Eleição no Sindipetro Caxias: FUP e sindicatos apoiam a Chapa 1 - Luta e Resistência

Sexta, 19 Março 2021 15:09

Os trabalhadores associados ao Sindipetro Duque de Caxias efrentam nos próximos dias um processo eleitoral que será decisivo para a categoria. A FUP e seus sindicatos apoiam a Chapa 1:  Luta e Resistência, que traz em sua composição companheiros e companheiras de luta que nunca se omitiram ou fugiram à responsabilidade de exercer o papel de lideranças ativas, na defesa dos direitos da categoria petroleira, da soberania nacional e da democracia. 

A FUP e a atual direção do Sindipetro Caxias tentaram construir a unidade neste momento tão grave que os trabalhadores atravessam, com a Petrobrás no olho do furacão, mas a oposição continua apostando no divisionismo. "Nem mesmo a repressão do governo FHC, com as Forças Armadas ocupando as refinarias e intervindo nos sindicatos, foram capaz de deter o crescimento da luta, que culminou com a eleição de Lula para a Presidência da República, em 2002. Para esta eleição sindical, buscamos unidade com a oposição. Tentamos convergir dentro das nossas diferenças em prol da categoria petroleira. Infelizmente eles pregam uma coisa e fazem outra. O sectarismo impediu a criação de uma chapa unitária. Nós sabemos quem é o inimigo. Ele é Bolsonaro. Seguiremos com o trabalho que todos conhecem tão bem", afirmou o sindicato, em manifesto divulgado à categoria.

Fazemos, portanto, um chamado aos petroleiros e petroleiras de Duque de Caxias a participarem deste processo eleitoral, acompanhando e divulgando os materiais de campanha da Chapa 1, que pode ser acessado nas redes sociais abaixo:

Facebook:
https://www.facebook.com/lutaeresistenciacaxias

Instagram:
https://www.instagram.com/lutaeresistenciacaxias/

Eleição será de 28 a 31 de março

Na quinta-feira, 18, terminou o prazo de registro das chapas que concorrem à eleição da nova diretoria. Duas chapas foram inscritas. A Chapa 1, apoiada pela FUP, pela CUT e pelos sindicatos do campo fupista, tem à frente o atual secretário geral do Sindipetro, Luciano Leite Santos.

Conforme o calendário, a Comissão Eleitoral tem até o dia 21 de março para realizar a conferência da documentação entregue pelas duas chapas. Caso haja qualquer discordância com as exigências estatutárias, a chapa será impugnada.

A chapa impugnada deverá apresentar recurso até o dia 23 de março, sendo analisado pela CE até o dia 24 de março.

O período de votação ocorre entre os dias 28 e 31 de março, conforme calendário.

Os documentos relativos a eleição podem ser acessados em: http://sindipetrocaxias.org.br/eleicao-sindipetro-caxias-trienio-2021-2024/

Leia abaixo o boletim da Chapa 1:

O sindicato tá ON, a oposição tá OFF

Brecht tem razão, em tempos estranhos e sombrios temos que explicar e defender o óbvio. Mas tudo bem, é o papel do sindicato e da sua direção informar e esclarecer as trabalhadoras e os trabalhadores sobre os caminhos que são trilhados para que a instituição defenda os nossos direitos e para que a categoria se engaje na luta pela vida, por saúde e por benefícios. Então vamos lá!

Nesse estranho e tenebroso tempo em que o vírus da COVID-19 vai matar 300 mil brasileiros muito em breve, o povo brasileiro e, em especial, a classe trabalhadora, precisa reafirmar frente aos governos genocida e aos barões do mercado que a vida é um valor inegociável! Parece óbvio? Pois é, mesmo o sendo, precisamos reafirmar esse valor dentro das nossas fábricas. E por que? Sigamosos fatos e será possível evidenciar a razão.

As petroleiras e petroleiros da REDUC confiaram e permanecem seguindo os encaminhamentos e as direções que são apontadas dela atual diretoria e, por esta razão, estão acumulando resultados positivos e garantias que muitos outros colegas em diversas unidades não obtém.

Foi a atual direção que, com responsabilidade e estratégia coletiva, engajou a categoria na 2º maior greve nacional em fevereiro de 2020 à lutar por direitos e a defender os empregos; foi essa mesma direção que desde o início do golpe de 2016 tem afirmado que o discurso do ódio e o ataque do fascismo produziria perdas de diretos trabalhistas e desemprego, foi também a responsável por realizar diversas ações jurídicas que garantiram aos trabalhadores da base do Sindipetro Caxias a preservação dos seus salários e a manutenção dos benefícios durante a pandemia. Os registros nos boletins e nas mídias socias do sindicato atestam que o bom e valoroso trabalho dessa direção gerou e ainda vai gerar muitos resultados positivos e proteções para os trabalhadores da REDUC, do TECAM, da UTEGLB e da ECOMP de Arapeí.

Tá, mas isso não é óbvio? É. Mas um grupo de pessoas ligadas à FNP e a grupos partidários que apoiaram o golpe contra a classe trabalhadora ainda fomentam a retórica do ódio e espalham mentiras e boatos que geram descontentamento e dúvidas nos trabalhadores, mesmo que a informação oficial no site apresente justamente o contrário. Essas recorrentes atitudes irresponsáveis e levianas comprovam que a falta de um projeto para dirigir e organizar a categoria na base de Caxias se materializam em mensagens confusas e com conteúdo falso. Não bastasse a dor de muitos trabalhadores com as restrições impostas pela pandemia, com a dor pela morte de parentes, com o descaso das autoridades competentes e da gestão temerária da Petrobras, os trabalhadores ainda tem que digerir as fakes espalhadas por esse grupo que se denomina oposição, mas que não conseguem indicar um caminho consistente para vencer os desafios apresentados.

Atuam como matracas, que repetem o discurso de terra arrasada e não conseguem minimamente fazer a análise da conjuntura política, social e econômica do nosso município, do estado e do país. Enfim, criam uma realidade paralela, ignorando que TODOS os encaminhamentos defendidos por eles nesses últimos anos foram REJEITADOS pela base e criaram enormes problemas e obstáculos para os trabalhadores das bases da FNP, que são seus apoiadores.

O tempo, que é senhor da verdade e embaixador da sabedoria, revela a todos se as decisões e encaminhamentos foram sóbrios e estavam aderentes os interesses coletivos e da classe trabalhadora. Por isso, a atual direção continuará firme na luta por direitos e na defesa dos interesses da categoria petroleira na REDUC, no TECAM, na UTE-GLB e na ECOMP de Arapeí. Sigamos a verdade, o companheirismo e a luta organizada dos trabalhadores no Sindipetro Caxias para continuarmos a colher vitórias e conquistas.

Até a vitória!

Chapa 1: Luta e Resistência

Publicado em Movimentos Sociais

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.