Nesta quarta-feira, 10, os trabalhadores do Sistema Petrobrás entram no sexto dia de greves na Bahia, no Amazonas, no Espirito Santo e em São Paulo, com novas adesões. Na Bahia, além da Refinaria Landulpho Alves (Rlam), cujos trabalhadores retomaram a greve na última sexta-feira, 05, o movimento foi intensificado com a adesão dos trabalhadores dos campos terrestres de Taquipe, que também lutam por segurança e contra a precarização e as demissões causadas pelas privatizações.

Nas bases do Sindipetro Unificado de São Paulo, foi a vez dos trabalhadores da Refinaria de Capuava (Recap), em Mauá, se somarem às mobilizações. A greve segue movimentando ainda os petroleiros na Refinaria de Manaus (Reman) e nas bases do Sindipetro Espírito Santo.

Novas adesões começam a ser desenhadas também em outras bases da FUP que aprovaram a greve. Houve atrasos no turno na Regap, em Minas Gerais, na Refinaria Abreu e Lima e no Terminal Aquaviário de Suape, em Pernambuco. No Norte Fluminense, os trabalhadores aprovaram estado de greve e realizam nesta quarta-feira, 10, seminário de greve. Veja abaixo mais detalhes.

Com pautas de reivindicações diversas, os sindicatos da FUP denunciam os impactos das privatizações nas relações de trabalho, em função das transferências compulsórias feitas pela gestão da Petrobrás, da redução drástica de efetivos e do sucateamento das unidades, principalmente as que estão sendo vendidas. O resultado desse desmonte é o risco diário de acidentes, sobrecarga de trabalho, assédio moral e descumprimento rotineiro do Acordo Coletivo de Trabalho.

Veja como estão as mobilizações em outras bases:

Minas Gerais

Os petroleiros da Refinaria Gabriel Passos (Regap), em Betim (MG), se somaram às mobilizações nesta quarta-feira, 10, com atrasos na entrada do turno e debates com o sindicato sobre o processo de negociação da pauta local. Os trabalhadores estão negociando com a gerência da Regap reivindicações relacionadas às condições de segurança na refinaria, como efetivo mínimo de trabalhadores, tabela de turno e medidas de prevenção ao avanço da pandemia de covid-19, principalmente, em função das paradas de manutenção que estão ocorrendo.

Pernambuco

Os petroleiros da Refinaria Abreu e Lima e do Terminal Aquaviário de Suape realizaram atos no início da manhã, com atrasos na entrada do expedientes, em protesto contra o sexto aumento este ano no preço dos derivados de petróleo e cobrando condições seguras de trabalho nas unidades do Sistema Petrobrás em Pernambuco, que estão em processo de privatização. O Sindipetro-PE/PB denuncia o sucateamento das unidades, com impacto direto nas condições de trabalho, como a redução dos quadros de efetivos e o descumprimento de normas de segurança que colocam em risco a vida dos trabalhadores.

Os impactos das privatizações no Sistema Petrobrás também estão sendo denunciados pelos petroleiros em atividades no centro de Recife.

Norte Fluminense

Em estado de greve, os trabalhadores das bases de terra e mar da Bacia de Campos realizam nesta quarta-feira, 10, seminário de greve para discutir coletivamente a construção de um grande movimento de paralisação, pelo cumprimento de direitos da categoria e contra o desmonte da Petrobrás, que já se desfez de várias plataformas na região e está privatizando diversas outras.

“A conjuntura de pandemia e de governo Bolsonaro está impondo estratégias cada vez mais inteligentes aos movimentos grevistas. O Sindipetro-NF tem tradição na construção de formas ousadas e alternativas de greve, que muitas vezes surpreenderam a gestão da empresa e produziram conquistas importantes. Toda essa história é feita de forma coletiva, nos seminários, nas reuniões setoriais, assembleias e outras formas de interação com a categoria”, destaca o sindicato.

Combustíveis a preços justos

Enquanto a Petrobrás reajusta pela sexta vez os combustíveis este ano, os sindicatos da FUP intensificam as ações solidárias de venda subsidiada da gasolina, do diesel e do gás de cozinha, mostrando para a sociedade que é possível comprar derivados de petróleo por preços justos. A apesar de produzidos nas refinarias brasileiras com petróleo nacional, os combustíveis são vendidos a preços internacionais e custo de importação. 

Uma conta que não fecha para os consumidores brasileiros, pois é baseada no Preço de Paridade de Importação (PPI). política de reajuste dos derivados de petróleo que foi implantada em 2016 no governo Temer e mantida pelo governo Bolsonaro.

Cada vez que o preço do barril de petróleo, que é cotado em dólar, sobe lá fora, a Petrobrás reajusta os preços dos combustíveis aqui no Brasil. Com isso, só em 2021, a gasolina já aumentou 54%, e o diesel 41,5% nas refinarias. Os brasileiros estão refém das oscilações do mercado internacional e da disparada do dólar, o que tem sido constante. A FUP e seus sindicatos vêm denunciando há mais de quatro anos os prejuízos do PPI e cobrando a adoção de uma política de Estado para o mercado de combustíveis, que garanta preços justos para o povo brasileiro e o abastecimento nacional. 

Para ampliar esse diálogo com a população, os petroleiros farão novas ações solidárias nos próximos dias em diversas regiões do país, cujo calendário será divulgado em breve. Na semana passada, nove municípios do país foram atendidos pelas ações da FUP e de seus sindicatos, que junto com a CUT e movimentos sociais, distribuíram 22 mil litros de gasolina a R$ 3,50 o litro, 10 mil litros de óleo diesel a R$ 3,09 o litro, e 450 botijões de gás de cozinha a R$ 40,00 o botijão de 13 kg. 

Fotos do sexto dia de greve:

e83380bd-89ac-4b89-9f00-95ae50295326
dd8cc26e-4a2a-4c21-a13c-36ccd7d5e585
d157506c-e6c3-4ee9-a893-31d65d33fe19
d241d8dd-21ac-4a26-b1c2-46987b4a280b
d204bba7-4cfa-4197-b540-b4d0ade8e26d
c7376840-d4f2-4632-8881-b5bed984a078
8809a263-62c8-439d-b40e-11841c98af6b
b498434a-bb8b-4158-b9d0-7b863b0620f8
08224a5f-bdbc-407f-9812-0be284926d02
04e536ae-b571-4f10-98b8-5ddc311ca507
3b31f2ca-adc7-42eb-be67-a5f3ac964bcf
3ae4367d-1224-46f6-bb5d-17f2e7f10432
recapp
geral
recap
f1965ac7-67a3-4884-a06c-813829218ab7
cibele
bc4c32e0-7404-4994-8208-5ee786edb262
472b2579-5750-457c-86c8-c64d9f287a97
taquipe2
taquipe
suape2
suape
Rlam
seminrio-greve-nf
regap3
regap
regap2
recap
geral-abreu-e-lima
e62ea195-e5b1-46c9-9bc6-9c5f96e5b8cb
ff15dc9f-4873-49ab-9480-b06a32af6a75
a700927f-ce1d-4dd7-b03c-2add335c20b2
b8f54063-0e9f-4e4e-8d06-db69571aea33
a7f2140d-c28e-4afd-8c3c-ec11349d5f29
79323397-32f4-4078-a667-40b8d3311fb9
03592f7e-a84d-411e-a6ed-81ec5ef9aa37
6d9fec42-e802-4432-90bb-c42328ef1459
3bc161a4-9095-4394-a94d-9c2ede86f685
5f545330-7852-4fcd-a9fa-6c326b8da8f4
e83380bd-89ac-4b89-9f00-95ae50295326 dd8cc26e-4a2a-4c21-a13c-36ccd7d5e585 d157506c-e6c3-4ee9-a893-31d65d33fe19 d241d8dd-21ac-4a26-b1c2-46987b4a280b d204bba7-4cfa-4197-b540-b4d0ade8e26d c7376840-d4f2-4632-8881-b5bed984a078 8809a263-62c8-439d-b40e-11841c98af6b b498434a-bb8b-4158-b9d0-7b863b0620f8 08224a5f-bdbc-407f-9812-0be284926d02 04e536ae-b571-4f10-98b8-5ddc311ca507 3b31f2ca-adc7-42eb-be67-a5f3ac964bcf 3ae4367d-1224-46f6-bb5d-17f2e7f10432 recapp geral recap f1965ac7-67a3-4884-a06c-813829218ab7 cibele bc4c32e0-7404-4994-8208-5ee786edb262 472b2579-5750-457c-86c8-c64d9f287a97 taquipe2 taquipe suape2 suape Rlam seminrio-greve-nf regap3 regap regap2 recap geral-abreu-e-lima e62ea195-e5b1-46c9-9bc6-9c5f96e5b8cb ff15dc9f-4873-49ab-9480-b06a32af6a75 a700927f-ce1d-4dd7-b03c-2add335c20b2 b8f54063-0e9f-4e4e-8d06-db69571aea33 a7f2140d-c28e-4afd-8c3c-ec11349d5f29 79323397-32f4-4078-a667-40b8d3311fb9 03592f7e-a84d-411e-a6ed-81ec5ef9aa37 6d9fec42-e802-4432-90bb-c42328ef1459 3bc161a4-9095-4394-a94d-9c2ede86f685 5f545330-7852-4fcd-a9fa-6c326b8da8f4

[Da imprensa da FUP]

Publicado em Sistema Petrobrás

Em greve por tempo indeterminado, os petroleiros da Bahia realizaram nesta terça-feira, 09, pela manhã um ato na Refinaria Landulpho Alves (Rlam), em protesto contra o avanço das contaminações de Covid-19 nas unidades do Sistema Petrobrás. No domingo, 07, um operador da Rlam faleceu em decorrência da doença. Os petroleiros protestaram contra a negligência da gestão, fincando cruzes no entorno da refinaria.

A segurança é um dos eixos da greve que mobiliza há cinco dias os trabalhadores da Petrobrás não só na Bahia, como no Amazonas, no Espírito Santo e em São Paulo. Em meio ao maior desmonte da história do Sistema Petrobrás, com diversas unidades já privatizadas e fechadas e outras tantas em processo de venda, os petroleiros enfrentam graves ataques no ambiente de trabalho. Diversos trabalhadores estão esgotados, física e psicologicamente. Sem diálogo com os sindicatos, as gerências submetem a categoria a jornadas exaustivas e a multifunções, seja no trabalho presencial ou remoto, paralelamente às transferências compulsórias e ao descumprimento do Acordo Coletivo. 

Soma-se a isso o avanço do assédio moral, que é hoje uma ferramenta utilizada em larga escala pelas gerências para pressionar os trabalhadores. Tudo isso em meio ao avanço da pandemia, cujo impacto na vida da categoria é cada vez maior.  Assim como o governo Bolsonaro, a gestão da Petrobrás vem negando recomendações, normas e protocolos de segurança dos órgãos de saúde e de fiscalização, como o Ministério Público do Trabalho, a Fiocruz e a Agência Nacional de Petróleo.

