O Sindicato Unificado dos Petroleiros de São Paulo denuncia que seu diretor Marcelo Garlipp, membro da Comissão de Investigação de Acidentes que apura as causas da explosão e do incêndio ocorridos na madrugada do dia 20 de agosto na Replan, está encontrando dificuldades para exercer seu trabalho. Além de não facilitar a entrada do dirigente às instalações da refinaria, a empresa também tem negado o acesso a computadores.

Na manhã desta quarta-feira (05), como tem sido praxe todos os dias, Garlipp teve que responder na portaria o porquê precisava entrar na empresa e em quais setores ele iria. Depois de alguns minutos, teve a entrada autorizada, mas acabou barrado na segunda portaria, após tentar passar a catraca com seu crachá. Ele foi interceptado por um vigia e solicitado que aguardasse por um outro funcionário para sua liberação.

Dentro da refinaria, Garlipp teve problemas com o uso de computadores. Por duas vezes, ele teve que sair dos equipamentos que utilizava, por determinação dos gerentes dos setores. No RH, o gerente justificou que o dirigente não poderia ficar na área devido à partida da refinaria. O argumento surpreendeu o membro da comissão, que havia utilizado esse mesmo computador no dia anterior, quando a Replan já estava em processo de partida.

Para o Sindicato, essa conduta demonstra que a gestão da Replan está mais preocupada com a presença de representantes da entidade dentro da empresa do que, propriamente, com a apuração efetiva e isenta das causas do acidente.

Para desenvolver seu trabalho na comissão, o diretor sindical precisa ter acesso às instalações da refinaria e também a computadores conectados à rede interna.

A comissão iniciou a investigação no dia 22 de agosto e tem trabalhado duro para entender a origem da explosão na refinaria que, por sorte, não se transformou em uma tragédia.

O grupo é formado por 12 membros, sendo um representante do Sindicato, um da Cipa (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes) e 10 especialistas e cargos de chefia, designados pela empresa.

[Via Sindipetro Unificado SP]

Publicado em Sistema Petrobrás

Na tarde de sexta-feira, 31, às 15h20, durante o processo de partida operacional depois de passar por uma manutenção programada na unidade de Hidrotratamento (HDT) de QAV e Diesel (U-2700), ocorreu um vazamento de gás H2S na linha do flare da unidade.

Durante o acidente, uma equipe de profissionais estava abrindo a linha do flare para a instalação de uma raquete e quatro trabalhadores terceirizados da empresa Herbert Engenharia que estavam próximos desmaiaram na área, devido a contaminação pelo gás e foram removidos para o setor médico da refinaria.

No final do dia, o vazamento já tinha sido contido pela brigada de incêndio e pelos operadores da unidade. Os trabalhadores acidentados já estavam estáveis e fora de risco de morte.

Vale lembrar que os efeitos de intoxicação do H2S, ou gás da morte, são como aos do monóxido de carbono, porém mais intensos podendo causar danos permanentes.

Este gás tóxico paralisa o sistema nervoso que controla a respiração, incapacitando os pulmões de funcionar, provocando a asfixia.
Esses trabalhadores tiveram sorte desta vez.

A direção do Sindipetro Caxias alerta a todos os trabalhadores a prezarem por suas vidas, usem os equipamentos de segurança e usem seus direito de recusa ao perceber situações de risco. A direção continuará acompanhando a investigação para saber os motivos do vazamento.

[Via Sindipetro Duque de Caxias]

Publicado em Sistema Petrobrás

Os trabalhadores da empresa Manserv, que que atuam no setores de montagem e manutenção da Refinaria de Capuava (Recap), em Mauá (SP), continuam em GREVE há mais de 30 dias. Eles lutam por melhores condições de trabalho e para que suas reivindicações de negociação do Acordo coletivo de trabalho sejam aceitas.

A greve foi iniciada no dia 26 de julho e atinge a totalidade dos 220 trabalhadores, segundo o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário em Santo André, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra (Construmob).

Na quarta-feira (29/08), o Sindipetro Unificado de SP e o Construmob iniciaram uma campanha de arrecadação de CESTAS BÁSICAS para distribuir aos trabalhadores em greve.

Várias lideranças sindicais deram apoio na porta da refinaria, em um ato de solidariedade e de mobilização.

[Com informações do Sindipetro Unificado de SP]

Publicado em Setor Privado
Sexta, 31 Agosto 2018 14:44

Petrobrás confisca abono do PCR

Petroleiro que aderiu ao PCR teve valor do abono descontado na rescisão por aposentadoria

Na manhã de quinta-feira (30), um petroleiro de uma unidade da Petrobrás na Bahia esteve na sede do Sindipetro para homologar sua rescisão por aposentadoria. O processo de homologação, acompanhado por representantes da empresa e do sindicato, serve para dar fim ao contrato de trabalho.

No caso em questão, o trabalhador e o Sindicato foram surpreendidos por um elevado desconto aplicado no crédito da rescisão do contrato. De plano, nem o trabalhador, nem o representante da empresa souberam informar a razão do débito.

O Sindipetro Bahia, em contato com o RH Corporativo, teve a informação de que o valor descontado refere-se ao abono pago pela Petrobrás pela adesão ao PCR. Como o funcionário requereu sua aposentadoria logo em seguida ao recebimento da quantia, a empresa confiscou o valor correspondente na rescisão. 

Seguindo orientação da nossa assessoria jurídica, a homologação foi feita com ressalvas e a empresa será questionada por ter efetuado o desconto.

Essa é a primeira homologação realizada pelo Sindipetro Bahia após a abertura do PCR. Conforme amplamente divulgado pela entidade, o plano é norma interna da empresa e traz riscos aos trabalhadores, além de insegurança jurídica, como constatado nesse caso.

O exemplo mostra que os aposentáveis, assim como toda categoria, não têm vantagem em aderir ao PCR. Pelo contrário, podem inclusive fragilizar suas aposentadorias. Ademais, acabam por estimular os colegas a se atirarem no escuro. Essa fragmentação individualista só enfraquece a classe trabalhadora.

Reforçamos que NÃO façam adesão ao PCR. A ação coletiva é o único meio para fortalecer a luta pelos diretos da categoria. Aos que já aderiram, o Sindipetro espera que a justiça anule o plano, dadas as ilegalidades demonstradas no processo.

[Sindipetro Bahia]

Publicado em Sistema Petrobrás

Depois de um chá de cadeira de mais de cinco horas e muita pressão, o diretor do Sindipetro Unificado-SP e coordenador da Regional Campinas, Gustavo Marsaioli, teve a entrada liberada na Refinaria de Paulínia. O acesso foi permitido por volta das 12h30 e o dirigente foi recebido pelos gerentes de SMS (Saúde, Meio Ambiente e Segurança), RH, Produção, Inspeção de Equipamentos, Segurança Corporativa e Otimização.

A gerência apresentou o cronograma de partida da refinaria, que foi iniciada na noite de ontem (29), e explicou que está trabalhando com reforço de equipes nas unidades. “Os grupos que trabalhariam nas unidades sinistradas (uma de destilação e outra de craqueamento) estão sendo deslocados para os conjuntos em processo de partida”, afirmou Marsaioli.

O diretor sindical também recebeu informações de como foi a vistoria da ANP (Agência Nacional do Petróleo), realizada nesta quarta-feira (29), nas instalações da Replan. “Eles disseram que já tinham enviado ao órgão uma série de documentos, inclusive da Gestão de Mudanças. Ontem houve a inspeção in loco, com registro de fotos, e os técnicos da ANP pediram explicações detalhadas sobre o processo da refinaria”, destacou.

Segundo Marsaioli, os gerentes afirmaram que a operação nas unidades de destilação e craqueamento, que não foram atingidas pelo acidente, e de alguns subsistemas deve estar normalizada em dois dias e meio. A produção no restante da refinaria começa em torno de uma semana. Inicialmente, a Replan vai operar com carga de 50%. Parte das duas unidades afetadas foi destruída e o conserto deve demorar alguns meses para ser concluído.

Bombas de incêndio

O diretor do Sindicato sugeriu que seja feita a inspeção das bombas auxiliares de incêndio, que foram usadas no combate ao fogo no dia 20, e reavaliação do procedimento de emergência para a saída dos trabalhadores do laboratório. “Ficamos de enviar relatos dos trabalhadores à empresa, para contribuir nas questões da segurança”, ressaltou. Segundo ele, o Sindicato continuará avaliando as condições de trabalho na refinaria, junto ao efetivo operacional.

[Sindipetro Unificado de São Paulo]

Publicado em Sistema Petrobrás

A direção do Sindipetro Unificado-SP está sendo barrada na porta da Refinaria de Paulínia. A gerência da Replan proibiu o diretor Gustavo Marsaioli, coordenador da Regional Campinas, de entrar na empresa na manhã de hoje (30). O dirigente está há mais de quatro horas em frente à portaria.

O Unificado denuncia que desde que a partida da Replan foi liberada pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), no final da tarde de ontem (29), a gerência da empresa interrompeu completamente o diálogo com a direção sindical.

Desde a noite de ontem, os dirigentes tentam conversar com a gerência da Replan sobre a partida. Diante das diversas tentativas malsucedidas de diálogo, o Sindicato está solicitando, oficialmente e em caráter imediato, uma reunião com a empresa para tratar das condições do processo de partida operacional das unidades.

Reiteramos que a empresa está cumprindo com a maioria das propostas da pauta de segurança apresentada pelo Sindicato. Surgiram, entretanto, algumas outras preocupações, apontadas pelos trabalhadores, e o Sindicato gostaria de esclarecer esses pontos com a empresa. Uma das questões principais diz respeito ao número mínimo de trabalhadores na partida.

O Sindicato lamenta essa conduta autoritária e intransigente da gestão da Replan, que fere a democracia e viola o direito fundamental à liberdade sindical, e espera que essa atitude seja revista, possibilitando o diálogo em favor da segurança do efetivo.

Sindicato Unificado do Petroleiros de São Paulo


Leia também:

> Sindicato vai ouvir trabalhadores para partida segura da Replan

> Posição do Unificado sobre liberação da operação da Replan pela ANP

 

Publicado em Sistema Petrobrás

A direção do Sindicato Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo (Sindipetro Unificado-SP) conversa, nesta quinta-feira (30), com os trabalhadores da Refinaria de Paulínia sobre a criação do Grupo de Trabalho, uma das propostas apresentadas pela entidade para garantir segurança no processo de partida e na operação da Replan.

A ideia é que o grupo seja formado por representantes do Unificado, da empresa e da base, com o objetivo de discutir temas relacionados à manutenção, segurança do processo de partida e procedimentos operacionais e deliberar ações para a operação segura da refinaria.

O assunto será abordado amanhã, em setoriais na sede da Regional Campinas, que acontecem em dois horários, às 10h30 e às 18h30. “O envolvimento e a participação dos trabalhadores na formação desse grupo são muito importantes para focarmos nas questões que realmente são cruciais para uma rotina de trabalho segura”, afirma o diretor do Sindicato Arthur Bob Ragusa.

Inspeção

Desde o início da manhã de hoje (29), técnicos da Agência Nacional do Petróleo (ANP) estão na Replan, inspecionando as unidades e o serviço de raqueteamento (isolamento das linhas de tubulações), executado nas áreas atingidas pela explosão e o incêndio, ocorridos na madrugada de segunda-feira (20).

A inspeção avalia as condições de segurança das instalações da refinaria, para garantir que a partida operacional seja feita com tranquilidade e sem risco de novos acidentes. O parecer da ANP, que vai determinar se a Replan já pode dar largada aos procedimentos de partida, deve ser emitido logo após a conclusão da vistoria.

Investigação

A comissão criada para investigar as causas da explosão e do incêndio na Replan ainda não tem um laudo conclusivo. “Qualquer informação sobre a origem do acidente, citada neste momento, é incipiente”, declara o diretor do Sindicato Marcelo Garlipp, que integra a comissão de apuração.

Segundo ele, não existe uma causa única para acidentes de grande proporção, como o ocorrido na Replan. “Geralmente, esse tipo de ocorrência é provocado por uma série de motivos, que ainda estamos apurando”, destacou.

A comissão segue entrevistando trabalhadores, analisando dados de processos, painéis e instrumentos, levantando hipóteses e realizando testes nos equipamentos para averiguar as possibilidades. O prazo para o término da investigação é de 30 dias.

Leia também: Posição do Unificado sobre liberação da operação da Replan pela ANP

[Via Sindipetro Unificado SP]

Publicado em Sistema Petrobrás

O SINDIPETRO-RS convoca a categoria petroleira do RS a participar do Ato em defesa da Vida, em defesa da PR e contra o PCR, nesta quinta-feira (30), a partir das 7h, em frente à Refap. A atividade, que inicialmente estava prevista para sexta-feira, juntamente com o Ato Nacional da FUP e seus Sindicatos, foi alterada devida as previsões de forte chuvas para o estado.

Em defesa da vida

A insegurança crônica que transformou as refinarias em bombas-relógio é a mesma que afeta as plataformas, terminais e campos de produção terrestre, que também estão sendo sucateados e privatizados. O resultado do desmonte é o aumento dos acidentes, que já mataram 14 trabalhadores nestes dois anos de gestão temerária dos golpistas. Em 2018, já são três fatalidades, entre elas, o companheiro José Altamir Osorio, que prestava serviço para o TEDUT. Ele trabalhava para a Cross&Freitas, empresa que presta serviços de corte de grama para a Transpetro, e foi atingido pela caçamba do trator que operava.

Em defesa da PR para todos

Durante a mobilização desta quinta-feira, os trabalhadores vão reafirmar o seu repúdio diante da discriminação imposta pelos gestores da empresa, que se recusam a pagar a Participação nos Resultados (PR), referente ao ano de 2017, para os trabalhadores da Araucária Nitrogenados (Fafen-PR). 

Para o diretor de Comunicação da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Gerson Castellano, essa conduta que a direção da Petrobrás vem adotando em relação à Araucária pode se estender a outras unidades, como a Transpetro, por exemplo: "Não é nem a questão de valores, e sim a prática, porque se aceitarmos isso hoje, a direção da Petrobrás vai cada vez mais insistir na segregação, cada vez dividindo mais a categoria. Temos que fazer todos os acordos de forma coletiva e com unidades fortes, sem deixar companheiro para trás. Se hoje aceitarmos a segregação da Araucária, amanhã vamos ter que aceitar todas as segregações. Isso vale para qualquer situação e qualquer categoria, a unidade da luta tem que ser dos trabalhadores", defende Castellano.

Diga NÃO AO PCR!

Oferecido individualmente aos trabalhadores, o PCR é a mais nova moeda de troca da Petrobrás para retirar direitos da categoria. Desenhado para atender às recomendações do governo Temer (documento da SEST publicado em dezembro de 2017, determinando cargos amplos e abrangentes nas empresas estatais), o PCR é claramente inconstitucional, pois fere o princípio do Concurso Público, ao impor a mobilidade entre cargos, o que é vedado pela legislação. 

O petroleiro que aderir ao plano renuncia ao cargo para o qual foi concursado e abre mão das atribuições de sua profissão para tornar-se um empregado multifuncional, à disposição dos gestores. 

[Via Sindipetro-RS]

Publicado em SINDIPETRO-RS

Com o tema “Assédio moral e sexual é crime”, o Sindipetro-NF promove a partir desta segunda, 27, uma série de atividades para conscientizar sobre os crimes de assédio. Os casos têm aumentado na região e a entidade atua para identificar e responsabilizar os criminosos.

Uma sequência de cafés da manhã nas bases e uma mesa de debate, na sede do sindicato em Campos dos Goytacazes, com as professoras Elis Araújo Miranda e Paula Sirelli, ambas da Universidade Federal Fluminense, integram a programação. A entrada é gratuita e aberta ao público.

A campanha busca estimular a identificação dos primeiros sinais de assédio, muitas vezes disfarçados de gracejos ou insinuações que, quando desmascaradas, costumam ser atribuídos apenas a “brincadeiras” pelos autores. Raramente um assediador faz propostas muito explícitas ou comprováveis nas primeiras abordagens. As peças de divulgação, portanto, chamam a atenção para a necessidade de demarcar claramente a linha entre o que é uma relação sadia no ambiente de trabalho e o que é uma prática criminosa.

Além disso, os debates procuram encorajar as vítimas a denunciarem os casos, única forma de combater o crime, punir os criminosos e evitar novas ocorrências. Todas e todos podem enviar relatos para o e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Programação

Segunda, 27 - 7h - Café da Manhã na Falcão Bauer.

Terça, 28 - 7h - Café da Manhã na Praia Campista.

Terça, 28 - 18h - Mesa-debate: Assédio moral e sexual é crime, no auditório do Sindipetro-NF em Campos dos Goitacazes, com a Elis Araujo Miranda e Paula Sirelli.

Quarta, 29 - 7h - Café da Manhã no Parque de Tubos.

Quinta, 30 - 7h - Café da Manhã em Cabiunas.

Sexta, 31 - 7h - Café da Manhã no Edinc.

[Via Sindipetro-NF]

Publicado em Cidadania

A era da modernidade é definida como o período de avanços nos direitos sociais, civis e políticos na sociedade em comparação à idade média, ou era das trevas, na qual as pessoas que ousavam pensar eram queimadas vivas ou torturadas. Felizmente essa época foi vencida e hoje a liberdade de expressão é um direito fundamental nas sociedades modernas.

Atualmente a gestão de pessoas também procura se modernizar e implantar ações de valorização da diversidade nos ambientes de trabalho, enfatizando a criatividade e a liberdade de expressão dos seus funcionários. Isso ocorre em várias empresas ao redor do mundo, mas a atual gestão da Petrobras vai na contramão dessas práticas. É o que acontece atualmente na Repar.

Sob um falso discurso moralista, que na realidade pretende disfarçar um sentimento preconceituoso e ultrapassado, algumas pessoas implantam a censura à liberdade de expressão dos trabalhadores e praticam atos de assédio moral ou ameaças àqueles que utilizam camisetas ou adesivos que refletem apenas um sentimento nacionalista.

A frase “NÃO ESTAMOS À VENDA”, estampada na camiseta da campanha do Sindicato contra a privatização da Petrobrás, expressa um sentimento de defesa do patrimônio público, representa o orgulho da maior empresa do Brasil, demonstra uma opinião contrária ao entreguismo do nosso país e é uma prática de cidadania e de defesa dos direitos trabalhistas.

Impedir os trabalhadores e trabalhadoras de expressar sua opinião é uma afronta à liberdade de expressão e ao direito fundamental do ser humano, que é raciocinar. Por isso, o Sindipetro recomenda que todos, petroleiros e petroleiras, próprios ou terceirizados, que sofrerem ameaças ou assédios devido a utilização das camisetas ou dos adesivos, que denunciem ao Sindicato o nome e setor dessa pessoa, com um breve relato do ocorrido, através do e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Os trabalhadores têm o direito de livre manifestação da sua opinião, seja nas ruas ou nas empresas. A ditadura foi vencida em nosso país e a democracia, apesar de golpeada em 2016, segue valendo judicialmente e politicamente.

Podem querer nos calar, podem querer retirar nossos direitos civis, sociais e políticos, mas não conseguirão. A história mostra que por detrás da cortina de fumaça da censura, as pessoas nunca deixaram de pensar e de se expressar.

Se alguns gestores da Repar ainda vivem na era das trevas ou na falida ditadura, nós demonstraremos que não há mais espaço às censuras ou imposições de uma falsa moral. O combate às afrontas à cidadania e ao pensamento político é uma bandeira que inúmeras instituições ao redor do mundo, e também no Brasil, é erguida com força.

Declaração Universal dos Direitos Humanos
Adotada e proclamada pela Assembleia Geral das Nações Unidas (resolução 217 A III) em 10 de dezembro 1948.

Artigo 19 - Todo ser humano tem direito à liberdade de opinião e expressão; esse direito inclui a liberdade de, sem interferência, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e idéias por quaisquer meios e independentemente de fronteiras.

NÃO À CENSURA! NÃO À DITADURA! NÃO ESTAMOS À VENDA!

[Via Sindipetro-PR/SC]

Publicado em SINDIPETRO-PR/SC
Página 3 de 4

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram