorre com o atual prefeito Bruno Covas, do PSDB. Em Belém (PA), Edmilson Rodrigues disputa a cadeira com o Delegado Eguchi, do Patriota.

PDT concorre em duas capitais. Em Aracaju (SE), Edvaldo Nogueira enfrentará Danielle Garcia, do Cidadania e, em Fortaleza (CE), Sarto Nogueira disputará com o Capitão Wagner, do Pros.

Em Porto Alegre (RS), Manuela D´Ávila do PCdoB está no segundo turno com Sebastião Melo, do MDB.

Veja relação de cidades no interior onde partidos de esquerda disputarão 2° turno

PT:

  • Anápolis (GO): Roberto Naves (PP) x Antonio Gomide (PT)
  • Cariacica (ES): Euclério Sampaio (DEM) x Célia Tavares (PT)
  • Caxias do Sul (RS): Pepe Vargas (PT) x Adiló (PSDB)
  • Contagem (MG): Marília Campos (PT) x Felipe Saliba (DEM)
  • Diadema (SP): José de Filippi Jr. (PT) x Taka Yamauchi (PSD)
  • Feira de Santana (BA): Zé Neto (PT) x Colbert Martins (MDB)
  • Guarulhos (SP): Guti (PSD) x Elói Pietá (PT)
  • Juiz de Fora (MG): Margarida Salomão (PT) x Wilson Rezato
  • Mauá (SP): Átila Jacomussi (PSB) x Marcelo Oliveira (PT)
  • Pelotas (RS): Paula Mascarenhas (PSDB) x Ivan Duarte (PT)
  • Recife (PE): João Campos (PSB) x Marília Arraes (PT)
  • Santarém (PA): Nélio Aguiar (DEM) x Maria do Carmo (PT)
  • São Gonçalo (RJ): Dimas Gadelha (PT) x Capitão Nelson (Avante)
  • Vitória (ES): Delegado Pazolini (Republicanos) x João Coser (PT)
  • Vitória da Conquista (BA): Zé Raimundo (PT) x Herzem Gusmão (MDB)

PDT

  • Aracaju (SE): Prefeito Edvaldo Nogueira (PDT) x Danielle Garcia (Cidadania)
  • Campos (RJ): Wladimir Garotinho (PSD) (sub judice) x Caio Vianna (PDT)
  • Fortaleza (CE): Sarto Nogueira (PDT) x Capitão Wagner (Pros)
  • Serra (ES): Sergio Vidigal (PDT) x Fabio Duarte (Rede)

Psol

  • Belém (PA): Edmilson Rodrigues (PSOL) x Delegado Eguchi (Patriota)
  • São Paulo (SP): Bruno Covas (PSDB) x Guilherme Boulos (PSOL)

PSB

  • Paulista (PE): Yves Ribeiro (MDB) x Francisco Padilha (PSB)
  • Ribeirão Preto (SP): Duarte Nogueira (PSDB) x Suely Vilela (PSB)
  • Rio Branco (AC): Socorro Neri (PSB) x Tião Bocalom (PP).

PCdoB

  • Porto Alegre (RS): Sebastião Melo (MDB) x Manuela d'Ávila (PCdoB)

Abstenções

Dos 147 milhões de brasileiros aptos a votar, 23,15% não compareceram às urnas. É o maior índice em, 20 anos. Em 2016, a abstenção em todo o Brasil foi de 17,5%. Somados aos votos brancos e nulos, o total chega 30,6%, cerca de 45 milhões do total de votantes.

O número é 2,9% maior que nas eleições municipais de 2026, quando s soma entre abstenção, brancos e nulos chegou a 27,8% do total de votos.

A capital com maior índice de abstenção do Porto Alegre (RS), com 35,4%, seguida do Rio de Janeiro (RJ) 33,2% e Aracaju, com 32,1%. Já o menor índice foi observado em Recife (PE), com 16,5%.

Capitais com prefeitos eleitos em 1° turno

  • Belo Horizonte – Alexandre Kalil (PSD)
  • Campo Grande – Marquinhos Trad (PSD)
  • Curitiba – Rafael Greca (DEM)
  • Florianopolis – Gean Loureiro (DEM)
  • Natal – Álvaro Dias (PSDB)
  • Palmas – Cinthia Ribeiro (PSDB)
  • Salvador – Bruno Reis (DEM)

