Cobranças preventivas e proteção à COVID-19 na Reman foram pautas da reunião, que ocorreu sob pressão do sindicato

[Da imprensa do Sindipetro-AM]

O Sindipetro-AM reuniu-se com representantes da Refinaria Isaac Sabbá - Reman e da sede da Petrobrás, na terça-feira (12), para debater pautas que estão sendo denunciadas ao Sindipetro e sobre as medidas unilaterais aplicadas na refinaria como parte do processo de privatização.  

A alimentação, a sobrecarga da rotina dos técnicos da operação no setor de refino, a ausência de cadeiras ergonômicas nos setores de console e cogeração, relação de inscritos no PIDV 2021, Termo de Rescisão e cobranças preventivas e proteção ao COVID-19 na refinaria foram pautas da reunião, que ocorreu sob pressão do Sindipetro-AM.  

No segundo semestre de 2020, o Sindipetro-AM encaminhou documentos oficiais para a Reman cobrando medidas e solicitando dados. Somente no início deste mês, a gestão enviou ao sindicato o documento com respostas automáticas e insatisfatórias, o que motivou mais pressão por parte do sindicato.  

O Sindipetro-AM ressaltou o entreguismo da atual gestão, os impactos da venda da Reman, a falta de diálogo e o medo da gestão, demonstrada pela ausência do gerente geral da refinaria na reunião. 

O coordenador-geral do Sindipetro-AM, Marcus Ribeiro destaca que as respostas da Reman, contidas no documento, não estão de acordo com a realidade da categoria petroleira do Amazonas. "A gestão da REMAN não tem vivência de turno e não tem conhecimento das instalações da refinaria. As respostas que estariam realizando as medidas necessárias, não ocorreram na prática e não condiz com a realidade na refinaria As respostas do documento satisfazem a sede, mas não a categoria petroleira”.  

Confira os pontos da reunião:  

COVID 

Com o Amazonas na fase mais crítica em meio a pandemia do coronavírus e apresentando novos casos de infecção, reinfecção e mutação do vírus, o Sindipetro-AM cobrou mudanças urgentes das medidas de prevenção dentro da Reman, entre as medidas estão: autorização imediata de testagem para todos os trabalhadores, mesmo para quem já apresentou exame positivo para COVID-19; o afastamento dos trabalhadores que pertencem aos grupos de risco e a intensificação dos testes antes da troca de turno para ter controle do quantitativo de casos na refinaria. 

Alimentação

O Sindipetro-AM cobrou medidas urgentes na alteração do cardápio e melhoria da qualidade da alimentação disponibilizada para a categoria, alertando os problemas de saúde causados.  

O Sindipetro denuncia, desde outubro de 2020, a qualidade da alimentação disponibilizada para a categoria, que inclui pão cru, frutas e alimentos estragados. A situação tem motivado os trabalhadores a levarem alimentação para o trabalho ou almoçar fora da refinaria.  

Cadeiras na REMAN 

O Sindipetro-AM solicitou novamente a troca das cadeiras antigas e quebradas por cadeiras novas e ergonômicas para os operadores do console e cogeração, que estão expostos a uma tabela de turno exaustiva de 12 horas e necessitam de um ambiente de trabalho adequado para a realização das funções.  

Quantidade de efetivo 

O Sindipetro-AM solicitou medidas urgentes sobre a quantidade de efetivos na refinaria e alertou os riscos graves de a Reman operar com o efetivo reduzido, mesmo em aéreas menos complexas. O Sindipetro solicitou participação conjunta entre Sindipetro e Reman nas decisões de medidas a serem aplicadas na refinaria, que opera em situação de calamidade.  

Para o Sindipetro-AM, a gestão não pode aplicar medidas unilaterais e ignorar a sobrecarga, acúmulo de funções nas áreas operacionais.  

Terceirização da SMS 

Em relação a segurança na refinaria, o Sindipetro-AM cobrou medidas urgentes da Reman sobre a terceirização do setor que vem ocorrendo.  

Para o Sindipetro, os petroleiros da ativa são capacitados especificamente para o grau de complexidade que a refinaria apresenta. E a terceirização oferece riscos para a segurança dos trabalhadores.  

 

PIDV e transferências 

O Sindipetro-AM solicitou a relação dos empregados inscritos no programa do PIDV 2021 e as informações sobre a transferência de trabalhadores da unidade, conforme firmado no Acordo Coletivo de Trabalho (ACT).  

Termo de Rescisão 

O Sindipetro-AM solicitou respostas para as ressalvas feitas no Termo de Rescisão dos empregados que saíram no programa de PIDV 2020.

Já está na rede a página da campanha petrobrasficanoamazonas.com.br  lançado pelo Sindipetro-AM, com o objetivo de manter um canal de comunicação exclusivo com notícias, dados, documentos e atualizações sobre a luta contra a privatização da Petrobrás.

No site, é possível encontrar dados sobre a REMAN (Refinaria de Manaus) e o Polo de Urucu, que estão na lista das privatizações e desinvestimentos anunciados pela gestão da Petrobrás. Na página da campanha também estão relacionadas as demais atividades da estatal no Amazonas, assim como o link de acesso para a assinatura da petição contra a saída da Petrobrás do estado. Segundo o Sindipetro, a "petição foi criada para ser mais um meio para pressionar autoridades, chamar a atenção da população sobre os impactos da privatização e apoiar a luta dos petroleiros e petroleiras".

O sindicato ressalta que o site petrobrasficanoamazonas.com.br terá notícias atualizadas sobre os processos de privatização e irá servir como complemento do site oficial do Sindipetro (sindipetroam.org.br), que continuará ativo, com informes sobre a luta da categoria.

Baixe aqui o informativo da campanha 

[FUP, com informações do Sindipetro AM]
Publicado em Sistema Petrobrás

Os coordenadores da FUP, Deyvid Bacelar, e do Sindipetro-AM, Marcus Ribeiro, participam na sexta-feira, 03/07, de um debate ao vivo realizado pelo Portal do Movimento Popular sobre as consequências das privatizações dos ativos da Petrobrás no estado do Amazonas.

A live será realizada às 18h30 no Facebook do Portal, com transmissão pelos canais do sindicato e da FUP. O economista e técnico do Dieese, Cloviomar Cararine, e o representante da Frente Brasil Popular, Aldemir Caetano, também participará do debate, que contará com a mediação do petroleiro da UO-AM e diretor da FUP, Paulo Neves.

Eles irão explicar o que está por trás da decisão da gestão Castello Branco de acabar com os principais investimentos da Petrobrás no estado do Amazonas, ao colocar à venda campos de produção, a refinaria e praticamente toda a logística de transporte.

No último dia 26, a Petrobrás deu início à privatização do Polo de Urucu, na Bacia de Solimões, que está sendo entregue junto com a infraestrutura de apoio operacional. Os ativos englobam os campos de Arara Azul, Araracanga, Leste do Urucu, Rio Urucu, Sudoeste Urucu, Cupiuba e Carapanaúba, localizados nos municípios de Tefé e Coari.

A direção da Petrobrás está abrindo mão de aproximadamente 350 quilômetros quadrados de campos de produção de óleo e gás no Amazonas, cuja produção diária é superior a 16 mil barris de óleo e condensado, mais de 14 mil metros cúbicos de gás e cerca de 1,2 toneladas de GLP.

Paralelamente à entrega do Polo de Urucu, está sendo privatizada também a Refinaria Isaac Sabbá (Reman), junto com o Terminal Aquaviário de Manaus. Além disso, a empresa colocou à venda no ano passado o Campo de Azulão, na Bacia do Amazonas.

"Se confirmada, a saída da Petrobrás do Amazonas poderá trazer enormes prejuízos para o nosso estado, não só pela redução da arrecadação de impostos, como também pela demissão dos trabalhadores próprios e terceirizados. Milhares de empregos diretos e indiretos estarão comprometidos, sem falar no risco de grandes acidentes e desastres ambientais, já que muitas empresas privadas colocam o lucro acima da segurança operacional", alerta o diretor da FUP, Paulo Neves, que é Técnico de Operação na Província Petrolífera de Urucu.

[FUP]

Publicado em Sistema Petrobrás

A Audiência Pública em defesa da Petrobrás no Amazonas na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam) foi adiada do dia 25 de novembro para o dia 6 de dezembro às 14h.

A audiência pública tem como tema “A importância do Sistema Petrobrás para o Estado do Amazonas e a região Amazônica: relações de trabalho e emprego, arrecadação tributária (ICMS/ISS) e desenvolvimento sustentável” e principal objetivo avaliar, de forma técnica e aprofundada, para a sociedade os prejuízos econômicos e sociais que a venda da Refinaria do Amazonas (Reman) e da plataforma da Petrobrás em Urucu-Coari.

SERVIÇO 

O quê: Audiência Pública com tema: “A importância do Sistema Petrobrás para o Estado do Amazonas e a região Amazônica: relações de trabalho e emprego, arrecadação tributária (ICMS/ISS) e desenvolvimento sustentável".

Quando: 06/12/2019 (Nova data) 

Horário: 14h 

Onde: Auditório Belarmino Lins, Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam) - Av. Mário Ypiranga, Flores | Manaus

[Via Sindipetro-AM]

Publicado em SINDIPETRO-AM

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.