Com o tema “Energia para reconstruir o Brasil”, IX Plenafup prossegue até domingo

Quinta, 12 Agosto 2021 13:07

Começa nesta quinta-feira, 12, a IX Plenária Nacional da FUP, que será realizada virtualmente, com a maior parte das atividades em salas de videoconferência da plataforma Zoom, para garantir a devida segurança em tempos de pandemia aos cerca de 150 petroleiros e petroleiras que participarão do evento. O tema da plenária é “Energia para reconstruir o Brasil”, o que já adianta a importância dos debates que serão feitos pela categoria petroleira.

Os trabalhos se iniciam às 14h, com aprovação do regimento interno e a eleição da mesa diretora que irá conduzir os debates da plenária até domingo, 15.

Na cerimônia de abertura, que terá início às 16h, no canal do Youtube da FUP, serão exibidos vídeos de lideranças de movimentos sindicais e sociais saudando as delegações de petroleiros e petroleiras e a importância dos debates que serão realizados nesta IX Plenadup. Está previsto um pronunciamento em vídeo também do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com uma análise política da atual situação que o Brasil se encontra e, em particular a Petrobrás e outras empresas estatais que estão sendo desmontadas e privatizadas pelo governo Bolsonaro.  

Na sequência, será realizada, às 18h, a primeira das cinco mesas temáticas da Plenafup – “Fascismo e Democracia (a que queremos)” – com participação da jurista Kenarik Boujikian, da Associação Juízes para a Democracia (AJD) e do jornalista Luis Nassif, editor do site de notícias GGN. Esse e outros debates das mesas temáticas serão realizados na plataforma Zoom.

Os materiais da IX Plenafup, assim como as notícias da plenária, estão disponíveis aqui.

Veja a programação completa:

12/08 - quinta-feira

14h - Eleição da Mesa Diretora, leitura e aprovação do Regimento Interno

16h - Solenidade de abertura 

18h – Mesa 1: Fascismo e Democracia (a que queremos) – com a jurista Kenarik Boujikian, da Associação Juízes para a Democracia (AJD) e o jornalista Luis Nassif, editor do GGN. A coordenção será feita pelos petroleiros Alexandro Guilherme Jorge (Sindipetro PR/SC) e Cláudio Nunes (FUP/Sindipetro NF).

13/08 - sexta-feira

10h às 12h - Mesa 2: Transformações nas Relações de Trabalho e Representação Sindical – com o ativista Paulo Galo Lima, líder do movimento Entregadores Antifascistas, o sociólogo Clemente Ganz Lúcio, ex-diretor técnico do Dieese, a economista Marilane Teixeira, pesquisadora da Unicamp e do Fórum Permanente em Defesa dos Direitos dos Trabalhadores Ameaçados pela Terceirização. Mesa será coordenada pelos petroleiros Sérgio Borges (FUP/Sindipetro NF) e Dary Beck (Sindipetro RS).

15h às 17h - Mesa 3: Desafios da esquerda e dos sindicatos na incorporação das pautas contra todas as formas de opressões – com Walmir Siqueira, coordenador do Coletivo Nacional LGBT da CUT, e a socióloga Luciane Soares da Silva, professora da Universidade Estadual do Norte Fluminense e coordenadora do Núcleo de Estudos Cidade Cultura e Conflito (NUC/UENF). Mesa será coordenada pelos petroleiros Alex Frey (Sindipetro RS) e Tiago Franco (Sindipetro Unificado SP).

18h às 20h - Lançamento do livro “Operação Lava-Jato: Crime, Devastação Econômica e Perseguição Política” – com Fausto Augusto Júnior, coordenador técnico do Dieese e um dos organizadores do livro; Deyvid Bacelar, coordenador geral da FUP; Claudio da Silva Gomes, presidente da Confederação Nacional dos Sindicatos de Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil (CONTICOM); e Edson Carlos Rocha da Silva, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Niterói/RJ e coordenador do Setor Naval da Confederação Nacional dos Metalúrgicos (CNM/CUT). Mesa será mediada pelo petroleiro Tadeu Porto, diretor da FUP e do Sindipetro NF, com transmissão pelo canal da FUP no Youtube.

14/08 – sábado

10h às 12h - Mesa 4: A luta contra as privatizações – com Fabíola Latino Antezana, da Confederação Nacional dos Urbanitários (CNU) e da Plataforma Operária e Camponesa da Água e Energia (POCAE); Rita Serrano, coordenadora do Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas; Mário Dal Zot, presidente da Associação Nacional dos Petroleiros Acionistas Minoritários da Petrobras (Anapetro) e diretor da FUP; senador Jean Paul Prates, presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Petrobras e Líder da Minoria no Senado; José Aparecido Gandara, presidente da Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores dos Correios (FINDECT). Mesa será coordenada pelos petroleiros Mário Dal Zot (FUP/Sindipetro PR/SC) e Ivis Corsino (Sindipetro RN).

14h às 16h - Mesa 5: Energia para reconstruir o Brasil e a proposta dos petroleiros e petroleiras – com José Sérgio Gabrielli, ex-Presidente da Petrobrás e professor aposentado da Universidade Federal da Bahia (UFBA), e Cibele Vieira, diretora da FUP.Mesa será coordenada pelos petroleiros Homero Pontes (Espírito Santo) e Marcus Ribeiro (Sindipetro AM).

16h às 18h - Painel "Ineep: três anos transformando energia em conhecimento", em comemoração aos três anos do Instituto - com Deyvid Bacelar coordenador geral da FUP; Rodrigo Leão, diretor técnico do INEEP; William Nozaki, diretor técnico do INEEP; Fátima Viana, diretora da FUP e diretoria política do INEEP; José Maria Rangel, ex-coordenador da FUP e idealizador do INEEP, atual diretor do Sindipetro-NF. Ao final do debate, será feito o lançamento do livro do INEEP "Economia política dos hidrocarbonetos: Entre a pandemia e a transição energética”, com participação dos pesquisadores William Nozaki, Rafael Rodrigues da Costa e Isadora Caminha Coutinho. Mesa será mediada pela petroleira Fátima Viana, diretora da FUP e do Sindipetro RN, com transmissão pelo canal da FUP no Youtube.

18h - Atividade cultural – live com Tonho Matéria, cantor, capoeirista e compositor baiano, ex-vocalista das bandas Ara Ketu e Olodum. Transmissão no youtube.com/c/FUPBRASIL

15/08 - domingo

9h às 12h - Grupos de Trabalho

14h às 17h - Plenária final

[Imprensa da FUP]

Última modificação em Quinta, 12 Agosto 2021 21:10
Publicado em IX PlenaFUP

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.