×

Atenção

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 66

Três meses após Jair Bolsonaro assumir o governo, o desânimo e a insatisfação tomaram conta dos brasileiros. De acordo com a pesquisa Vox populi, encomendada pela CUT, o percentual de brasileiros insatisfeitos com relação ao Brasil subiu de 46% para 70%, entre setembro do ano passado, antes da eleição,  e abril deste ano, após cem dias de mandato de Bolsonaro. 

Do total, 53% declararam estar insatisfeitos e 17% muito insatisfeitos. Outros 26% disseram que estão satisfeitos, somente 2% muito satisfeitos e 2% não souberam ou não quiseram responder.

A pesquisa utilizou uma amostra nacional com 1.985 entrevistas, aplicadas em 120 municípios do país.

Entre os entrevistados que se consideram anti-Bolsonaro, o percentual de insatisfação é maior do que a média geral: 55% estão insatisfeitos e 26% muito insatisfeitos, totalizando 81% de insatisfação com o Brasil.

A insatisfação com o Brasil é grande até entre os que se declararam apoiadores de Bolsonaro: 44% estão insatisfeitos e 10% muito insatisfeitos – 54% no total.

As piores medidas

Entre as propostas do governo mais reprovadas pela população estão a diminuição dos direitos trabalhistas, com 73% de reprovação; o fim do aumento real do salário mínimo, reprovado por 68% dos brasileiros; e a reforma da Previdência (65% são contra).

O acúmulo de notícias ruins na área econômica aumentou o medo de perder o emprego e também o de não conseguir se aposentar e, consequentemente, cresce a cada dia a insatisfação com o Brasil e com os rumos que o país está tomando, na avaliação do presidente da CUT, Vagner Freitas.

Ele se refere a notícias recentes como a sexta redução da estimativa de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país – que caiu de 1,98% para 1,97% este ano; a queda no Índice de Confiança da Indústria, medido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), que recuou 1,8 ponto de fevereiro para março - indicador caiu para 97,2 pontos, em uma escala de zero a 200, o menor nível desde dezembro passado; e os recordes de desemprego – em fevereiro país tinha 13,1 milhões de trabalhadores.

“É impossível estar satisfeito com essa conjuntura, com a paralisia da economia. Alie a isso as propostas do governo Bolsonaro - todas tiram direitos sociais e trabalhistas da classe trabalhadora e beneficiam os empresários - e está criado o quadro de insatisfação".

“As pessoas estão perdendo as esperanças de uma recolocação, de um emprego decente, de uma vida melhor. Isso é o resultado dos cem dias de desgoverno Bolsonaro”, diz Vagner.

As chances da vida melhorar

Logo após as eleições, em outubro de 2018, 56% dos brasileiros acreditavam que suas vidas e a de suas famílias iriam melhorar. Após três meses de governo Bolsonaro, esse número despencou para 22%, revela a última rodada da pesquisa CUT/Vox Populi.

Os percentuais dos que tinham esperança de uma vida melhor despencaram também entre os pró-Bolsonaro após cem dias de governo. Apenas 44% ainda têm expectativas positivas – em outubro o índice era de 85%. Outros 7% acham que a vida vai piorar e 49% que vai ficar tudo como está.

Os anti-Bolsonaro estão ainda mais pessimistas. A vida piorou para 52% dos entrevistados; melhorou para 7% e ficou igual para 40%.

Apesar da piora na expectativa após três meses de gestão, os brasileiros ainda acham que tudo pode mudar até o fim do ano. Segundo a CUT-Vox, 55% acham que até o fim de 2019 as suas vidas e as de suas famílias vão melhorar; 18% aposta na piora; e 27% que vai ficar tudo igual.

Entre os anti-Bolsonaro, os percentuais são: 27% acreditam em melhora, 40% em piora e 33% acham que vai ficar tudo igual.

Entre os pró-Bolsonaro, as expectativas aumentam ainda mais: 82% acreditam que até o fim do ano a vida vai melhorar; 16% que vai ficar igual e apenas 3% que vai piorar.

Governo irrelevante

Um dado da pesquisa chamou a atenção do diretor-presidente da Vox Populi, Marcos Coimbra: cerca de 60% dos entrevistados não lembram nada do que Bolsonaro fez desde que assumiu o governo no dia 1º de janeiro, nem uma notícia.

E dos 40% que citaram algo, a maioria falou sobre a reforma da Previdência, que dificulta a concessão da aposentadoria e reduz o valor dos benefícios, e a liberação de armas.

Para Coimbra, as pessoas não estão se informando sobre como as medidas do governo, a falta de articulação política e as indefinições e brigas internas em áreas importantes como a Educação, afetam suas vidas. Estão bem longe do debate em redes sociais como o Twitter, avalia.

 

Acesse aqui a íntegra da pesquisa

[Com informações da CUT]

Publicado em Política

Em reunião da Comissão de AMS, realizada nesta quarta-feira, 20, à tarde, a FUP tornou a cobrar da Petrobrás um posicionamento sobre as resoluções 22 e 23 da Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da União (CGPAR). Emitidas no ano passado, as resoluções alteram as regras dos programas de saúde geridos por empresas estatais federais, prejudicando milhares de trabalhadores.

A Petrobrás informou que já apresentou à Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (SEST) um parecer jurídico externo, que orienta a empresa sobre como proceder em relação às resoluções da CGPAR.

Os representantes da Petrobrás informaram que pretendem detalhar essa questão para os trabalhadores nas próximas semanas, mas reiteraram que até o término de vigência do atual Acordo Coletivo, 31 de agosto, não haverá alterações na AMS. Após essa data, o RH informou que o entendimento da empresa é de respeitar o direito adquirido dos aposentados e pensionistas, seguindo norma da Agência Nacional de Saúde (RN 279).

A FUP reforçou as preocupações dos trabalhadores com o futuro da AMS, questionando o fato da Petrobrás não ter citado o plano de saúde no edital do último concurso público, o que deixa a entender que não oferecerá esse benefício aos novos empregados. A Petrobrás informou que por enquanto não existe qualquer orientação da gestão neste sentido e que as mudanças na AMS serão discutidas durante a campanha reivindicatória.

Dados da AMS

A Petrobrás fez uma apresentação com dados recentes da AMS, que atende hoje 287.546 beneficiários e tem uma rede com 18.070 credenciados. A FUP cobrou o detalhamento da relação de custo e custeio por faixa etária e por segmento (Grande Risco, Pequeno Risco, PAE, Plano 28 e Benefício Farmácia). Foi também solicitado o custo total da AMS, referente aos últimos cinco anos.

Dificuldades de atendimento

Mais uma vez, a FUP relatou diversos problemas que os beneficiários vêm enfrentando, principalmente, no atendimento em clínicas e hospitais, o que reforça a necessidade de novos credenciamentos.

Os usuários continuam enfrentando dificuldades nas análises e autorizações para realização de procedimentos, bem como descredenciamentos e suspensão de atendimentos na rede credenciada. A FUP tornou a cobrar solução para esses e outros problemas operacionais da AMS.

Outro ponto cobrado pela FUP foi a implantação do Programa Coração Saudável, garantido pelo atual Acordo Coletivo, mas que até agora ainda não foi implementado pela empresa.

Problemas na operação da AMS

Foi novamente solicitado à Petrobrás que disponibilize mais informações sobre o contrato com a empresa Gama/CRC, que é responsável pela operação da AMS. A FUP cobrou dados atualizados sobre atendimentos realizados, implantação do novo sistema de informática, número de procedimentos autorizados e negados, valor da glosas realizadas, quantitativo de credenciamentos e descredenciamentos por localidade, entre outras informações.

Inadimplência

A FUP voltou a cobrar uma solução para os problemas de inadimplência dos beneficiários aposentados e pensionistas do Plano Petros 2, que somente podem pagar a AMS através de boleto bancário, devido a incompatibilidade entre os sistemas de informática da Petrobrás e da Petros.

Outra situação que a FUP ressaltou que precisa ser resolvida é a dos beneficiários que tiveram a renda comprometida pelo Plano de Equacionamento do Déficit do PPSP, imposto pela Petros.

Os representantes da Petrobrás se comprometeram a apresentar um relatório detalhado sobre essas inadimplências e propor soluções para que os beneficiários da AMS não sejam prejudicados.

[FUP]

Publicado em Sistema Petrobrás

A Confederação Nacional dos Municípios (CNM) alertou, em nota, que a saída dos 8,5 mil profissionais cubanos do Programa Mais Médicos poderá deixar mais de 28 milhões de brasileiros sem assistência de saúde. "A saída desses médicos sem a garantia de outros profissionais pode gerar a desassistência básica de saúde a mais de 28 milhões de pessoas", diz trecho da nota assinada pelo presidente da CNM, Glademir Aroldi.

"O Programa Mais Médicos demonstrou ser uma das principais conquistas do movimento municipalista frente à dificuldade de realizar a atenção básica, com a interiorização e a fixação de profissionais médicos em regiões onde há escassez ou ausência desses profissionais", disse outro trecho da nota CNM.

Os médicos cubanos estão presentes atualmente em mais de três mil municípios brasileiros em áreas com baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), zonas rurais, municípios pequenos, comunidades indígenas e locais de difícil acesso, além de áreas conflagradas nos grandes centros urbanos.

O governo cubano determinou o retorno dos profissionais para o país em função das declarações do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) que colocou em dúvida a formação dos médicos cubanos que atuam no programa, além de ter feito uma série de exigências para que eles continuassem atuando.

Levantamento feito pelo Ministério da Saúde do Brasil, divulgado em 2016, aponta que o Mais Médicos, em municípios com até 10 mil habitantes, é responsável por 48% das equipes de Atenção Básica. E, no caso de 1.100 municípios, representa 100% da cobertura de Atenção Básica.

A avaliação da população sobre o programa também é positiva. Pesquisa realizada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) identificou 95% dos usuários satisfeitos ou muito satisfeitos com a atuação dos profissionais do Mais Médicos. Desses, 85% afirmaram que a qualidade do atendimento melhorou; 87% que o médico é mais atencioso, e 82% que a consulta agora resolve melhor seus problemas de saúde.

“O Brasil com certeza sofre com essa saída. Vamos ter de fato uma catástrofe sanitária”, disse o médico Thiago Henrique Silva sobre o fim da participação de Cuba no Programa Mais Médicos, criado em 2013. Integrante da Rede Nacional de Médicos e Médicas Populares e mestre em Saúde Pública, Thiago lembrou, em entrevista à TVT, que o Brasil tem com Cuba uma parceria de cooperação até o final de 2019. "Os países que buscam essa parceria com a Empresa Estatal Cubana de Serviços Médicos buscam porque estão precisando de um força de trabalho extra porque a interna não dá conta de atender as pessoas", explica o especialista. Segundo ele, Cuba tem acordos de cooperação com mais de 60 países. "O único em que há esse debate da revalidação dos diplomas é o Brasil”, lamentou.

Ele explicou que desde os anos 1960 Cuba prepara brigadas de solidariedade para atender catástrofes naturais e biológicas, como o ebola na África, os terremotos no Haiti, no Paquistão. “Quando outros países mandavam armas, Cuba mandava médicos para os países que estavam passando dificuldade. Cuba é referencia em saúde reconhecida inclusive pelos norte-americanos. Com o relaxamento das relações entre Cuba e EUA, muitos estão procurando Cuba para fazer tratamento médico”.

Bravatas do presidente eleito

Em visita hoje (16) ao Comando do Primeiro Distrito Naval, no Rio de Janeiro, Bolsonaro voltou a defender o fim do contrato com Cuba. Afirmou que nunca viu uma autoridade ser atendida por um médico cubano e que esse atendimento não deveria ser relegado aos mais pobres. 

Para Thiago, as manifestações de Bolsonaro que culminaram com o fim do contrato com Cuba tratam-se de mais uma bravata do presidente eleito que sabe que não vai recuperar a economia com a agenda do seu economista que quer combater a China, o maior parceiro comercial do Brasil.

“Ele acabou de nomear um chanceler que diz que a China é maoísta e tem de ser combatida. Você está falando da segunda maior economia do mundo, que nem Trump (Donald Trump, presidente dos EUA) tem coragem de falar uma coisa dessas. E o chanceler do Bolsonaro fala isso", diz Thiago, sobre a indicação do diplomata Ernesto Henrique Araújo para comandar o Itamaraty. Araújo é alinhado com Donald Trump e já chegou a dizer que a preocupação com mudanças climáticas e aquecimento global é coisa de comunista.

Levantar uma cortina de fumaça ideológica é o que Bolsonaro quer fazer, na opinião de Thiago. “E é essa cortina que vai fazer com que 8 mil médicos saiam daqui e 30 milhões de brasileiros fiquem sem atendimento médico.” 

Veja abaixo a íntegra da entrevista: 

Publicado em Cidadania
O índice de mortalidade infantil de Cuba neste ano registrou uma marca de 4,9 bebês a cada mil nascidos, a menor de todo o continente americano, incluindo Canadá e Estados Unidos, informou um relatório divulgado hoje. Dados do Ministério de Saúde Pública de Cuba, que foram publicados pela imprensa local nesta terça-feira (3), ainda divulgaram [...]

Leia mais: http://juventudepetroleira.wordpress.com/2012/01/04/cuba-supera-eua-e-tem-a-menor-taxa-de-mortalidade-infantil-da-america/

Publicado em JUVENTUDE PETROLEIRA

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram