É mais um importante passo na luta da categoria petroleira, que está em greve há 19 dias contra as demissões e o fechamento da fábrica

O juiz Flávio Antônio da Cruz, da 11ª Vara Federal de Curitiba, determinou nesta quarta-feira, 19, que o Ministério Público Federal investigue os riscos para a soberania nacional, decorrentes do fechamento da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen). A denúncia foi apresentada por dirigentes do Sindiquímica-PR, que, através de uma Ação Popular, cobram a suspensão imediata da hibernação da unidade.

O fechamento da fábrica, a única que produz ureia pecuária no país, além de amônia ativa e Arla, insumos essenciais para o agronegócio e a indústria de componentes de motores automotivos, aumenta a desindustrialização e compromete a soberania nacional. Agricultores e pecuaristas ficarão ainda mais dependentes da importação destes insumos, o que refletirá no bolso do consumidor, que já sofre com o atual cenário de dólar alto.

Acionista integral da Araucária Nitrogenados, gestora da Fafen, a Petrobrás terá que responder por “lesividade ao patrimônio público, à soberania nacional, à função social da propriedade, ao consumidor e ao tratamento favorecido às pequenas empresas, bem como seu papel no desenvolvimento nacional e na redução na desigualdade social”, como cobram os autores da Ação.

No despacho concedido em favor de Caio Rocha da Silva e Reginaldo Fernando Lopes da Silva, trabalhadores da Fafen e dirigentes do Sindiquímica-PR, autores da Ação Popular, o juiz federal Flávio Antônio da Cruz cobra que sejam apuradas as denúncias de “que a ordem para interrupção do funcionamento da ANSA - Araucária Nitrogenados S/A seria ofensiva ao interesse do povo, dado comprometer o desenvolvimento da indústria nacional no setor de fertilizantes, ser agressiva à soberania da República Federativa do Brasil, ser contrária à superação de desigualdades sociais e regionais, dentre outras variáveis”.

Federação Única dos Petroleiros

Publicado em Sistema Petrobrás

Nesta terça-feira, 04, os trabalhadores das bases do Sindipetro Caxias após realizarem a avaliação diária da greve, saíram em um ônibus com aproximadamente 50 petroleiros da Refinaria de Duque de Caxias em destino ao Rio. Desta vez não ao Edifício Sede da Petrobrás, no centro, mas para Botafogo, na zona sul da cidade, onde somaram-se à greve dos trabalhadores da DATAPREV.

A FUP e seus sindicatos apoiam e se solidarizam com os trabalhadores e trabalhadoras da Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência (Dataprev), que estão em greve por tempo indeterminado em mais de 20 estados e no Distrito Federal desde o dia 21 de janeiro contra o anúncio da demissão de 494 trabalhadores e a decisão do governo de Jair Bolsonaro de privatizar a estatal.

Ainda hoje, às 17h, está prevista uma reunião no Ministério Público do Trabalho (MPT), que definirá os rumos dos trabalhadores. A categoria exige a realocação dos trabalhadores para agências do INSS, sucateadas desde o governo do ilegítimo Michel Temer, onde há falta de pessoal para atender a população que enfrenta meses de espera para receber benefícios previdenciários como aposentadoria, salário maternidade e auxílio-doença. A fila de espera já tem mais de dois milhões trabalhadores e trabalhadoras.

A Dataprev e o Serpro, as duas principais empresas nacionais de tecnologia da informação, junto com a Casa da Moeda, encabeçam a lista de privatização anunciada pelo governo Bolsonaro.

Contraproposta rejeitada

Uma contraproposta do governo oferece a realocação apenas dos trabalhadores da ativa, excluindo aposentados. A Federação Nacional dos Trabalhadores em Processamento de Dados (Fenadados), Associação Nacional dos Empregados da Dataprev (Aned), e sindicatos da categoria recusaram a proposta.

Segundo Jairo de Jesus, Secretário-Geral CUT Sergipe, primeiro estado a receber os comunicados de demissões dos trabalhadores, o fato de a Dataprev ter reconsiderado demissões, ainda que excluam os aposentados é “uma tentativa de rachar o movimento grevista. O dirigente enfatiza que o INSS precisa de gente capacitada e este é o caso dos aposentados que continuam trabalhando.

Demissões

As demissões já haviam sido comunicadas aos trabalhadores, mas a Dataprev foi obrigada a suspender o processo para cumprir a Lei de Greve (7.783/89), que proíbe demissões ou novas contratações para substituir os grevistas durante paralisações.

Estados

A Dataprev planeja encerrar até fevereiro as unidades do Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima e Tocantins.

[FUP e Sindipetro Caxias]

Publicado em Sistema Petrobrás

A FUP e seus sindicatos apoiam e se solidarizam com os trabalhadores e trabalhadoras da Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência (Dataprev), que estão em greve por tempo indeterminado em mais de 20 estados e no Distrito Federal.

A paralisação ocorre em resposta ao processo de privatização da empresa, que é é responsável pela administração do sistema que processa todo o funcionamento da Previdência Social, desde o pagamento de mais de 34 milhões de benefícios previdenciários, a concessão de benefícios e o próprio funcionamento informatizado e interligado do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), além do Sistema Nacional de Emprego (Sine).

O governo Bolsonaro anunciou o fechamento de 20 unidades da Dataprev e a demissão de mais de três mil trabalhadores, que estão sendo coagidos a aderirem compulsoriamente ao Programa de Adequação de Quadros (PAQ).

Segundo a categoria, cerca de 500 funcionários já foram demitidos, quando poderiam ter sido realocados para o INSS, que está com atrasos de quase dois milhões de pedidos de aposentadoria e benefícios, por conta das mudanças causadas pela reforma da Previdência.

Em vez de buscar reforços de trabalhadores especializados, o governo anunciou a contratação temporária de 7 mil militares, o que poderá aumentar ainda mais as filas gigantescas. 

 

O fechamento das regionais da Dataprev e a demissão em massa na empresa ocorrem em meio a esse contexto e às denúncias da categoria sobre os ricos que a população correrá com a privatização da empresa.  Saiba mais: http://salveseusdados.com.br/

A Dataprev e o Serpro, as duas principais empresas nacionais de tecnologia da informação, junto com a Casa da Moeda, encabeçam a lista de privatização anunciada pelo governo Bolsonaro.

Os petroleiros, que aprovaram o indicativo da FUP de greve por tempo indeterminado, a partir de 01/02, manifestam total solidariedade aos trabalhadores e às trabalhadoras destas estatais, que, assim como a nossa categoria, lutam contra as demissões e o desmonte que o atual governo vem fazendo no setor público, privatizando empresas estratégicas para a soberania nacional.

Juntos, somos mais fortes.

Privatizar faz mal ao BRasil.

#EstataisResistem

Rio de Janeiro, 28/01/2020

Federação Única dos Petroleiros - FUP

 

Publicado em Trabalho

O ataque aos trabalhadores não para. No último mês, o governo Bolsonaro anunciou o fechamento de 20 unidades da Dataprev e a demissão de mais de três mil trabalhadores, que estão sendo coagidos a aderirem compulsoriamente ao Programa de Adequação de Quadros (PAQ).

Por conta disso, os profissionais decidiram entrar em greve na sede da empresa, em Brasília, e em várias regionais espalhadas pelo país.

Na Bahia, em Pernambuco, no Rio Grande do Sul e em Sergipe, a greve já começou.

No Distrito Federal a paralisação vai começar na próxima segunda-feira (27). 

No Rio de Janeiro, a greve foi aprovada em assembleias realizadas quinta-feira (23) nas unidades Álvaro Rodrigues e Cosme Velho. Os trabalhadores irão parar por tempo indeterminado a partir de terça-feira, dia 28 de janeiro.

Os petroleiros, que estão aprovando em assembleias o indicativo da FUP de greve por tempo indeterminado, a partir de 01/02, se solidarizam com os companheiros da Dataprev, que, assim como nossa categoria, lutam contra as demissões e o desmonte que o atual governo vem fazendo no setor público, privatizando empresas estratégicas para a soberania nacional.

A Dataprev e o Serpro, as duas principais empresas estatais de tecnologia da informação, estão sendo arbitrariamente privatizadas e seus trabalhadores, demitidos.

Criada em 1974, a Dataprev é responsável pela administração do sistema que processa todo o funcionamento da Previdência Social, desde o pagamento de mais de 34 milhões de benefícios previdenciários, a concessão de benefícios e o próprio funcionamento informatizado e interligado do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), além do Sistema Nacional de Emprego (Sine).

Edson Simões, secretário-geral do Sindicato dos Empregados de Empresas de Processamento de Dados do Distrito Federal (Sindpd), avalia que a população vai ser prejudicada e o país vai empobrecer cada vez mais com as privatizações. “É um processo que está iniciado há muito tempo. Esse trem, ele não para. Está a todo momento andando, avançando. O governo vai fazer tudo para colocar a população contra os trabalhadores, para respaldar as ações dele”, afirmou. 

Já o diretor da Federação Nacional dos Empregados em Empresas e Órgãos Públicos e Privados de Processamento de Dados, Serviços de Informática e Similares (Fenadados), Eudes da Silva, destacou que o governo Bolsonaro “está atropelando tudo, não está dialogando com a representação dos trabalhadores”. Um dos motivos da greve é que a Fazenda Nacional deu sinal verde para a privatização da Dataprev. Na quarta-feira foi publicada uma portaria no Diário Oficial da União determinando que a Secretaria Nacional de Desestatização, sob chefia de Salim Mattar, deve seguir as regras aprovadas pelo conselho.

Em entrevista recente à Rádio Gaúcha, Mattar acusou os trabalhadores do Serpro e da Dataprev de venderem os dados da população. Sem apresentar qualquer prova, o secretário disse: “Empresa estatal não funciona bem. Você verifique que os nossos dados estão sendo vendidos pelos servidores públicos dessas estatais (Serpro e Dataprev). Então nós temos que privatizar porque, se privatizar, tem legislação, poderemos processar essas pessoas, é muito diferente”.

Confira a reportagem da TVT

[Com informações da Rede Brasil Atual e do Sindpd-RJ | Foto: Sindpd-RJ ]

Publicado em Trabalho

Para dar uma reposta à altura de que os trabalhadores dos Correios não aceitam a privatização da empresa, nem a retirada de direitos e benefícios, os sindicatos filiados a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios, Telégrafos e Similares (Fentect), decidiram decretar greve geral por tempo indeterminado a partir das 22 horas do próximo dia 10 de setembro (terça-feira). O horário noturno é em razão de várias assembleias serem  realizadas pelos sindicatos filiados a Fentect, no último turno dos trabalhadores que se inicia às 22h.

O secretário geral da Fentect, José Rivaldo da Silva, conta que o desmonte dos Correios, num claro sinal de que o governo de Jair Bolsonaro (PSL) quer privatizar a empresa às custas dos trabalhadores e das trabalhadoras, para entregá-la ao capital estrangeiro com menor custo, foi dado com a decisão da direção da empresa em suspender as negociações de um novo acordo coletivo, mesmo após o Tribunal Superior do Trabalho (TST) ter sugerido a prorrogação das negociações por mais 30 dias.

“Já cortaram o convênio médico dos nossos pais e mães. Eles querem empobrecer a categoria e deixar a empresa mais barata para facilitar o processo de privatização. Por isso, definimos pela greve geral para enfrentar o governo Bolsonaro e construir a resistência”, afirma José Rivaldo.

A direção dos Correios se recusa a manter os mesmos benefícios da categoria do último acordo coletivo, que venceu em 1º de agosto. A empresa quer retirar tudo que o que está “a mais” do que manda a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). São eles:

Percentual sobre férias - Os trabalhadores dos Correios recebem 70% a mais sobre os salários no período de férias. A CLT exige 40%.

Ticket refeição - Atualmente cobre 26 dias do mês. Os trabalhadores recebem um talão extra no fim de ano que eles chamam de “ticket peru de Natal” e um talão a mais no período das férias. A empresa quer retirar os dois talões extras e oferece tickets refeição apenas para os dias trabalhados de segunda a sexta, o que reduz a média para 22 tickets ao mês.

Fim do auxílio creche e aumento do plano de saúde - O atual percentual do plano de saúde é dividido em 70% de participação da empresa e 30% dos trabalhadores. A direção oferece uma contrapartida de 60% e quer aumentar para 40% a participação dos trabalhadores. Acaba o auxílio creche.

Atualmente os Correios têm 99 mil trabalhadores. O auge foi em 2010 com 128 mil, mas após diversos planos de demissão voluntária, que se intensificou no governo ilegítimo de Michel Temer (MDB/SP), o déficit hoje está em 40 mil.

“Estamos conseguindo manter o funcionamento da empresa, mas não com o mesmo padrão de excelência, por falta de gente. Hoje um carteiro ganha um salário inicial de R$ 1.729,06 para trabalhar 8 horas por dia, andando de 6 a 8 quilômetros, carregando nas costas entre 30 a 40 quilos de correspondência. Retirar os benefícios vai deixar a profissão menos atrativa”, critica o secretário geral da Fentect.

[Via CUT]

Publicado em Trabalho

Em assembleia realizada nesta terça-feira (19), os metalúrgicos e metalúrgicas da Ford decidiram entrar em greve imediatamente contra o anúncio inesperado de fechamento da fábrica que produz caminhões em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, em novembro deste ano. Uma nova assembleia para encaminhar os próximos passos da luta ocorrerá na próxima terça-feira (26).

"Nós lutamos, fizemos de tudo para que isso não ocorresse. E não dá para ter uma notícia dessa e achar que dá para continuar trabalhando. Precisamos ir todos para a casa e retornar na semana que vem. Até lá é greve", disse José Quixabeira de Anchieta, coordenador-geral do Comitê Sindical na Ford.

Segundo o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Wagner Santana, o Wagnão, a notícia foi recebida com indignação e revolta. "Em janeiro fizemos uma assembleia na portaria da fábrica, decretamos o estado de luta e pedimos que uma reunião acontecesse para que a Ford deixasse claro qual era a sua real intenção em relação a planta de São Bernardo do Campo".

"E hoje nos deparamos com o anúncio de que ela encerrará as suas atividades ainda este ano. Anúncio este que não considera cada trabalhador e trabalhadora direto ou indireto, aqueles que serão atingidos diretamente por uma empresa que quer visar o lucro somente", critica Wagnão.

"Nós não desistimos de que essa planta se mantenha aqui na região. Nós não aceitamos esse anúncio. E vamos fazer a luta necessária para reverter essa decisão".

É o que reforça o presidente da Confederação Nacional dos Metalúrgicos (CNM), Paulo Cayres, que também é trabalhador da Ford. "Fomos pegos de surpresa com essa forma irresponsável que a Ford utilizou para anunciar o fechamento da fábrica". 

"Faremos o que sabemos fazer de melhor: a luta. Lutaremos até o final pelos nossos empregos e direitos. E assim como fizemos em 1998, quando a Ford teve uma atitude irresponsável semelhante, lutaremos para reverter esse quadro e garantir os empregos dos metalúrgicos e metalúrgicas".

O anúncio

Em nota, a montadora alega que a crise econômica inviabiliza a continuidade da produção na cidade. Com a decisão, cerca de 3.200 trabalhadores diretos e cerca de mil terceirizados serão demitidos. A decisão foi tomada na sede dos Estados Unidos e comunicada hoje (19) à unidade de São Bernardo. Sindicalistas estão reunidos para definir o que fazer na tentativa de evitar o fechamento da fábrica.

De acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, os modelos de carros mais novos estão sendo produzidos na unidade de Camaçari, na Bahia. Assim, a fábrica de São Bernardo ficou com parte de sua capacidade ociosa. O que poderia ser resolvido com a produção de um novo modelo na planta, o que estava em processo de negociação.

Segundo acordo coletivo de 2017 haveria período de negociação para a retomada dos investimentos pela Ford São Bernardo. Mas, desde então, não houve nada efetivo por parte da direção.

De lá para cá, cerca de mil trabalhadores saíram por meio de PDV. Desde janeiro deste ano, os metalúrgicos começaram a realizar assembleias internas para cobrar da direção da montadora a retomada de investimentos na unidade de São Bernardo do Campo.

Planta que responde pela fabricação de caminhões e do veículo compacto Fiesta emprega 3.200 trabalhadores, que devem ser demitidos. Impacto na cadeia do setor pode 'custar' também 10 mil empregos.

Confira a nota da FORD

[Com informações da CUT e da Rede Brasil Atual]

Publicado em Trabalho

A greve no sistema Eletrobrás entra na sua segunda semana. Os trabalhadores e trabalhadoras querem a definição do pagamento da PLR (participação nos lucros e resultados) relativa a 2014.

As empresas que compõem o grupo, que somam 22 mil trabalhadores, tiveram resultados operacionais positivos no ano passado. Resultados operacionais referem-se ao aumento da produção, transmissão e distribuição de energia elétrica.

Porém, o conjunto dos resultados financeiros (lucros e dividendos) foi negativo, em grande parte, segundo a FNU-CUT (Federação Nacional dos Urbanitários), que representa a categoria, por causa da redução das tarifas decidida em 2012 e a posterior diminuição da quantidade de águas nas represas.

 “A diminuição dos resultados financeiros não é responsabilidade dos trabalhadores. A produtividade cresceu, então precisamos discutir uma forma de remuneração extra pelo nosso trabalho”, explica Fernando Pereira, coordenador de Energia na FNU.

Outro ponto destacado pelo dirigente é que os resultados operacionais aumentaram apesar de o número de trabalhadores do sistema ter diminuído. Entre 2013 e 2014, 5 mil funcionários foram desligados através de um programa de demissão voluntária.

Reunião de 10 horas
No último dia 2, representantes da FNU e do sistema Eletrobrás realizaram reunião de negociação que durou 10 horas, em Brasília. Além da PLR deste ano, os trabalhadores querem que seja firmado termo para uma regra de transição que defina como ela será paga entre 2015 e 2017. Tal regra deve considerar cenários diferentes: quando houver aumento das três variáveis – lucros, dividendos e resultados operacionais – ou quando houver aumento em apenas duas ou uma das variáveis.

O pior cenário, que seria a queda das três variáveis, representaria o “apagão”, explica Pereira. “Se não houver aumento dos resultados operacionais, a produção de energia teria caído, o que produziria o caos”, explica o dirigente da FNU.  “Então, esse cenário nem consideramos”, completa ele.

Em 2018, haveria uma regra definitiva. Atualmente, a PLR precisa ser discutida ano a ano, e sempre em cima da hora.

Repasse de R$ 18 bilhões
Além disso, o governo federal tem R$ 18 bilhões, em recursos do Tesouro Nacional, a repassar para as empresas do sistema Eletrobrás como forma de cobrir perdas causadas por contratos deficitários ou pela redução das tarifas.

“Reivindicamos que esses R$ 18 bilhões, mesmo que não possam ser repassados de uma única vez, sejam injetados nas empresas aos poucos. Enquanto isso, é importante que as empresas tenham novos planos de operação para melhorar os resultados financeiros”, diz Pereira.

Esse mecanismo de repasse já estava previsto no momento em que foi decidida a redução das tarifas. É também utilizado quando certos leilões, que não interessam à iniciativa privada por não serem lucrativos, são assumidos pelas companhias energéticas do sistema para que certas regiões do País não fiquem desassistidas. Neste caso, trata-se da aplicação do conceito do Estado como cumpridor de função social.

A FNU aguarda uma proposta da Eletrobrás e do Ministério das Minas e Energia até o final desta semana, como ficou acertado ao final da reunião do último dia 2.

Como é a greve na Eletrobrás
A greve no sistema Eletrobrás funciona com a ampliação dos turnos de trabalho de quem atua nas áreas operacionais. Normalmente, os turnos são trocados de seis em seis horas. No início desta greve, dia 1º de junho, o turno foi elevado para 24 horas. Desde o dia 8, o turno passou a ser de 12 horas.

“A ampliação dos turnos coloca a empresa em alerta, pois o pessoal operacional, permanecendo mais tempo no local de trabalho, fica cansado. Então, no caso de necessitar de um reparo numa linha, por exemplo, o serviço pode ser mais lento e então a reposição do sistema demoraria mais tempo que o normal em determinada localidade”, explica Pereira.

Portanto, é uma greve em que os trabalhadores acabam trabalhando mais que o cotidiano. Isso porque, explica a FNU, o serviço não pode simplesmente ser abandonado, uma vez que não pode haver falta total de energia elétrica para o setor produtivo nem para as residências. “Isso demonstra a responsabilidade que os dirigentes e os trabalhadores têm para com o País”, encerra Pereira.

Fonte: CUT

Publicado em GREVES

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram