Sábado, 15 Fevereiro 2020 15:07

Sobre trajetórias e responsabilidade

Por Tadeu Porto, diretor da FUP e um dos integrantes da Comissão Permanente de Negociação, que ocupa uma sala do Edise desde 31/01

Certa vez, na primeira plataforma que embarquei na vida, presenciei, in loco, uma tubulação estourar e vazar muito gás. Era uma linha ligada ao "slop vessel" no Cellar Deck da unidade. Me lembro de como o supervisor do turno, como um raio, entrou na densa nuvem de gás e fechou a válvula que alimenta o vazamento. Ele não poderia ter feito isso, mas fez. Se tivesse alguma ignição, iria ele, eu e talvez a plataforma para o fundo do mar, como foi a P36.

Esse supervisor, chegou a virar coordenador, contudo não aguentou o assédio e saiu da empresa. A última vez que falei com ele, numa assembleia em Imbetiba, vi sua desmotivação enquanto me falava de sair do país.

Também vi sair da Petrobrás outro companheiro, um dos melhores cipistas que já presenciei. Ele tinha todas as pendências da P48 num caderno e queria resolver todos os problemas da plataforma. Dava gosto de ver ele autuar.

Uma vez ele me ligou pra informar um grande incêndio na unidade e me disse num tom de voz que misturava orgulho, alívio e medo: "todo mundo desceu pra combater". Foi um dos maiores incêndios dos últimos tempos, a equipe combateu durante horas e horas chamas lambendo a lateral da plataforma.

Falando em fogo, me recordei, com tristeza, de outro compa. Esse teve a perna esmagada por uma mangueira de incêndio ano passado. Ele é jovem, entrou no mesmo concurso que eu em 2010, e nunca mais terá a mesma mobilidade de antes.

Das lembranças que marcam, a mais forte é a do Sandro, o guindasteiro de PNA2 morto em um acidente de trabalho a bordo. Um dos momentos mais difíceis que vivi no sindicato. Sandro morreu "sugado" por um cabo, teve o corpo partido ao meio e ficou mais de 24h enroscado junto com o cabo no tambor do guindaste.

Já vi, vivi e ouvi muita coisa nessa década de Petrobrás. Talvez seja por isso que a gestão da empresa tente, junto ao TST, me fazer "responsável e solidário" a essa greve histórica que estamos fazendo.

Não entendo de direito e leis, sou operador de produção e não advogado. Mas me parece bem descabido colocar multas milionárias, nunca antes aplicadas na justiça do trabalho, junto a um CPF assalariado e CLTista.

O presidente da Petrobrás, Roberto Castello Branco, disse na Globo News que nenhum barril foi afetado pela greve. E mesmo assim quer nos processar.

Me lembrar dessa década, me fez pensar justamente na trajetória recente do Castello. Ele passou mais tempo no financeiro da Vale do que eu tenho de Petrobrás. Saiu da mineradora um ano antes do desastre de Mariana, tragédia que culminou na morte de dezoito pessoas e no desaparecimento de uma.

Minha alma de ferro itabirana e minha experiência sindicalista, me fazem querer entender. Acho que, talvez, Castello tenha economizado além da conta enquanto diretor financeiro da Vale. Acho que ele deveria ter investido mais em saúde, segurança e meio ambiente e pagado menos a acionistas. Se fosse assim, sua política poderia ter evitado essa e outras tragédias, como o de Brumadinho, uma grande tragédia ambiental e o maior acidente de trabalho da história do país, com mais de duzentas mortes confirmadas.

Mas não sei, não sou operador do direito, sou operador de produção. Sou também cidadão e achava, assim, que as mortes causadas pela Vale deveria ter mais atenção da justiça do trabalho que uma greve que "não afeta nenhum barril de petróleo".

Há trajetórias e, com elas, responsabilidades. A vida tratará de demonstrar as ligações lógicas entre essas. Hoje em dia, ocupando uma sala no Edise, minha consciência tranquila me faz dormir bem, mesmo que seja no chão que Castello pisa.

Publicado em Greve 2020

A hashtag #SomosTodosPetroleiros ocupa o primeiro lugar nos trending topics, a lista de assuntos mais comentados do Twitter, na tarde desta sexta-feira (14), com 10,7 mil menções até a publicação desta matéria.

“Agradecemos o apoio à greve dos petroleiros, que repercute nas redes, em ondas de solidariedade e de indignação diante da intolerância da Petrobras, que tenta criminalizar a nossa luta. #SomosTodosPetroleiros está entre os assuntos do momento. Juntos, somos mais fortes” postou o perfil da Federação Única dos Petroleiros (FUP) na rede social.

 

Um tuitaço em apoio à greve havia sido convocado para as 11h de hoje. Os posts se estenderam pela tarde, até a hashtag liderar os assuntos mais comentados.

Contra demissões

Ignorada pela grande mídia, a greve dos petroleiros está em seu 14º dia. Os sindicatos da FUP realizaram atos em várias unidades da Petrobras nesta sexta exigindo a suspensão imediata das demissões na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen-PR).

Pelo menos 144 trabalhadores da fábrica já receberam telegramas de convocação para comparecer a hotéis da região de Araucária, onde seriam feitas a partir de hoje as rescisões dos contratos de emprego, o que viola o Acordo Coletivo de Trabalho.

Acampados há 23 dias em frente à Fafen, trabalhadores queimaram os telegramas com os comunicados de demissão.

Apesar de decisões judiciais que buscaram restringir a greve, a mobilização dos petroleiros atingiu 113 unidades da Petrobras em 13 estados do país, com mais de 20 mil petroleiros engajados, conforme informou a FUP nesta quinta-feira (13).s grevistas reivindicam suspensão imediata das demissões na Fafen-PR, cancelamento de nova tabela de turno que foi imposta aos trabalhadores e restabelecimento das negociações para solução de pontos do acordo coletivo que estão sendo descumpridos pela empresa.

Siga a FUP nas redes e ajude na divulgação da greve

Twitter: @FUP_Brasil

Instagram: @fupbrasil

Facebook: @fupetroleiros

Divulgue as tags:

#SomosTodosPetroleiros

#GreveDosPetroleiros

#PetroleirosPelaSoberania

#PetroleirosPeloBrasil

[Via Portal Vermelho/Foto: Gibran Mendes]

Publicado em Greve 2020

Nesta sexta-feira, 14, quando os petroleiros completam 14 dias em greve nacional em todo o Sistema Petrobrás, os sindicatos da FUP realizaram atos em várias unidades da empresa exigindo a suspensão imediata das demissões na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen-PR).

Pelo menos 144 trabalhadores da fábrica já receberam telegramas de convocação para comparecer a hotéis da região de Araucária, onde seriam feitas a partir de hoje as rescisões dos contratos de emprego, o que viola o Acordo Coletivo de Trabalho.

Acampados há 25 dias em frente à Fafen, petroleiros e petroquímicos realizaram pela manhã um grande ato, denunciando mais essa arbitrariedade da gestão da Petrobrás. Os trabalhadores queimaram os telegramas com os comunicados de demissão.

Houve também protestos por todo o país, nas refinarias e em outras unidades que estão em greve.

A adesão dos trabalhadores ao movimento cresce diariamente e já mobiliza 116 unidades, em 13 estados do país.

Na tarde de quinta-feira, 13, os trabalhadores da P-57, plataforma do pré-sal que opera na Bacia do Espírito Santo, desembarcaram e se somaram à paralisação.

Na Bacia de Campos, mais duas plataformas também aderiram à greve: PNA-1 e a P-40. Já são 35 de um total de 39 plataformas da região que estão na luta para reverter as demissões na Fafen-PR.

FUP busca o diálogo, mas Petrobrás insiste no confronto

Em mais uma tentativa de abrir o diálogo com a gestão da Petrobrás, que resiste em negociar com as representações sindicais desde antes da greve, a FUP protocolou na quinta-feira (13) uma petição direcionada ao ministro Ives Gandra, do Tribunal Superior do Trabalho (TST). No documento, os petroleiros reforçam a disposição de buscar uma solução para o impasse, desde que a Petrobras suspenda imediatamente as demissões na Fafen-PR e as medidas unilaterais tomadas contra os trabalhadores e que levaram a categoria à greve.

“Com intransigência e demissões, a greve continuará crescendo e se fortalecendo. Entendemos que o papel da justiça do trabalho é preservar direitos e impedir o retrocesso social. Sempre estivemos abertos à negociação. Quem não quer negociar é a gestão da Petrobrás”, avisa o diretor da FUP, Deyvid Bacelar, um dos integrantes da Comissão Permanente de Negociação.

Pontos apresentados pela FUP na petição:

> Suspensão imediata das demissões na FAFEN-PR

> Cancelamento da nova tabela de turno que foi imposta pela gestão aos trabalhadores das unidades operacionais

> Restabelecimento das negociações para solução dos pontos do Acordo Coletivo que estão sendo descumpridos pela empresa

Comissão da FUP está há 15 dias no Edise 

No dia 31 de janeiro, véspera do início da greve dos petroleiros, cinco dirigentes sindicais se reuniram com a gestão de Recursos Humanos da Petrobrás em mais uma tentativa de reverter as demissões na Fafen-PR e as medidas unilaterais que contrariam o Acordo Coletivo de Trabalho. Desde então, os representantes da FUP aguardam dentro da sede da empresa uma resposta da gestão.

Já estão há 15 dias na mesma sala de reunião, resistindo às inúmeras tentativas de expulsão por parte da direção da Petrobrás, enfrentando dificuldades físicas e emocionais, na tentativa de abrir um canal de negociação com a empresa. 

Na noite de quinta-feira, 13, o diretor da FUP, José Genivaldo Silva, 58 anos, um dos cinco integrantes desta Comissão Permanente de Negociação, sofreu uma crise de hipertensão e teve que buscar ajuda médica fora do prédio. Sua pressão arterial chegou a 20 x 10, mesmo sob medicação. Ele está em observação médica e sua pressão já está controlada. A Comissão da FUP prossegue no Edise, com 4 integrantes.

Quadro nacional da greve – 14/02

56 plataformas

11 refinarias

23 terminais

7 campos terrestres

7 termelétricas

3 UTGs  

1 usina de biocombustível

1 fábrica de fertilizantes

1 fábrica de lubrificantes

1 usina de processamento de xisto

2 unidades industriais

3 bases administrativas

A greve em cada estado

Amazonas

Termelétrica de Jaraqui

Termelétrica de Tambaqui

Terminal de Coari (TACoari)

Refinaria de Manaus (Reman)

Ceará

Plataformas - 09 

Terminal de Mucuripe

Temelétrica TermoCeará

Fábrica de Lubrificantes do Nordeste (Lubnor)

Rio Grande do Norte

Plataformas – PUB-2 e PUB-3

Ativo Industrial de Guamaré (AIG)

Base 34 e Alto do Rodrigues - mobilizações parciais

Pernambuco

Refinaria Abreu e Lima (Rnest)

Terminal Aquaviário de Suape

Bahia

Terminal de Candeias

Terminal de Catu

UO-BA – 07 áreas de produção terrestre

Refinaria Landulpho Alves (Rlam)

Terminal Madre de Deus

Usina de Biocombustíveis de Candeias (PBIO)

Espírito Santo

Plataforma FPSO-57 e FPSO-58

Terminal Aquaviário de Barra do Riacho (TABR)

Terminal Aquaviário de Vitória (TEVIT)

Unidade de tratamento de Gás de Cacimbas (UTGC)

Sede administrativa da Base 61

Minas Gerais

Termelétrica de Ibirité (UTE-Ibirité)

Refinaria Gabriel Passos (Regap)

Rio de Janeiro

Plataformas – PNA1, PPM1, PNA2, PCE1, PGP1, PCH1, PCH2, P07, P09, P12, P15, P18, P19, P20, P25, P26, P31, P32, P33, P35, P37, P40, P43, P47, P48, P50, P51, P52, P53, P54, P55, P56, P61, P62, P63, P74, P76, P77 

Terminal de Cabiúnas, em Macaé (UTGCAB)

Terminal de Campos Elíseos (Tecam)

Termelétrica Governador Leonel Brizola (UTE-GLB)

Refinaria Duque de Caxias (Reduc)

Terminal Aquaviário da Bahia da Guanabara (TABG)

Terminal da Bahia de Ilha Grande (TEBIG)

Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj)

São Paulo

Terminal de São Caetano do Sul

Terminal de Guararema

Terminal de Barueri

Refinaria de Paulínia (Replan)

Refinaria de Capuava, em Mauá (Recap)

Refinaria Henrique Lages, em São José dos Campos (Revap)

Refinaria Presidente Bernardes, em Cubatão (RPBC)

Plataformas (04) - Mexilhão, P66, P67 e P69

Terminal de Alemoa

Terminal de São Sebastiao 

Unidade de Tratamento de Gás Monteiro Lobato (UTGCA)

Termelétria Cubatão (UTE Euzébio Rocha)

Torre Valongo - base administrativa da Petrobras em Santos

Terminal de Pilões

Mato Grosso do Sul

Termelétrica de Três Lagoas (UTE Luiz Carlos Prestes)

Paraná

Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar)

Unidade de Industrialização do Xisto (SIX)

Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (FafenPR/Ansa)

Terminal de Paranaguá (Tepar)

Santa Catarina

Terminal de Biguaçu (TEGUAÇU)

Terminal Terrestre de Itajaí (TEJAÍ)

Terminal de Guaramirim (Temirim)

Terminal de São Francisco do Sul (Tefran)

Base administrativa de Joinville (Ediville)

Rio Grande do Sul

Refinaria Alberto Pasqualini (Refap)

[FUP / Foto: Gibran Mendes/CUT-PR]

Publicado em Greve 2020

A Petrobrás tem o papel social de abastecer a população brasileira, mas a atual gestão da empresa quer mudar isso.

Já estamos há 13 dias em greve, tentando reverter as demissões em massa que atingem milhares de famílias de trabalhadores.

O fechamento de fábricas e a venda de refinarias aumentam o desemprego no país e pesam no bolso da população, que já sofre com os preços abusivos dos combustíveis.

O que queremos é garantir os empregos e preços justos para o gás de cozinha, a gasolina, o diesel.

A Petrobrás, no entanto, não aceita negociar com os sindicatos e tenta criminalizar a greve dos petroleiros, mentindo para o judiciário.

Buscamos cumprir as condições determinadas pela justiça, mas a atual gestão não quer permitir que assumamos os efetivos das unidades para aumentar a produção e reduzir os preços dos derivados de petróleo.

O objetivo do presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, é colocar a população contra nós, trabalhadores, culpando os grevistas por um possível desabastecimento que venha a ocorrer. Se isso acontece, a culpa é da intransigência dos gestores.

Por isso, alertamos a população para que fique atenta. A direção da Petrobrás poderá provocar de forma premeditada desabastecimentos em algumas regiões do país.

Não estamos em greve para desabastecer a população. Nossa greve é a favor do Brasil.

Lutamos por empregos e para que a Petrobrás cumpra o papel social para o qual foi criada: garantir o abastecimento de norte a sul do país, com preços justos para toda a população.

Junte-se a nós em defesa de uma Petrobrás a serviço do Povo Brasileiro. 


Rio de Janeiro, 13 de fevereiro de 2020

Federação Única dos Petroleiros - FUP

Publicado em Greve 2020

Quanto mais a direção da Petrobras aposta no conflito, criminalizando a greve dos petroleiros, mentindo para o judiciário e recusando-se a negociar com a FUP, mais a categoria fortalece o movimento nas bases.

Nesta quinta-feira, 13, somamos 113 unidades na greve, em 13 estados do país, com mais de 20 mil petroleiros mobilizados.

São 53 plataformas, 23 terminais, 11 refinarias e mais 23 outras unidades operacionais e 3 bases administrativas na greve, em todo o Sistema Petrobrás.

Na Bacia de Campos, houve adesões de três plataformas nesta quarta e quinta-feira. Até o momento, 33 de um total de 39 plataformas da região aderiram à luta nacional da categoria para reverter as demissões na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen-PR), cujos trabalhadores já estão recebendo telegramas, comunicando a dispensa.

Em Manaus, a greve também ganhou o reforço nesta quinta dos trabalhadores das termelétricas Jaraqui e Tambaqui.

Dia após dia, crescem as adesões espontâneas ao movimento, que também se amplia em apoio da sociedade.

Neste 13º dia de greve, os sindicatos da FUP realizam novas ações solidárias para que a população possa ter acesso a combustíveis, com preços justos.

No final da tarde, está prevista uma passeata no Centro do Rio de Janeiro em solidariedade à greve dos petroleiros e contra as privatizações em curso no país. 

 

Em Brasília, os petroleiros buscam apoios e interlocução dos parlamentares. Os presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre, se comprometeram a buscar uma saída para o impasse, junto ao governo e à direção da Petrobrás. 

Quadro nacional da greve – 13/02 

53 plataformas

11 refinarias

23 terminais

7 campos terrestres

7 termelétricas

3 UTGs  

1 usina de biocombustível

1 fábrica de fertilizantes

1 fábrica de lubrificantes

1 usina de processamento de xisto

2 unidades industriais

3 bases administrativas 

A greve em cada estado: 

Amazonas

Termelétrica de Jaraqui

Termelétrica de Tambaqui

Terminal de Coari (TACoari)

Refinaria de Manaus (Reman)

Ceará

Plataformas - 09 

Terminal de Mucuripe

Temelétrica TermoCeará

Fábrica de Lubrificantes do Nordeste (Lubnor)

Rio Grande do Norte

Plataformas – PUB-2 e PUB-3

Ativo Industrial de Guamaré (AIG)

Base 34 e Alto do Rodrigues - mobilizações parciais

Pernambuco

Refinaria Abreu e Lima (Rnest)

Terminal Aquaviário de Suape

Bahia

Terminal de Candeias

Terminal de Catu

UO-BA – 07 áreas de produção terrestre

Refinaria Landulpho Alves (Rlam)

Terminal Madre de Deus

Usina de Biocombustíveis de Candeias (PBIO)

Espírito Santo

Plataforma FPSO-58

Terminal Aquaviário de Barra do Riacho (TABR)

Terminal Aquaviário de Vitória (TEVIT)

Unidade de tratamento de Gás de Cacimbas (UTGC)

Sede administrativa da Base 61

Minas Gerais

Termelétrica de Ibirité (UTE-Ibirité)

Refinaria Gabriel Passos (Regap)

Rio de Janeiro

Plataformas (37) – PPM1, PNA2, PCE1, PGP1, PCH1, PCH2, P07, P09, P12, P15, P18, P19, P20, P25, P26, P31, P32, P33, P35, P37, P40, P43, P47, P48, P50, P51, P52, P53, P54, P55, P56, P61, P62, P63, P74, P76, P77 

Terminal de Cabiúnas, em Macaé (UTGCAB)

Terminal de Campos Elíseos (Tecam)

Termelétrica Governador Leonel Brizola (UTE-GLB)

Refinaria Duque de Caxias (Reduc)

Terminal Aquaviário da Bahia da Guanabara (TABG)

Terminal da Bahia de Ilha Grande (TEBIG)

Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj)

São Paulo

Terminal de São Caetano do Sul

Terminal de Guararema

Terminal de Barueri

Refinaria de Paulínia (Replan)

Refinaria de Capuava, em Mauá (Recap)

Refinaria Henrique Lages, em São José dos Campos (Revap)

Refinaria Presidente Bernardes, em Cubatão (RPBC)

Plataformas (04) - Mexilhão, P66, P67 e P69

Terminal de Alemoa

Terminal de São Sebastiao 

Unidade de Tratamento de Gás Monteiro Lobato (UTGCA)

Termelétria Cubatão (UTE Euzébio Rocha)

Torre Valongo - base administrativa da Petrobras em Santos

Terminal de Pilões

Mato Grosso do Sul

Termelétrica de Três Lagoas (UTE Luiz Carlos Prestes)

Paraná

Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar)

Unidade de Industrialização do Xisto (SIX)

Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (FafenPR/Ansa)

Terminal de Paranaguá (Tepar)

Santa Catarina

Terminal de Biguaçu (TEGUAÇU)

Terminal Terrestre de Itajaí (TEJAÍ)

Terminal de Guaramirim (Temirim)

Terminal de São Francisco do Sul (Tefran)

Base administrativa de Joinville (Ediville)

Rio Grande do Sul

Refinaria Alberto Pasqualini (Refap)

[FUP]

Publicado em Greve 2020

Enquanto a greve dos petroleiros se fortalece, com adesões em todo o país e apoio crescente de diversos setores da população, a gestão da Petrobrás insiste no impasse, recusando-se a negociar com a FUP e buscando, por vias tortuosas, criminalizar a luta legítima dos trabalhadores.

Como se não bastassem as recorrentes medidas arbitrárias e autoritárias que a empresa vem tomando contra a categoria, agora apelou para o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, na tentativa de asfixiar as entidades sindicais, com multas milionárias.

Toffoli suspendeu a decisão da Seção Especializada em Dissídios Coletivos (SDC) do Tribunal Superior do Trabalho (TST), que julgou inconstitucional a liminar do ministro Ives Gandra contra a greve dos petroleiros, no final de 2019.  Em novembro, às vésperas do movimento, ele proibiu antecipadamente a greve, determinando o bloqueio das contas da FUP e dos sindicatos, a suspensão do repasse das mensalidades dos associados, além da cobrança de multas que chegaram na época a R$ 32 milhões.

Levianamente, a direção da Petrobrás deturpou os fatos, forçando uma correlação da greve atual com a paralisação de 2019, através de uma narrativa mentirosa, que, além de confundir o judiciário, só aumenta o conflito estabelecido com os petroleiros.

A decisão de Ives Gandra em 2019 não determinava contingente mínimo de trabalhadores durante a greve. O objetivo era impedir liminarmente o exercício do direito de greve. Uma aberrante inconstitucionalidade e, por isso, foi derrubada pela SDC.

A FUP irá recorrer da decisão monocrática do ministro Dias Toffoli, contaminada por uma narrativa ardilosa construída pela Petrobrás. A Federação contestará a liminar, tanto por vias judiciais, como através de denúncias à Organização Internacional do Trabalho (OIT), pois afronta a liberdade sindical.

Os sindicatos estão cumprindo todos os procedimentos legais em relação à greve, desde antes de sua deflagração. O abastecimento de produtos essenciais à população brasileira está garantido e o movimento ocorre de forma espontânea.

A FUP continua buscando a negociação, como vem fazendo desde antes da greve, cobrando uma solução para o impasse criado pela Petrobrás. Quem não quer negociar é a empresa.

Os trabalhadores não se intimidarão.

A greve é um direito garantido a todos os brasileiros pela Constituição de 1988, dentre eles os petroleiros.

[FUP]

Publicado em Greve 2020

Dirigentes da FUP, da CUT e de sindicatos petroleiros realizaram na tarde desta quarta-feira, 12, uma importante reunião com os presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre. O encontro foi articulado por líderes de diversos partidos do campo progressista, que também participaram da conversa.

Os petroleiros explicaram o impasse criado pela gestão da Petrobrás, que tem se recusado a negociar com a FUP alternativas para evitar as demissões dos trabalhadores da Fafen-PR, bem como os demais pontos referentes ao descumprimento do Acordo Coletivo de Trabalho. 

A FUP e a CUT cobraram a intervenção dos parlamentares para que a gestão da Petrobrás abra um canal de diálogo com a Comissão Permanente de Negociação da FUP, que está há 13 dias buscando interlocução com a empresa. Os presidentes da Câmara e do Senado se comprometeram a buscar uma saída para o impasse, junto ao governo e à direção da Petrobrás.

Outra ação tirada na reunião com os petroleiros foi denunciar a gestão da Petrobrás por estar retalhando a empresa, transformando ativos em subsidiárias para, assim, continuar privatizando a estatal, sem autorização legislativa, como decidiu o Supremo Tribunal Federal (STF), no ano passado.

“Os presidentes da Câmara e do Senado vão recorrer ao Supremo para impedir que o governo aja ilegalmente para privatizar a Petrobras. O STF diz que a Petrobras só pode ser vendida com autorização legislativa, mas que as subsidiárias não precisam da autorização. A atual direção está criando subsidiárias artificialmente, retalhando a empresa para vender sem passar pelo Congresso”, afirmou o deputado federal Henrique Fontana (PT/RS), que participou da reunião.

A deputada federal Jandira Feghali (PCdoB/RJ), que também esteve presente ao encontro, comemorou o resultado da reunião. “É uma vitória dos trabalhadores mobilizados, das ocupações aguerridas, das ruas que pressionam e da política que constrói saídas rápidas”, declarou em seu perfil no Twitter.

[FUP]

Publicado em Greve 2020

Petroleiros têm cumprido todos os procedimentos legais em relação à greve, tanto no que diz respeito à busca de interlocução com a Petrobrás, quanto no atendimento das necessidades essenciais da população

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) e seus 13 sindicatos filiados, que representam mais de 100 mil petroleiros em todo o Brasil, vão recorrer da decisão monocrática do Ministro Dias Toffoli, Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), por meio de um agravo regimental (com pedido de reconsideração), com os seguintes argumentos:

> A FUP pede a reconsideração da decisão monocrática que suspendeu a eficácia do acórdão da Seção Especializada em Dissídios Coletivos (SDC) do Tribunal Superior do Trabalho. No ano passado, a SDC modificou uma decisão monocrática do ministro Ives Gandra Martins Filho, que proibia o regular exercício do direito de greve pelos petroleiros, antes mesmo da sua realização. E, ainda, estipulava pesadas multas para as entidades sindicais.

> A decisão do ministro Dias Toffoli baseia-se nas premissas de que houve o descumprimento da ordem do ministro Ives Gandra, proferida em novembro de 2019 e referente à paralisação do ano passado. E faz relação com a manutenção de 90% do efetivo em operação, decisão deste ano, também do ministro Ives Gandra. A questão é que o principal objetivo da decisão de Ives Gandra em 2019 não foi definir percentual mínimo de trabalhadores que deveria continuar trabalhando, mas impedir que a greve fosse deflagrada.

> Na ação ao STF, a Petrobrás tenta forçar uma correlação do atual movimento de greve com a paralisação de 2019, criando uma narrativa que a favorece e não condiz com a verdade.

> O atual movimento de greve é legítimo e legal, motivado pelo descumprimento do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) por parte da Petrobrás, tendo em vista a demissão em massa de trabalhadores da Fafen-PR.

> Importante frisar que a FUP e seus sindicatos têm cumprido todos os procedimentos legais em relação à greve, tanto no que diz respeito à busca de interlocução com a Petrobrás, quanto no atendimento das necessidades essenciais da população.

> Antes mesmo da deflagração do movimento paredista, os sindicatos já haviam se comprometido com a Petrobrás e com a própria sociedade de que NÃO HAVERIA DESABASTECIMENTO.

> A Petrobrás usa dois discursos para tratar da questão do desabastecimento da forma que melhor lhe convém. Nos autos dos processos, alega que há desabastecimento, e para a imprensa emite notas dizendo que a situação está normalizada. A FUP reitera que não há desabastecimento de combustíveis provocado pela greve dos petroleiros em nenhum estado da federação.

> Os sindicatos não estão realizando piquetes nas unidades. Inexiste quaisquer impedimentos para o livre trânsito de bens e pessoas no âmbito da Petrobrás e de suas subsidiárias.

> A participação dos trabalhadores na greve é espontânea e se dá pela indignação da categoria com as demissões na Fafen-PR e as medidas unilaterais tomadas pela gestão da Petrobrás, em descumprimento ao ACT. Por isso, a cada dia, crescem as adesões ao movimento.

> Não há riscos à produção e ao efetivo em relação à greve, conforme a própria Petrobrás vem anunciando de forma proativa na imprensa, que a empresa ‘opera em alta capacidade, apesar da greve’.

> É preciso acrescentar que a Petrobrás impediu trabalhadores da REPAR, SIX, REDUC e RLAM de trabalhar, fechando o portão e bloqueando o acesso dos profissionais, em violação à própria liminar por ela requerida e concedida pelo ministro Ives Gandra, sob pena de multa astronômica aos sindicatos.

> No dia 05/02/2020, em atendimento à determinação do ministro Ives Gandra, os sindicatos enviaram ofícios à Petrobrás solicitando informações sobre: (1) a quantidade de produtos necessários para o atendimento da necessidade inadiável da população, e (2) o número de trabalhadores para o cumprimento das cotas de produção.

> A FUP e seus sindicatos também questionaram a empresa sobre quantos trabalhadores são necessários para completar o efetivo de 90% determinado pelo ministro do TST.

> A gestão da Petrobrás, no entanto, até hoje não forneceu essas informações e continua se negando a negociar com a Comissão de Negociação Permanente da FUP, que está há treze dias dentro do edifício sede da empresa, cobrando a abertura de um canal de diálogo para buscar o atendimento das reivindicações dos trabalhadores em greve.

> A Petrobrás não tem legitimidade para ingressar com pedido de cautelar junto ao STF. Uma vez que a ação foi impetrada com base na Lei 8.437 de 1991, que dispõe sobre a concessão de medidas cautelares contra o Poder Público. Logo, não sendo “o requerimento do Ministério Público ou da pessoa jurídica de direito público interessada”, nem diretamente e sequer de forma equiparada, não há que se falar em legitimidade da Petrobrás para invocar a aplicação da norma. Uma vez que a empresa não é pessoa jurídica de direito público nem seu agente, tratando-se de uma sociedade de economia mista, classificada como pessoa jurídica de direito privado, ela não possui legitimidade para formular o requerimento.

Diante disso, a FUP e seus sindicatos irão recorrer da decisão, em defesa do legítimo direito do trabalhador à greve, garantido pelo artigo 9º da Constituição Federal e pela Lei de Greve (Lei 7.783/1989).

[FUP]

Publicado em Greve 2020

A greve iniciada em 1 de fevereiro chega ao seu décimo segundo dia com forte adesão dos técnicos de segurança. Pela primeira vez na história do Sindipetro-NF  cerca de 100 técnicos participam da greve.

A atuação desses profissionais na greve torna o movimento ainda mais forte impactando os trabalhos das unidades, porque são eles quem assessoram e assinam as Permissões para o Trabalho, além de todos os trabalhos diários realizados ao longo da quinzena (treinamentos, manutenção de equipamentos, planilhas…).

Em todos os movimentos anteriores sempre foram vítimas de grande pressão e assédio por conta da gestão. Dessa vez, o grupo se uniu aos outros trabalhadores, entendeu a importância da luta coletiva acima de tudo, convocou outros colegas e se somou à luta.

“É importante a conscientização de que a situação do fechamento de unidades e do desemprego está chegando cada vez mais perto de nós. Hoje choramos por um desconto no salário, mas amanhã podemos chorar pela falta dos nossos empregos” –  disse @ TS que está participando da greve

A diretoria do Sindipetro-NF chama todos TS que ainda não entraram no movimento, que venham se somar à categoria petroleira.  “Não podemos achar que estamos imunes ao que está acontecendo na nossa empresa. O momento agora é de lutar pelos nossos empregos, porque juntos somos mais fortes”  – argumentou @ TS, chamando os companheiros para a participação.

Via Sindipetro NF

Publicado em Greve 2020

Na corrida contra o tempo para impedir a demissão de mais de mil trabalhadores da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen-PR), de Araucária, no Paraná, o presidente nacional da CUT, Sérgio Nobre, o secretário de Comunicação da CUT, Roni Barbosa, e uma delegação de petroleiros fizeram uma série de conversas com ministros do Tribunal Superior do Trabalho (TST) nesta terça-feira (11).

A intenção é que o impasse entre a direção da Petrobras e a categoria, em greve há 11 dias, seja mediado pelo TST.

“Em um país que tenha o mínimo de democracia, esses tipos de conflitos têm que ser resolvidos na mesa de negociação. A Petrobrás não pode fazer o que tá fazendo, tomando medidas arbitrárias e autoritárias”, afirma Sérgio Nobre.

Para ele, a decisão da estatal de demitir os trabalhadores e fechar a Fafen é “perversa”. Segundo ele, “além de estar destruindo uma empresa determinante para o crescimento do Brasil, a Petrobras atinge trabalhadores que têm filhos que fazem tratamento de leucemia, por exemplo”.

“São trabalhadores com 10, 20, 30 anos de casa, que, se demitidos, muito certamente não conseguirão arrumar outro emprego”, afirma o presidente da CUT, lembrando que ainda existe o risco do governo de Jair Bolsonaro privatizar a Petrobras, a maior empresa estatal do Brasil.

O fechamento da Fafen, segundo a empresa, é consequência do aumento do preço da matéria prima utilizada pela fábrica, sendo que produto final não consegue cobrir esse valor. Entretanto, a matéria prima é repassada à Fafen-PR pela própria Petrobrás, sem qualquer prejuízo à estatal.

“A Petrobrás não foi construída para dar lucro, embora dê”, rebate Roni Barbosa, que também é petroleiro. Ele alerta que as demissões anunciadas pela Petrobrás vão impactar gravemente a economia local. “Não são só mil trabalhadores sem emprego. Esse número se transformará em 3, 4, 5 mil pessoas sem emprego, já que impacta diretamente no comércio e serviços da região”, explica.

Nesta quarta-feira (12), a CUT e a delegação de petroleiros seguirão articulando com outros interlocutores para tentar remediar a ação arbitrária da direção da Petrobrás. Estão agendadas reuniões com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre.

O que está por trás do fechamento da Fafen-PR

Ao contrário do que muita gente pensa, a Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná não produz apenas fertilizantes. Também são produzidos pela empresa ureia, enxofre, gás carbônico e metanol. Esses produtos são utilizados na indústria farmacêutica, na indústria química, em cosméticos, para ração animal e até mesmo para reduzir a emissão de poluentes.

“Hoje, a Fafen é a única fábrica do país a produzir esses compostos. A Fafen-Sergipe e a Fafen-Bahia foram arrendadas e não voltaram a produzir essas substâncias. E eles querem simplesmente fechar a Fafen-PR, não é nem vender. Com isso, vamos ficar totalmente dependentes do mercado internacional”, denuncia Gerson Castellano, dirigente da Federação Única dos Petroleiros (FUP) e técnico de manutenção da Fafen-PR há 18 anos.

“A resistência é o caminho para impedir esse processo criminoso, lesa pátria”, avalia Castellano.

[Via Brasília]

Publicado em Sistema Petrobrás
Página 6 de 15

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.