Sem avanço nas negociações do Acordo Coletivo de Trabalho, trabalhadores da RCS das bases do Canto do Amaro e Fazenda Belém, entram em greve por tempo indeterminado a partir desta segunda, 23.

A mobilização teve início às 7 horas na subsede do SINDIPETRO-RN em Mossoró e reuniu dezenas de trabalhadores e dirigentes sindicais, entre eles Eufrásio Paulino e Manoel Assunção. Durante a assembleia o advogado do sindicato, Dr. Mário Jácome, reforçou a legitimidade da greve e assegurou que nenhum direito do movimento paredista está sendo infligido.

Mário ainda comentou sobre as consequências da reforma trabalhista; da reforma da previdência e tirou dúvidas sobre a Lei de Greve(LEI Nº 7.783, DE 28 DE JUNHO DE 1989), assegurada pela Constituição Federal.

Na última quinta-feira, 19, a Diretoria do SINDIPETRO-RN emitiu um comunicado sobre a deflagração da greve para a direção da RCS, obedecendo o prazo de 72 horas exigido pela justiça do trabalho. O movimento também está assegurando o contingente mínimo de 30% dos serviços essenciais.

A direção do SINDIPETRO-RN ressalta que está aberta ao diálogo com a empresa para negociar uma proposta que atenda as reivindicações da categoria. Sem essa prerrogativa, a greve continua.

As assembleias da greve vão acontecer durante toda semana a partir das 7 horas na subsede do sindicato em Mossoró. O sindicato assegura que todas as medidas de segurança estão sendo tomadas para evitar a proliferação da COVID 19. Todos os trabalhadores e trabalhadoras estão convidados a fortalecer o movimento.

Denúncia: chegou ao conhecimento da diretoria do SINDIPETRO-RN que à RCS estaria articulando uma possível mudança de representação sindical no RN. A ação arbitrária é uma afronta à história de lutas do Sindicato dos Petroleiros que há anos segue sendo representante legal da categoria petroleira potiguar. Esse tipo de ação não nos amedronta! Vamos continuar lutando e defendendo os direitos dos trabalhadores e trabalhadoras.

[Da imprensa do Sindipetro-RN]