O diretor executivo de relacionamento institucional da Petrobrás, Roberto Ardenghy, esteve em Salvador para conversar com o governado Rui Costa. Veio falar sobre as vendas, desmobilização e arrendamento de unidades da estatal na Bahia.

Uma de suas declarações à imprensa é chocante, pois revela que a atual direção da empresa não conhece a Petrobrás e não sabe nada da cadeia produtiva do petróleo. Ardenghy afirmou: “nós não temos expertise em fazer fertilizantes, nosso negócio é produzir petróleo em águas profundas”.

Como assim? Desde a década de 1970 que a Petrobrás fabrica fertilizantes através da antiga Nitrofértil Bahia e Nitrofértil Sergipe (hoje FAFEN) e de outras fábricas espalhadas pelo país, sendo que algumas delas foram privatizadas no governo Collor.

Mas o representante da direção da Petrobrás não parou por ai. Insistiu em propagar o seu desconhecimento ao justificar o arrendamento da FAFEN Bahia para o Grupo Unigel, a venda da RLam e dos campos maduros. Segundo Ardenghy “está saindo uma empresa que não tem capacidade de investimento, dando lugar para outras que chegam com apetite para investir e ganhar mercado”.

Historicamente está comprovado que a capacidade de investimento do estado, através das empresas estatais é infinitamente superior ao do setor privado, uma vez que as estatais não visam apenas o lucro, mas também o desenvolvimento econômico e social do país e das regiões onde atuam, além da geração de emprego e a garantia da soberania nacional. Já o setor privado só irá  fazer investimento se houver retorno efetivo de lucro.

Campos maduros

Em relação aos campos maduros, Ardenghy disse que não há mais interesse da empresa em muitos desses campos. A expectativa, é que em um período de 120 dias, 35 das 78 concessões terrestres da Petrobras na Bahia sejam vendidas, afirmou. A justificativa é que para manter os campos gasta-se muito e ganha-se pouco. Como isso pode ser verdade se há várias operadoras do setor privado interessadas na compra desses campos? O setor privado não  investe em nada sabendo que vai ter prejuízo.

RLAM 

Essas declarações do gestor da Petrobrás  foram dadas em matéria publicada no Correio da Bahia, nessa sexta, 13/12. Ao responder à pergunta do repórter sobre o porquê da  Landulpho Alves, uma das maiores unidades da estatal, ter sido colocada no pacote de venda, o executivo disse que a RLAM está fora da logística do pré-sal, longe do Rio de Janeiro e São Paulo, afirmando que a estrutura de refino do Sudeste é suficiente para processar a produção do pré-sal.

Queremos entender como a atual gestão da Petrobrás vai fazer essa mágica, pois as refinarias do Sudeste só têm capacidade para refinar cerca de 1 milhão de barris, enquanto o pré-sal  já produz 1 milhão e 700 mil barris de petróleo por dia. Seria como tentar colocar um litro de água em uma garrafa de 15 ml.

As afirmações do representante da gestão da Petrobrás mostram que tipo de gente está à frente da estatal: pessoas que não têm conhecimento sobre a história e capacidade da Petrobrás e que agem como se a estatal já estivesse privatizada.

No lugar de vir a Salvador “tranquilizar” os governantes, se realmente tivesse boa intenção, Ardenghy deveria ter conversado com os cerca de 17 mil funcionários da empresa e com o sindicato da categoria. A sua ida à capital baiana só contribuiu para deixar ainda mais intranquilos os trabalhadores que estão na iminência de perder seus empregos e direitos. A atual gestão da Petrobrás continua a desvalorizar e intimidar a sua força de trabalho.

Clique aqui para ler a matéria publicada no jornal Correio da Bahia

[Via Sindipetro Bahia]

Publicado em Sistema Petrobrás

Na sexta-feira (30/08) os trabalhadores da FAFEN-BA e da Braskem se assustaram com um odor muito forte de Amônia Anidra devido a um vazamento ocorrido durante os preparativos para a hibernação da Fábrica de Fertilizantes.

Apesar de estranhamente o alarme de emergência não ter soado, equipes de evacuação se dirigiram à portaria bem como para os fundos da fábrica, no portão que dá acesso à UTE-RA. O ex-coordenador de Meio Ambiente, Iury Costa, foi o monitor de uma dessas equipes.

A Braskem reclamou do odor por meio do rádio PAM, que é compartilhado por todas as indústrias do Polo Petroquímico de Camaçari. Parte do ADM 1 da Braskem foi esvaziado devido ao vazamento, segundo informações da Central de Comunicação da empresa.

O vazamento ocorreu numa bomba que faz o suprimento de Amônia aos clientes do Polo Petroquímico e os de Candeias. Devido ao vazamento a bomba teve que ser parada e isolada bem como houve interrupção emergencial do bombeamento reverso do Porto de Aratu desabastecendo indústrias como a Proquigel, Acrinor e Oxiteno. Parte da brigada da unidade atuou no controle do vazamento e, apesar do susto, ninguém se feriu.

Fonte – Sindipetro Bahia

 

Publicado em Sistema Petrobrás

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram