Reforma de Bolsonaro destrói serviço público, afetando quem mais precisa do Estado

Quarta, 18 Agosto 2021 16:42

População mais humilde, que precisa do serviço público, será a mais afetada pela PEC 32. A reforma administrativa de Bolsonaro desmonta o Estado brasileiro, atingindo a saúde e a educação públicas, a previdência social, a segurança, entre outros serviços essenciais.

[Imprensa da FUP, com informações do Brasil de Fato]

A reforma administrativa apresentada pelo governo Bolsonaro, através dla Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32, está em discussão no Congresso Nacional, em comissão especial da Câmara. O objetivo é reduzir ainda mais o Estado brasileiro. Sob o prestexto de gastar menos para a economia crescer, o governo mente para a população, com o argumento de querer “enxugar” a máquina pública. No entanto, a PEC 32 só mexe com os servidores de salários mais baixos, os que estão na linha de frente do atendimento à população, deixando de fora os altos escalões dos poderes Executivo, Judiciário e Legislativo, além de poupar integralmente as Forças Armadas. 

Serão atingidos, por exemplo, trabalhadores de serviços como Dataprev, Caixa Federal e SUS, que comprovaram a importância da sua atuação nestes tempos de pandemia da covid-19. De acordo com a campanha Contra a PEC 32, a reforma administrativa “altera e retira direitos e garantias já consagrados para os servidores públicos, ao mesmo tempo que protege as Forças Armadas, a cúpula do Judiciário, do parlamento e do Executivo”. 

Pressão sobre os parlamentares

Para fortalecer a luta contra o desmonte do serviço público, todos devem pressionar os parlamentares. Para isso, está no ar o site “Na pressão” – uma ferramenta na qual estão listados os nomes dos deputados que são contra, indecisos e a favor da PEC 32. Por meio de telefone, whatsAPP e e-mails é possível enviar sua mensagem a cada um. 

Em artigo publicado no jornal Brasil de Fato, o servidor público, Thiago Duarte Gonçalves, coordenador de Formação e Organização-Sindical da Fenajufe (Federação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Judiciário Federal e MPU), explica o que está em risco com a PEC 32 e porque toda a classe trabalhadora deve entrar na luta em defesa dos serviços públicos. Leia abaixo a íntegra.

 

"Todos sabemos que é na dificuldade que se conhece alguém. E assim também se dá nos serviços: é quando se está doente que se sabe se o plano de saúde é bom, só para dar um exemplo. 

Na pandemia não tem sido diferente. Foi neste momento que o conjunto da sociedade reconheceu a importância do SUS e de todos os funcionários públicos ligados à saúde. Além disso, passou a valorizar ainda mais os professores públicos e suas aulas presenciais na escola pública. 

Os servidores públicos municipais, estaduais e federais, dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, estarão em greve contra a Reforma Administrativa (PEC 32) nesta quarta-feira (18). 

A proposta em debate na Câmara, iniciativa do governo Jair Bolsonaro, destrói o serviço público, piorando as condições de trabalho de médicos, professores, enfermeiros, afetando atuais e futuros servidores, mas em especial a população mais humilde que precisa do serviço público e o quer melhorado (e não destruído). 

Por isso, não podemos ter dúvidas: todo apoio aos trabalhadores e trabalhadoras do serviço público que estarão neste dia de greve e na luta contra mais esta tentativa de desmonte neoliberal. A previsão de votação da matéria na Câmara é em setembro e precisamos defender os nossos direitos nos próximos meses. 

Para potencializar essa resistência, diversas entidades, movimentos sociais e frentes políticas que compõem a campanha “Fora Bolsonaro!” irão se juntar na luta contra a Reforma Administrativa. 

Faz todo sentido, porque para derrotar a reforma administrativa é necessário enfrentar Bolsonaro e seus comparsas no Congresso Nacional. O inverso também é verdadeiro: para derrotar o governo, é importante o engajamento dos mais de 11 milhões de servidores públicos pelo país. 

Por isso, é importante que todos estejam juntos nas ruas, nas greves, nas redes sociais, pressionando os parlamentares pelo Fora Bolsonaro, Fora Reforma Administrativa! Tire este dia para lutar pelo futuro do Brasil."

 

Última modificação em Quarta, 18 Agosto 2021 17:44
Publicado em Trabalho

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.