Na Rlam, por exemplo, foram denunciados surtos de Covid com mais de 70 trabalhadores contaminados nas últimas semanas. Ainda assim, a gerência da refinaria insistiu em manter as paradas de manutenção que colocariam em risco mais de 2 mil trabalhadores aglomerados na unidade. Só após o início da greve é que a a gestão da Petrobrás resolveu suspender o início das paradas

Em um ano de pandemia, mais de 5.200 trabalhadores da Petrobrás já se contaminaram. Isso equivale a mais de 11% do efetivo próprio da companhia. Ou seja, o dobro da média nacional. A cada semana, são mais de 420 trabalhadores infectados pela Covid-19 e uma média de 20 hospitalizados. Números que, apesar de altos, são subnotificados, pois a gestão da Petrobrás insiste em não divulgar os dados dos trabalhadores terceirizados.

Greve segue no crescente

Novas adesões à greve dos petroleiros devem ocorrer ao longo da semana, em outras bases sindicais da FUP. O movimento já foi aprovado em Pernambuco, em Minas Gerais e na Usina do Xisto (SIX), no Paraná, onde os trabalhadores estão se preparando para se somar ao movimento.

Nesta terça-feira, 09, as mobilizações foram intensificadas na Refinaria de Manaus (Reman), na Refinaria de Paulínia (Replan) e no Espírito Santo, onde houve atrasos no embarque para as plataformas.  

Com pautas de reivindicações diversas, os sindicatos da FUP denunciam os impactos das privatizações nas relações de trabalho, em função das transferências compulsórias feitas pela gestão da Petrobrás, da redução drástica de efetivos e do sucateamento das unidades, principalmente as que estão sendo vendidas. O resultado desse desmonte é o risco diário de acidentes, sobrecarga de trabalho, assédio moral e descumprimento rotineiro do Acordo Coletivo de Trabalho.

Combustíveis a preços justos

Enquanto a Petrobrás reajusta pela sexta vez os combustíveis este ano, os sindicatos da FUP intensificam as ações solidárias de venda subsidiada da gasolina, do diesel e do gás de cozinha, mostrando para a sociedade que é possível comprar derivados de petróleo por preços justos. A apesar de produzidos nas refinarias brasileiras com petróleo nacional, os combustíveis são vendidos a preços internacionais e custo de importação. 

Uma conta que não fecha para os consumidores brasileiros, pois é baseada no Preço de Paridade de Importação (PPI). política de reajuste dos derivados de petróleo que foi implantada em 2016 no governo Temer e mantida pelo governo Bolsonaro.

Cada vez que o preço do barril de petróleo, que é cotado em dólar, sobe lá fora, a Petrobrás reajusta os preços dos combustíveis aqui no Brasil. Com isso, só em 2021, a gasolina já aumentou 54%, e o diesel 41,5% nas refinarias. Os brasileiros estão refém das oscilações do mercado internacional e da disparada do dólar, o que tem sido constante. A FUP e seus sindicatos vêm denunciando há mais de quatro anos os prejuízos do PPI e cobrando a adoção de uma política de Estado para o mercado de combustíveis, que garanta preços justos para o povo brasileiro e o abastecimento nacional. 

Para ampliar esse diálogo com a população, os petroleiros farão novas ações solidárias nos próximos dias em diversas regiões do país, cujo calendário será divulgado em breve. Na semana passada, nove municípios do país foram atendidos pelas ações da FUP e de seus sindicatos, que junto com a CUT e movimentos sociais, distribuíram 22 mil litros de gasolina a R$ 3,50 o litro, 10 mil litros de óleo diesel a R$ 3,09 o litro, e 450 botijões de gás de cozinha a R$ 40,00 o botijão de 13 kg. 

[Imprensa da FUP | Foto: Ana Reis]

Confira as fotos do quinto dia de greve:

replan3
replan2
reman3
REPLAN
reman2
reman
paraba2
paraiba
ES-aeroporto
ES-aeroporto2
rlam-no-venda
rlamgreve
rlam10
rlamato
rlam9
rlam8
rlam7
rlam6
rlam4
rlam5
rlam2
rlam3
rlam
rlam-greve2
greve
greve-geral
greve-bahia--
f0e64de8-3422-4e54-89cb-4c058fb0dbd8
greve-bahia-jairo
bahia-deyvid
a1803222-25cc-4071-8a97-8ef8ae277af6
1495ca81-d2ad-41e7-9513-fc6b9a73caff
5e88eeef-1543-4cee-ae67-5d26f065079c
41b888ea-9ebd-4e08-99cf-ad9280cd2954
2cc5673a-177b-4496-ad58-0c17b52a9405
1fe7b521-8045-4c4c-b1ef-3cc7445c2fe2
replan3 replan2 reman3 REPLAN reman2 reman paraba2 paraiba ES-aeroporto ES-aeroporto2 rlam-no-venda rlamgreve rlam10 rlamato rlam9 rlam8 rlam7 rlam6 rlam4 rlam5 rlam2 rlam3 rlam rlam-greve2 greve greve-geral greve-bahia-- f0e64de8-3422-4e54-89cb-4c058fb0dbd8 greve-bahia-jairo bahia-deyvid a1803222-25cc-4071-8a97-8ef8ae277af6 1495ca81-d2ad-41e7-9513-fc6b9a73caff 5e88eeef-1543-4cee-ae67-5d26f065079c 41b888ea-9ebd-4e08-99cf-ad9280cd2954 2cc5673a-177b-4496-ad58-0c17b52a9405 1fe7b521-8045-4c4c-b1ef-3cc7445c2fe2

Publicado em Sistema Petrobrás

No quarto dia de greves regionais, os petroleiros realizam nesta segunda-feira, 08, novas mobilizações de oferta de combustíveis a preços subsidiados para a população. As atividades ocorrem em São Paulo, com ações direcionadas às mulheres motoristas de aplicativo, e em Mossoró, no Rio Grande do Norte (veja no final da matéria). Na semana passada, nove municípios do país foram atendidos pelas ações da FUP e de seus sindicatos, que junto com a CUT e movimentos sociais, distribuíram 22 mil litros de gasolina a R$ 3,50 o litro, 10 mil litros de óleo diesel a R$ 3,09 o litro, e 450 botijões de gás de cozinha a R$ 40,00 o botijão de 13 kg. 

Outras regiões do país devem ser  contempladas por novas ações dos petroleiros ao longo da semana. A FUP e seus sindicatos pretendem transformar em permanentes essa atividades, com um calendário fixo de mobilizações para dialogar com a população sobre os impactos negativos da política de preços da Petrobras e das privatizações no bolso dos consumidores.

As greves que estão ocorrendo na Bahia, Amazonas, Espírito Santo e São Paulo entram nesta segunda-feira, 08, no quarto dia. Novas adesões devem ocorrer ao longo da semana, com a aprovação da greve em outras bases sindicais da FUP. O movimento já foi aprovado em Pernambuco, onde trabalhadores da Refinaria Abreu e Lima (Rnest) devem se somar ao movimento. Na Usina do Xisto (SIX), no Paraná, a greve também já está aprovada. Em Minas Gerais, outro estado onde os petroleiros aprovaram a greve, o Sindipetro prepara o início da mobilização para os proximos dias. 

Com pautas de reivindicações diversas, os sindicatos denunciam os impactos das privatizações nas relações de trabalho, em função das transferências compulsórias feitas pela gestão da Petrobrás, da redução drástica de efetivos e do sucateamento das unidades, principalmente as que estão sendo vendidas. O resultado desse desmonte é o risco diário de acidentes, sobrecarga de trabalho, assédio moral e descumprimento rotineiro do Acordo Coletivo de Trabalho.

Mais uma morte por Covid abala a categoria

A morte do operador da Rlam, Carlo Alberto, no domingo, 07, por complicações geradas pela Covid-19, abalou a categoria não só na Bahia, como em todo o país. Os trabalhadores do Sistema Petrobrás estão sofrendo diariamente com a negligência da direção da empresa no combate à pandemia. Assim como o governo Bolsonaro, a gestão Castello Branco vem negando recomendações, normas e protocolos de segurança dos órgãos de saúde e de fiscalização, como o Ministério Público do Trabalho, a Fiocruz e a Agência Nacional de Petróleo.

Na Rlam, por exemplo, foram denunciados surtos de Covid com mais de 70 trabalhadores contaminados nas últimas semanas. Ainda assim, a gerência da refinaria insistiu em manter as paradas de manutenção que colocariam em risco mais de 2 mil trabalhadores aglomerados na unidade. Só após o início da greve é que a a gestão da Petrobrás resolveu suspender o início das paradas

Em um ano de pandemia, mais de 5.200 trabalhadores da Petrobrás já se contaminaram. Isso equivale a mais de 11% do efetivo próprio da companhia. Ou seja, o dobro da média nacional. A cada semana, são mais de 420 trabalhadores infectados pela Covid-19 e uma média de 20 hospitalizados. Esses números, apesar de altos, são subnotificados, pois a Petrobrás insiste em não divulgar os dados dos trabalhadores terceirizados. Em meio às privatizações, a categoria petroleira ainda é obrigada a conviver com o pavor de ser contaminada pelos surtos semanais que estão ocorrendo nas plataformas, refinarias e terminais. Informações obtidas pela FUP revelam que mais de 60 trabalhadores próprios e terceirizados já perderam a vida em consequência da Covid.

É possível baixar os preços dos combustíveis

A campanha que a FUP e seus sindicatos vêm realizando de venda subsidiada combustíveis tem como objetivo mostrar à população que os preços de gasolina, óleo diesel e gás de cozinha podem ser menores, se a Petrobrás mudar sua política de reajustes, baseada no Preço de Paridade de Importação (PPI). Além disso, chama atenção para o prejuízo ao consumidor com a venda de ativos da empresa, em especial de oito de suas refinarias – uma “privatização aos pedaços” da companhia.

A criação de um calendário permanente para as ações proposta por FUP e Sindipetros se justifica. Afinal, na última semana o barril do petróleo Brent, que referencia o mercado internacional, atingiu quase US$ 70 e acumulou alta de 5,2% na semana. O dólar comercial se valorizou 1,39% no mesmo período, fechando a R$ 5,684. Como a Petrobras usa o PPI para reajustar seus preços, sem considerar os custos nacionais de produção dos derivados, a expectativa é que ocorram novos aumentos de gasolina, óleo diesel e gás de cozinha nesta semana, já que o petróleo e o dólar estão em alta.

Ações desta segunda

 

SÃO PAULO Ação promovida pelo Sindipetro Unificado-SP nesta segunda-feira (8/3), às 13 h, no Auto Posto Cidade (Rua Frederico Alvarenga, 65 - Centro), com oferta de gasolina a preço justo para motoristas mulheres de aplicativo. 

RIO GRANDE DO NORTE Ações promovidas pelo Sindipetro Rio Grande do Norte entre os dias 8 e 12 de março, iniciando na cidade de Mossoró, com previsão de alcançar os principais municípios do estado. Serão 2 mil litros de combustível em Mossoró, para motoristas de transportes autônomos.

ACOMPANHE A GREVE DOS PETROLEIROS

Greve dos petroleiros entra no terceiro dia

Greve dos petroleiros entra no seu segundo dia

Petroleiros realizam greves regionais em quatro estados, com novas adesões nos próximos dias

Greve dos petroleiros é retomada na Bahia com movimentos regionais no AM, PE, ES, SP e PR

[Da imprensa da FUP]

terminal-guarulhos
guarulhos
Ev9e-egWgAI2Dg7
Ev9e-0FXMAk0C0
Ev9eHtWEAAH4-
reman1
reman2
es-fazenda-belem
reman
es
es2
jailton
geralzona
ee823d97281f0668011c2c26c6299e10
deyvid
85e5677d7e82ee9256da8204a61e76b8
1669125b-79fa-4159-9a80-2f8c26e7ac35
9bda3cac7473237eb5e664f558fb9b31
8ed2cb50946e22873dae0d7d876d5a69
08fc513b39f625cc045aa1d66cdc84c7
7e1b78ee-83c2-4c4a-a8d9-78ac5eb3e28d
6bbbaa2cb1f7e3126ceb2fee6908aed9
0f270a51-224c-4d55-b68c-586605d59329
terminal-guarulhos guarulhos Ev9e-egWgAI2Dg7 Ev9e-0FXMAk0C0 Ev9eHtWEAAH4- reman1 reman2 es-fazenda-belem reman es es2 jailton geralzona ee823d97281f0668011c2c26c6299e10 deyvid 85e5677d7e82ee9256da8204a61e76b8 1669125b-79fa-4159-9a80-2f8c26e7ac35 9bda3cac7473237eb5e664f558fb9b31 8ed2cb50946e22873dae0d7d876d5a69 08fc513b39f625cc045aa1d66cdc84c7 7e1b78ee-83c2-4c4a-a8d9-78ac5eb3e28d 6bbbaa2cb1f7e3126ceb2fee6908aed9 0f270a51-224c-4d55-b68c-586605d59329

Publicado em Sistema Petrobrás

Operador da Rlam de 55 anos é mais uma vítima fatal de Covid-19 na Petrobrás. Sindipetro Bahia denuncia a gerência da refinaria por responsabilidade na morte do trabalhador que, apesar de ser grupo de risco, foi mantido em trabalho presencial

[Nota do Sindipetro BA]

O Sindicato dos Petroleiros do Estado da Bahia lamenta profundamente o falecimento do companheiro Carlos Alberto. Carlos faleceu no domingo (7), por volta das 10h30 no Hospital Aliança, devido a complicações relativas à Covid-19. Técnico de Operações, lotado na CAFOR e muito popular e querido pelos colegas, Carlos deixa mulher e filha. O sepultamento ocorrerá na cidade de Paulo Afonso.

Carlos é mais uma vítima, dessa vez fatal, da irresponsabilidade da Gerência Geral da Refinaria. Com 55 anos, 33 de empresa, Carlos tinha comorbidades, e a RLAM deveria ter identificado que o companheiro era grupo de risco e te-lo colocado em teletrabalho. Informações não faltaram, pois ele ja havia tido um grande problema de medula, passando por diversas procedimentos médicos e cirurgias, chegando a ficar afastado muito tempo das suas obrigações, ou seja, a gerência tinha conhecimento que ele era grupo de risco. Vários fatos sinalizavam que ele deveria estar afastado.

Durante nosso primeiro ato de greve, no dia 18 de fevereiro, a gerência obrigou a permanecer dentro das dependências da refinaria um excedente fora da normalidade, afim de enfrentar o nosso movimento grevista legítimo. Portanto, num ato de irresponsabilidade, e porque não dizer criminoso, o gerente geral da RLAM expôs desnecessariamente a vida de centenas de companheiros e companheiras sem medir as consequências. Carlos foi contaminado neste dia.

E mesmo com o alto índice de contaminação pela Covid-19, a gerência da RLAM havia informado, em reunião no dia 26, que iria manter a data da parada de manutenção na refinaria, apesar de admitir que pela Norma Reguladora, a parada poderia ser adiada e que só depois de uma série de denúncias feitas pelo nosso sindicado sobre surto interno da Covid-19 na refinaria em diversos meios de comunicação do estado, a Petrobrás adiou parada de manutenção da RLAM.

A CIPA da RLAM discutiu e debateu esse assunto na unidade intensamente, aprovou e fez várias solicitações à gerencia, às quais, não foram atendidos conforme relatórios anexos. Demonstrando o grau de compromisso que a atual gestão da Petrobrás tem com as nossas vidas.

Sobra irresponsabilidade na forma de gerir a unidade num momento tão delicado como esse.  Faltam critérios firmes. Falta conhecer e acompanhar a saúde dos trabalhadores próprios e também terceirizados, pois podem estar na mesma situação, correndo risco de morte, num ambiente em que a direção não toma nenhuma medida protetiva para seus trabalhadores.

O Sindipetro Bahia vai buscar responsabilizar criminalmente a gerência da refinaria diante da morte do companheiro Carlos Alberto, assim como estaremos mobilizando os trabalhadores próprios e terceirizados, além de cobrar que medidas efetivas de proteção a vida sejam adotadas em toda RLAM.

MINUTA DA REUNIÃO EXTRAORDINARIA

SOLICITACAO CIPA DADOS EPIDEMIOLOGICOS ANOS 20E21  05FEV2021

A gerência da Refinaria Landulpho Alves (RLAM) emitiu comunicado nesta sexta (5), informando o adiamento por mais 14 dias da parada de manutenção da refinaria que estava marcada para acontecer no dia 15/03.

O adiamento da parada de manutenção da RLAM foi uma grande vitória do Sindipetro Bahia. A entidade sindical participou de reuniões com o RH Corporativo da Petrobrás e com a gerência da RLAM, apontando o perigo da manutenção da parada em um momento em que os casos de infecção pelo vírus da Covid – 19 estão em alta e já havia solicitado o adiamento da parada, mas não foi atendida.

Foi preciso denunciar o acaso à imprensa e divulgar a intenção de encaminhar denúncia contra a RLAM ao Ministério Público do Trabalho, ao Centro de Saúde do Trabalhador da Bahia (Cesat) e à Superintendência Regional de Trabalho e Emprego, para que os órgãos públicos competentes tomassem conhecimento dessa grave situação, e no uso de suas atribuições garantissem o adiamento da parada de manutenção.

Apesar do avanço, o Sindipetro vê essa medida como paliativa e continua reivindicando que a parada seja adiada não só por 14 dias, mas pelo máximo de tempo permitido pelas Normas regulamentadoras, sendo o ideal, se possível, até a vacinação de todos os trabalhadores.

Outras vitórias do Sindipetro contra a propagação da Covid-19 foram: a volta da implantação do teste de antígeno associado ao teste rápido, redução de atividades dentro das instalações da refinaria; implementação de horários distintos de almoço para o pessoal das empresas contratadas, buscando a redução de filas e contato e exposição de pessoas e redução do efetivo de manutenção de rotina na refinaria para aproximadamente 35% do efetivo normal.

No entanto, no seu comunicado, a gerência da RLAM elencou uma série de medidas preventivas, afirmando que já haviam sido adotadas anteriormente. Mas, pelo menos algumas delas não estão funcionando como deveriam, a exemplo da limitação da ocupação não superior a 50%, com uso de máscaras nos transportes e a redução do número de mesas e limitação da ocupação não superior a 50%.

O adiamento da parada e as medidas adotadas foram necessárias devido à própria negligência da RLAM com os trabalhadores próprios e terceirizados. Se a gerência da refinaria não tivesse liberado a entrada na unidade de centenas de trabalhadores no dia 17/02 (véspera da greve da categoria), sem nenhum tipo de controle sanitário, colocando até três turmas de operadores nas CCLs, dormindo em colchões no chão e em ambiente fechado, hoje a refinaria não estaria vivendo um surto de Covid.

Esperamos que a gerência da RLAM dê continuidade à prevenção durante a greve da categoria que foi retomada nesta sexta(5), pois o Sindipetro recebeu denúncias de que muitos trabalhadores estão sendo mantidos dentro da refinaria mesmo após o seu turno de trabalho. Esperamos que não haja aglomeração nos dormitórios e refeitórios como da outra vez.

[Da imprensa do Sindipetro BA]

Publicado em Sistema Petrobrás
Domingo, 07 Março 2021 19:30

Greve dos petroleiros entra no terceiro dia

Os sindicatos dos petroleiros do Amazonas, Bahia, Espírito Santo e São Paulo, entram neste dia 07 no terceiro dia de greve. Os sindicatos de Pernambuco e Minas Gerais já aprovaram a greve em suas bases e devem fortalecer a luta nos próximos dias. Os demais sindicatos filiados ainda estão em processo de assembleia. 

Com pautas de reivindicações diversas, os sindicatos denunciam os impactos das privatizações nas relações de trabalho, em função das transferências compulsórias feitas pela gestão da Petrobrás, da redução drástica de efetivos e do sucateamento das unidades, principalmente as que estão sendo vendidas. O resultado desse desmonte é o risco diário de acidentes, sobrecarga de trabalho, assédio moral e descumprimento rotineiro do Acordo Coletivo de Trabalho.

O coordenador da FUP, Deyvid Bacelar, está acompanhando a greve de sua base na Bahia. Assista ao vídeo com o Coord. Geral da FUP e veja como está o movimento. 

 

Publicado em Sistema Petrobrás

A greve que teve início ontem, entra em seu segundo dia de paralização. Os petroleiros da Bahia, Espirito Santo, Amazonas e São Paulo (Mauá e Campinas), seguem em greve neste sábado, 06. 

A categoria reivindica a implementação de política efetiva de combate ao assédio moral nas unidades da Petrobrás; incorporação dos trabalhadores concursados da PBIO à Petrobrás, caso a Usina de Biocombustíveis de Candeias seja realmente vendida; fim das dobras de turno e das prorrogações de jornada; rever a política do efetivo mínimo do O&M (Organização e Método) nos diversos setores da estatal.

Além da implantação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico da jornada de 12 (doze) horas diárias, já praticada desde 2020 e aprovada pela categoria em assembleia e o fim da exigência de quitação do passivo trabalhista anterior a fevereiro/2020 para firmar esse documento; iniciar discussão e tratamento para a situação das empresas contratadas, em especial dos contratos de trabalhos e direitos dos empregados terceirizados; apresentação pela Companhia, do passivo ambiental, dos acidentes de trabalho (tudo que envolva agentes de riscos aos trabalhadores, seus compromissos de pagamentos e de seus sucessores).

Filiados à Federação Única dos Petroleiros (FUP), esses sindicatos também estavam negociando suas pautas reivindicatórias regionais diretamente com a Companhia. Os demais Sindipetros estão realizando assembleias com as suas bases, e, em breve, decidem se também vão aderir à greve.

Greve na Bahia 

A greve, que é por tempo indeterminado, inicialmente, acontece apenas na RLAM, onde há uma extensa pauta de reivindicações dos trabalhadores. Entre outras coisas, os petroleiros reivindicam que a Petrobrás envie ao Sindipetro Bahia, a cópia do contrato de venda da Refinaria Landulpho Alves para o fundo Árabe Mubadala ou apresente e coloque em discussão o cronograma de transição da operação da unidade, os prazos de transferências de trabalhadores, seus critérios e prioridades, além das regras que utilizará para indenizar as transferências desses trabalhadores. Eles querem a garantia da permanência dos postos de trabalho dos trabalhadores próprios e terceirizados e também de que não haverá redução salarial, retirada de direitos, de benefícios e vantagens.

A Refinaria Landulpho Alves, localizada no município de São Francisco do Conde (Recôncavo baiano),tem cerca de 900 trabalhadores concursados e 1.700 terceirizados.

No dia 18/02, o Sindipetro Bahia resolveu suspender a greve, que seria iniciada nessa data, para dar continuidade às negociações com o RH Corporativo da Petrobrás, uma vez que a estatal demonstrou publicamente o seu desejo de seguir com o processo negocial.

Após a suspensão da greve, aconteceram mais duas rodadas de negociação (já haviam ocorrido duas anteriormente) sem nenhum avanço, até que o Sindipetro foi surpreendido com a decisão da estatal de encerrar a mesa de negociação, não restando outro caminho a não ser o de retomar o movimento paredista.

A entidade sindical reafirma a sua disposição para a negociação, mas rechaça e denuncia o que vem acontecendo nas unidades da estatal em todo o Brasil: “assédio moral, pressão, ameaças e política antissindical viraram ferramenta de gestão da atual diretoria da Petrobrás e isso não podemos tolerar”.

 

Publicado em Sistema Petrobrás

Em mais uma rodada de negociação com o RH Corporativo da Petrobrás na segunda-feira, o Sindipetro Bahia buscou o atendimento da pauta de reivindicações dos trabalhadores da Rlam e da PBIO, mas não houve avanços

[Da imprensa do Sindipetro BA]

Na tarde da segunda-feira (1) aconteceu a segunda rodada de negociação da diretoria do Sindipetro Bahia com o RH Corporativo da Petrobrás para discutir a pauta de reivindicações dos trabalhadores da Refinaria Landulpho, a situação dos trabalhadores da PBIO e outros assuntos. Realizada através de vídeoconferência, apesar dos importantes pontos corporativos em pauta, a negociação foi marcada por sucessivas negativas por parte da Petrobrás. Não houve nenhum avanço, pois a estatal vem se recusando a atender até os mais simples dos pleitos.

PBIO

A venda da Petrobras Biocombustíveis (PBIO), já anunciada pela estatal, foi um dos pontos de discussão na mesa de negociação. A preocupação do Sindipetro é com o futuro dos trabalhadores, caso a PBIO seja realmente vendida. A entidade sindical lembrou que os empregados são concursados e reivindicou que fossem incorporados à Petrobrás, como ocorreu em outras subsidiárias que a estatal comprou no passado a exemplo da Petromisa.

O Sindipetro também pediu que os termos do contrato de negociação dessa eventual venda fossem tratados com mais transparência. A entidade quer saber, por exemplo, se nesses termos constam a estabilidade no emprego dos trabalhadores da PBIO, pois até o momento a Petrobrás não deu nenhuma garantia de continuidade dos contratos de trabalho ou estabilidade provisória que impedissem demissões em massa desses trabalhadores, logo após a venda.

A Companhia respondeu que o contrato é sigiloso, mas adiantou que a PBIO será vendida com “porteira fechada”. Isso quer dizer que os contratos dos empregados serão cedidos à empresa compradora, que ficará também com as demandas judiciais, cujos passivos já foram abatidos do preço final de venda.

Questionado a respeito dos direitos desses trabalhadores, o RH Corporativo disse que a empresa compradora seguirá o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) da categoria petroleira. “O ACT tem validade de dois anos entre as partes que assinaram, ou seja, a Petrobrás, a FUP e o Sindipetro Bahia. Quem garante que ela vai manter esse acordo que não assinou”?. Indagaram os diretores.

Apesar da intransigência da empresa, não deixando espaço para negociação, o Sindipetro deixou claro que vai continuar insistindo na incorporação dos funcionários da PBIO à Petrobrás.

Outros pontos tratados

Parada de manutenção – Apesar do surto de Covid-19 na RLAM, o RH Corporativo insiste em manter a parada de manutenção da refinaria.

Assédio moral no ambiente de trabalho – A Petrobrás se recusa a discutir esse ponto, pois nega que ocorra assédio moral em suas unidades.

Tabela de turno e locais de controle de ponto -. A Companhia alega que essa matéria já está superada e que fica mantida aquela proposta de ACT específico, cláusula expressa de quitação do passivo trabalhista da tabela anterior, cuja proposta já foi negada pela assembleia da categoria.

O Sindicato lamentou que no lugar de negociações com avanços para os trabalhadores encontrou apenas intransigência por parte da Petrobrás. Ressaltou ainda a frustração da boa fé da entidade sindical que suspendeu o início da greve do dia 18/02, para negociar.

Diante das reiteradas negativas da Petrobrás até então, o Sindipetro enviou notificação à estatal, informando que, em caso de manutenção do impasse negocial, a categoria petroleira retomará o movimento paredista que havia suspenso temporariamente, iniciando a greve a partir da zero hora e 1 minuto da próxima sexta-feira, (05/03).

Clique aqui para ler a notificação enviada à Petrobrás

Publicado em Sistema Petrobrás

Em reunião com o Sindipetro Bahia, gerência da refinaria insiste em manter parada de manutenção, que irá concentrar mais 2.500 trabalhadores na unidade

[Com informações do Sindipetro BA]

Já são 75 trabalhadores próprios infectados pelo vírus da Covid-19 na Refinaria Landulpho Alves e afastados do trabalho. Oito estão hospitalizados e três em uma Unidade de Terapia Intensiva, intubados.

O clima na refinaria é de medo e insegurança. Os trabalhadores relatam que os casos de contaminação pelo vírus começaram a se multiplicar cerca de seis dias após a véspera da greve da categoria (17/02), quando o Gerente Geral da RLAM autorizou a entrada, sem nenhum tipo de controle sanitário, de trabalhadores próprios e terceirizados na unidade, colocando até três turmas de operadores nas CCLs, que dormiram em colchões no chão e em um ambiente fechado. Havia também muita gente no Carlam e no portão 3, principalmente terceirizados.

A refinaria tem aproximadamente 900 trabalhadores próprios, em cada unidade costumam trabalhar 90 trabalhadores em regime de revezamento de turno. De acordo com os operadores, o grande número de afastamentos (75) criou outro grande problema. Em 2017, a refinaria com a finalidade de diminuir custos para possível venda, reduziu o efetivo de trabalhadores. Agora, com o afastamento dos operadores contaminados pelo vírus, muitas unidades estão gerando dobras de 24 horas e de até 36 horas, o que pode provocar acidentes a qualquer momento.

Entre os trabalhadores terceirizados, a estimativa, de acordo com denúncias que chegaram ao Sindipetro, é a de que 15 pessoas de uma das contratadas da refinaria foram diagnosticadas com o vírus da Covid-19.

Os trabalhadores denunciam também que a refinaria se recusa a fazer nova testagem naqueles que já contraíram a doença no ano passado. A preocupação deles é com a nova cepa do coronavírus que já chegou à Bahia. “Pode haver casos assintomáticos de reinfecção e propagação dessa nova cepa”, relatam os trabalhadores, preocupados com o que pode acontecer. A estatal também não fiscaliza as empresas terceirizadas, que transportam seus trabalhadores em ônibus lotados.

O coordenador da FUP, Deyvid Bacelar, publicou em seu perfil no Twitter um vídeo denunciando as condições dos trabalhadores na Rlam: 

Reunião sobre a parada de manutenção não teve avanço

Mesmo com o alto índice de contaminação pela Covid-19, a gerência da RLAM informou, em reunião que aconteceu na tarde dessa sexta-feira (26), com o Sindipetro Bahia, que vai manter a data da parada de manutenção na refinaria. Apesar de admitir que pela Norma Reguladora, a parada poderia ser adiada, os gerentes informaram que tomaram a decisão de mantê-la na data programada anteriormente, o dia 15/03, pois teriam informações de equipamentos que já estariam precisando de ações mais rápida, sem dizer quais são esses equipamentos. Eles também disseram que vão efetuar mudanças dos horários de entrada para os terceirizados, com aumento dos equipamentos de proteção e uso de álcool em gel e máscaras” e que estão aumentando a testagem.

O Sindipetro alertou que na atual situação nenhuma desas ações de proteção estancaria o problema, pois o nível de contaminação está muito alto. A entidade sindical informou também que enviou notificação formal à Petrobras para definir responsabilidades, pedindo a imediata suspensão.

Mas que diante da manifestação da empresa e da falta do avanço nas negociações, o sindicato já avisou em mesa que vai encaminhar denúncia contra a RLAM ao Ministério Público do Trabalho, ao Centro de Saúde do Trabalhador da Bahia Cesat) e à Superintendência Regional de Trabalho e Emprego, para que os órgãos públicos competentes tomem conhecimento dessa grave situação, e no uso de suas atribuições possam garantir o adiamento da parada de manutenção. Por fim, o Sindipetro lamentou a falta de avanço neste importante ponto da pauta de negociação, principalmente por tratar de saúde e segurança no meio ambiente de trabalho.

As investigações sobre o suicídio ocorrido nas instalações da Refinaria Landulpho Alves, na Bahia, estão longe de terminar.

A gestão da Petrobras se recusa a fornecer à polícia um computador que era usado pelo trabalhador e, segundo a família, era o meio de controle para manter o trabalhador ligado à refinaria 24h por dia, além dos celulares que foram apreendidos pela polícia onde a Petrobras monitorava o empregado.

O fato ocorreu em setembro do ano passado, mês do suicídio, e até o momento a polícia não consegue concluir o inquérito que apura as causas da morte devido às dificuldades de acesso aos pertences do trabalhador.

Além disso, a RLAM não forneceu à polícia nem ao sindicato, cópia da ata da CIPA que discutiu a morte, bem como não esclarece as informações dos outros trabalhadores possivelmente afastados por depressão.

O Sindipetro está verificando informações de que, após o suicídio, empregados estariam internando-se na clinica Holiste, especializada em saúde mental, e tomará providências quanto a possíveis subnotificações.

Qualquer outro suicídio ocorrido nas instalações da refinaria, não será surpresa para a Petrobras.

[Da imprensa do Sindipetro BA]

Publicado em SINDIPETRO-BA
Página 3 de 12

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.