Capitais onde haverá 2° turno

  • Belém (PA): Edmilson Rodrigues (PSOL) e Delegado Eguchi (Patriota)
  • Boa Vista (RR): Arthur Henrique (MDB) e Ottaci (Solidariedade)
  • Cuiabá (MT): o atual prefeito, Emanuel Pinheiro (MDB
  • Fortaleza (CE): Sarto Nogueira (PDT) e Capitão Wagner (Pros)
  • João Pessoa (PB): Cícero Lucena (Progressistas) e Nilvan Ferreira (MDB)
  • Joinville (SC): Darci de Matos (PSD) e Adriano Silva (NOVO)
  • Manaus (AM): Amazonino Mendes (Podemos) e David Almeida (Avante).
  • Porto Alegre (RS): Sebastião Melo (MDB) e Manuela d'Ávila (PCdoB)
  • Porto Velho (RO): o atual prefeito, Hildon Chaves (PSDB
  • Rio Branco (AC): Socorro Neri (PSB) e Tião Bocalom (PP).
  • Rio de Janeiro (RJ): o atual prefeito, Marcelo Crivella (Republicanos) e Eduardo Paes (DEM).
  • Recife (PE): João Campos (PSB) x Marília Arraes (PT)
  • São Luís (MA): Eduardo Braide (Podemos) e Duarte Júnior (Republicanos)
  • São Paulo (SP): o atual prefeito, Bruno Covas (PSDB) e Guilherme Boulos (PSOL).
  • Teresina (PI): Dr. Pessoa (MDB) e Kleber Montezuma (PSDB)
  • Vila Velha (ES): Arnadinho Borgo (Podemos) e Max Filho (PSDB)
  • Vitória (ES): Delegado Pazolini (Republicanos) e João Coser (PT)

 Outras cidades onde haverá 2° turno

  • Anápolis (GO): Roberto Naves (PP) e Antonio Gomide (PT)
  • Aracaju (SE): O atual prefeito Edvaldo Nogueira (PDT) e Danielle Garcia (Cidadania)
  • Bauru (SP): Suéllen Rosim (Patriota) e Dr Raul (DEM)
  • Blumenau (SC): Mário Hildebrandt (PODE) e João Paulo Kleinübing (DEM)
  • Campinas (SP): Dário Saadi (Republicanos) e Rafa Zimbaldi (PL)
  • Campos dos Goytacazes (RJ): Wladimir Garotinho (PSD) e Caio Vianna (PDT)
  • Canoas (RS): Jairo Jorge (PSD) e Luiz Carlos Busato (PTB)
  • Cariacica (ES): Euclério Sampaio (DEM) e Célia Tavares (PT)
  • Caucaia (CE): Naumi Amorim (PSD) e Vitor Valim (Pros)
  • Caxias do Sul (RS): Pepe Vargas, do PT, e Adiló, do PSDB
  • Contagem (MG): Marília (PT) e Felipe Saliba (DEM)
  • Diadema (SP): Filippi (PT) e Taka Yamauchi (PSD)
  • Feira de Santana (BA): Zé Neto (PT) e Colbert Martins (MDB)
  • Franca (SP): Flávia Lancha, do PSD, e Alexandre Ferreira, do MDB
  • Goiânia (GO): Maguito Vilela (MDB) e Vanderlan Cardoso (PSD)
  • Governador Valadares (MG): André Merlo (PSDB) e Dr Luciano (PSC)
  • Guarulhos (SP): Guti, do PSD, e Elói Pietá, do PT
  • Juiz de Fora (MG): Margarida Salomão, do PT, e Wilson Rezato, do PSB,
  • Limeira (SP): Mario Botion (PSD) e Murilo Félix (Podemos)
  • Maceió (AL): Alfredo Gaspar (MDB) e Jhc (PSB)
  • Mauá (SP): Átila Jacomussi (PSB) e Marcelo Oliveira (PT)
  • Mogi das Cruzes (SP): Marcus Melo (PSDB) e Caio Cunha (PODEMOS)
  • Paulista (PE): Yves Ribeiro (MDB) e Francisco Padilha (PSB)
  • Pelotas (RS): Paula Mascarenhas, do PSDB, e Ivan Duarte, do PT
  • Petrópolis (RJ): Rubens Bomtempo (PSB) e Bernardo Rossi (PL)
  • Piracicaba (SP): Barjas Negri, do PSDB, e Luciano Almeida, do DEM
  • Ponta Grossa (PR): Mabel Canto, do PSC, e Professora Elizabeth, do PSD,
  • Praia Grande (SP): Raquel Chini (PSDB) e Danilo Morgado (PSL)
  • Recife (PE): João Campos (PSB) e Marília Arraes (PT)
  • Ribeirão Preto (SP): Duarte Nogueira, do PSDB, e Suely Vilela, do PSB
  • Santa Maria (RS): Sergio Cecchim, do PP, e Pozzobom, do PSDB
  • Santarém (PA): o atual prefeito, Nélio Aguiar (DEM
  • São Gonçalo (RJ): Dimas Gadelha, do PT, e Capitão Nelson, do Avante
  • São João de Meriti (RJ): Dr João, do DEM, e Leo Vieira, do PSC
  • São Vicente (SP): Solange Freitas (PSDB) e Kayo Amado (PODE)
  • Serra (ES): Sergio Vidigal (PDT) e Fabio Duarte (Rede) vão disputar o 2º turno.
  • Sorocaba (SP): Rodrigo Manga (Republicanos) e Jaqueline Coutinho (PSL)
  • Taboão da Serra (SP): Engenheiro Daniel (PSDB) e Aprigio (PODE)
  • Taubaté (SP): Saud, do MDB, e Loreny, do Cidadania
  • Uberaba (MG): Elisa Araújo, do Solidariedade, e Tony Carlos, do PTB
  • Vitória da Conquista (BA): Zé Raimundo (PT) e Herzem Gusmão (MDB)
Publicado em Política

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.