Crime, devastação econômica e perseguição política: lançamento de livro sobre Lava Jato fecha a programação desta sexta

Sexta, 13 Agosto 2021 13:40

O estrago econômico, político e social provocado pela operação Lava Jato, comandada pelo ex-juiz federal Sérgio Moro (que foi depois alçado ao cargo de super ministro da Justiça no governo Bolsonaro), é o tema central do livro “Operação Lava Jato: crime, devastação econômica e perseguição política”, que terá mais um lançamento nesta sexta-feira, 13, na IX Plenafup.

Organizado por Antonio Alonso Jr., Fausto Augusto Jr. e José Sérgio Gabrielli e editado pela Expressão Popular, o livro teve origem a partir de um vasto estudo realizado pelo Dieese, a pedido da CUT, que mostra os impactos da operação Lava Jato na economia brasileira.

O Brasil perdeu R$ 172,2 bilhões em investimento no período de 2014 a 2017, um montante 40 vezes maior do que os recursos que a operação informa ter recuperado e devolvido aos cofres públicos. Segundo o estudo do Dieese/CUT, a Lava Jato resultou em prejuízos de R$ 85,8 bilhões com a perda de massa salarial. Além disso, o Estado deixou de arrecadar R$ 47,4 bilhões impostos e o Produto Interno Bruto (PIB) deixou de crescer 3,6% entre 2014 e 2017.

O livro, que está disponível para o público desde maio, nas versões e-book e impresso, no site da editora, destrincha os estragos da Lava Jato, cujos danos ao Brasil são irreparáveis, vide o desmonte do Sistema Petrobrás, do setor naval e da engenharia nacional. Os dados apresentados revelam que foram perdidos 3,5 milhões de empregos entre 2014 e 2017. Além disso, a implantação de novos postos de trabalho – cerca de 3 milhões – foi paralisada. O PIB acumulou cifras negativas e o crescimento que estava previsto para o país, estagnou.

“Operação Lava Jato: crime, devastação econômica e perseguição política” é um livro fundamental para compreender as reais motivações do grupo que comandou a Lava Jato, que começou como uma investigação da Polícia Federal a partir de denúncias de corrupção e de lavagem de dinheiro envolvendo empresas brasileiras, entre elas a Petrobras, e se transformou em uma operação política midiático-judicial, que elegeu um governo de extrema direita.

Serviço:

18h às 20h - Lançamento do livro “Operação Lava-Jato: Crime, Devastação Econômica e Perseguição Política”, com participação de Fausto Augusto Júnior, coordenador técnico do Dieese e um dos organizadores do livro; Deyvid Bacelar, coordenador geral da FUP; Claudio da Silva Gomes, presidente da Confederação Nacional dos Sindicatos de Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil (CONTICOM); e Edson Carlos Rocha da Silva, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Niterói/RJ e coordenador do Setor Naval da Confederação Nacional dos Metalúrgicos (CNM/CUT).

O debate será transmitido pelo canal da FUP no Youtube e mediada pelo petroleiro Tadeu Porto, diretor da FUP e do Sindipetro NF.

O livro “Operação Lava Jato: crime, devastação econômica e perseguição política” tem prefácio assinado por Baltasar Garzón, ex-juiz da Suprema Corte da Espanha que ordenou a prisão do ex-presidente chileno Augusto Pinochet. A obra conta com os seguintes capítulos: Capitalismo e corrupção: a Petrobras e a Operação Lava Jato, assinado por William Nozaki; Mídia e Democracia, por Paulo Moreira Leite; Lawfare e Poder Judiciário, escrito pela jurista Gisele Cittadino; Implicações Econômicas Intersetoriais, assinado por Sérgio Nobre; Implicações Macroeconômicas, por Luiz Fernando de Paula e Rafael Moura; Sistema Político, de Fábio Kerche e Talita Tanscheit; Relações Externas, assinado por Carol Proner; Sociedade e Cultura da Violência, escrito por Fernando Sarti Ferreira e Gabriel Rocha Gaspar. O diretor técnico nacional do Dieese, Fausto Augusto Jr., também assina a publicação.

Veja a programação completa e atualizada da IX PLENAFUP

[Imprensa da FUP]

Última modificação em Sexta, 13 Agosto 2021 13:53
Publicado em IX PlenaFUP

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.